14 de maio de 2015

Pesquisa revela que cristianismo está perdendo a força nos EUA, e líder Batista rebate




Russell Moore, presidente da Convenção Batista do Sul de Ética e Liberdade Religiosa.
Um novo estudo publicado pelo instituto Pew nesta terça-feira (12), mostra que o grupo de pessoas que não estão mais ligadas a denominações aumentou para 22,8% da população americana, superando o número de católicos no país, que caiu para 20,8%.
Os cristãos, como um todo, caíram de 78,4% para 70% da população entre 2007 e 2014. Os evangélicos caíram de 26,3% para 25,4%, e protestantes diminuíram de 18,1% a 14,7%. O número de ateus quase dobrou, subindo de 1,6% para 3,1% da população no mesmo período.
Diante dos resultados da pesquisa, Russell Moore, presidente da Convenção Batista do Sul de Ética e Liberdade Religiosa, afirma que estes são resultados ruins para os Estados Unidos, mas aos olhos da igreja são bons.
"O cristianismo não é mais normal. Ele nunca deveria ter sido. A estranheza aumento do cristianismo pode ser uma má notícia para a América, mas é uma boa notícia para a igreja. Os grandes jornais estão nos dizendo hoje que o cristianismo está morrendo, de acordo com este novo estudo, mas o que fica claro a partir deste estudo é exatamente o contrário: enquanto linhas tradicionais despencam, as igrejas evangélicas estão permanecendo notavelmente estáveis ", disse Moore em um comunicado.
Ele acrescentou que existem ateus honestos, que rejeitam o "quase-cristianismo", ou tradições que "abandonam os ensinamentos históricos da igreja que, para eles, se tornam fora de moda."