14 de maio de 2015

Vaticano reconhecer Estado palestino no novo tratado




O Vaticano concluiu seu primeiro tratado que reconhece formalmente o Estado da Palestina, um movimento que dá peso legal para anos de duração reconhecimento da Santa Sé, e que atraiu críticas rápido de apoiantes de Israel.
O acordo, que o Vaticano disse que pretende "melhorar a vida e as atividades da Igreja Católica eo seu reconhecimento a nível judicial," vem dias antes de o papa Francis deve se reunir com o presidente palestino, Mahmoud Abbas, e é provável que solidificar as relações entre o Vaticano e palestinos.
O texto do tratado, que abrange as atividades da Igreja em áreas controladas pela Autoridade Palestina, foi concluído e será assinado oficialmente pelas respectivas autoridades "no futuro próximo", disse um comunicado conjunto divulgado pelo Vaticano.
Abbas é devido a assistir a uma missa no Vaticano no domingo para fazer santos de duas freiras palestino-nascido do século 19 e 20.
Autoridades do Vaticano sublinhou que a Santa Sé tinha dado o reconhecimento oficial ao Estado da Palestina desde 2012.
Vice-chanceler do Vaticano, Monsenhor Antoine Camilleri, disse em uma entrevista com o jornal oficial da Santa Sé que esperava que o acordo seria indiretamente ajudar o Estado palestino nas suas relações com Israel.
"Seria positivo se o acordo poderia, de alguma forma ajuda com a criação eo reconhecimento de um Estado independente, soberano e democrático da Palestina que vive em paz e segurança com Israel e os seus vizinhos", disse à l'Osservatore Romano.
Mas o presidente europeu Congresso Judaico Moshe Kantor chamou o movimento "lamentável" e disse que iria "diminuir as chances de uma solução pacífica negociada do conflito e encorajar os extremistas".
Abraham Foxman da Liga Anti-Difamação disse que o tratado era "prematuro" e disse que iria minar a uma solução negociada de dois Estados para o conflito.
A Assembléia Geral da ONU aprovou uma resolução sobre 29 de novembro de 2012 reconhecer a Palestina como um observador estado não-membro. Esta foi recebido na época pelo Vaticano, que tem o estatuto de não-membro do mesmo observador nas Nações Unidas.
"Temos reconhecido o Estado da Palestina desde que foi dado o reconhecimento pelas Nações Unidas e que já está listado como o Estado da Palestina no nosso anuário oficial", o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardisaid.
Durante uma visita ao Oriente Médio de um ano atrás, Francis encantou seus anfitriões palestinos referindo-se ao "Estado da Palestina" e dando apoio para a sua proposta para o reconhecimento soberania plena.