27 de setembro de 2015

Tensões crescentes na Malásia podem afetar minoria cristã



Enquanto a Malásia comemorava seu 58º aniversário, no final de agosto, e o governo estava em clima de festa, do outro lado o povo testemunhava grandes encontros de oposição e diversas manifestações. Não houve relatos de confrontos violentos, mas uma clara convicção de que os cidadãos estão insatisfeitos.

Relatórios da Portas Abertas observam: "Foi uma surpresa de aniversário para o governo ver que até mesmo o antigo primeiro-ministro da Malásia, Mohammad Mahathir, conhecido como Dr. M, com seus 90 anos, apareceu no encontro de oposição dos "camisas amarelas" pedindo para o atual primeiro ministro, Najib Razak`s, sair”.

A polícia não declarou oficialmente os números, mas é possível que cerca de 250 mil pessoas tenham comparecido ao encontro, com a presença de muitos chineses que vivem no país. Isso levou o governo a anunciar uma segunda reunião, com os "camisas vermelhas", a fim de ameaçar os chineses, dizendo que eles merecem uma lição, alegando que eles estão sendo rudes com os malaios.
A reivindicação do Dr. M deixou claro que a democracia pede uma prestação de contas ao governo e que os eleitores precisam se expressar de quatro em quatro anos. Levando em conta que muitos dos cidadãos chineses na Malásia são cristãos e se a política estiver contra eles, as igrejas sentirão também as consequências.