31 de julho de 2017

Evangelizar os muçulmanos é proibido na Jordânia

 Aqueles que desafiam a lei para falar de Cristo podem enfrentar interrogatórios, agressões e ameaças

Evangelizar os muçulmanos é proibido na JordâniaA Jordânia ocupa o 27º lugar na atual Lista Mundial da Perseguição e se localiza no Oriente Médio, na margem leste do rio Jordão. A nação faz fronteira com a Arábia Saudita, Iraque, Síria e Israel. Como estado independente, desde 1946, conquistou a Cisjordânia na guerra árabe-israelense de 1948. É uma das nações que assinou o acordo de paz com Israel. Para os cristãos, é uma terra hostil e violenta. O número de convertidos vem diminuindo no decorrer dos anos.
A Jordânia já foi um dos países mais livres da região, em termos de liberdade de religião, hoje, porém, a evangelização aos muçulmanos é proibida. Desafiar a legislação para falar de Cristo é perigoso na maioria das vezes. A Portas Abertas já recebeu relatos de que cristãos foram interrogados pela polícia, agredidos fisicamente e ameaçados de morte. Alguns são considerados “loucos” pela família por causa da fé e enviados para clínicas psiquiátricas.
No ano passado, Nahed Hattar, um escritor cristão foi morto a tiros, por um suposto muçulmano fundamentalista. O motivo da violência se deu por causa de uma publicação que ele fez, de uma caricatura considerada blasfema pelo islã. O escritor já estava enfrentando um julgamento e estava a caminho do tribunal na hora do incidente. Por conta desse cenário violento, o número de relatos sobre os cristãos que fogem do país por razões relacionadas à fé aumentou. Ore pela Igreja Perseguida na Jordânia.