20 de maio de 2015

Parlamentares cobram posicionamento do Governo federal diante da perseguição religiosa




Mesa composta por palestrantes que participaram do debate sobre liberdade religiosa, durante uma audiência Pública, na Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional
Na última quinta-feira (14), realizou-se com a direção da Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional, uma audiência pública, que teve como pauta a situação dos cristãos perseguidos por grupos radicais islâmicos. A sessão atendia ao requerimento nº 24/2015, de autoria do Deputado Antônio Jácome (PMN-RN).

Presidido pela Deputada Jô Moraes - que também é presidente da Comissão - o evento teve a participação de diversos parlamentares, representantes do Governo, da sociedade civil e autoridades religiosas cristãs e islâmicas.

Um dos palestrantes convidados foi o Dr. Uziel Santana, presidente da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (ANAJURE), que abordou em seu discurso, a violência sofrida pelos cristãos no mundo.

Além do Dr. Uziel, outros líderes como o Pastor José Prado (Missão Mais), Máisel Rocha (Mundo Muçulmano) e Jihad Hassan Hammadeh (União Nacional Islâmica) também participaram da sessão, o qual aproveitou a oportunidade para expressar o seu repúdio e também do Conselho de Ética da União Nacional Islâmica (UNI) ao atos de violência e terrorismo realizado em nome do extremismo religioso.

O líder islâmico também se dispôs a contribuir com as demais religiões brasileiras - em especial os cristãos - com o intuito de comprovar que "sabem viver pacífica e harmoniosamente com outros segmentos religiosos".

Uziel Santana também destacou o trabalho realizado em nível nacional e internacional pela ANAJURE, visando preservar a liberdade religiosa - causa que é uma das principais bandeiras institucionais da entidade.

O jurista afirmou que tem trabalhado para que o termo "genocídio" seja usado em discursos proferidos nas Nações Unidas sobre a situação de cristãos em países como Iraque e Síria. Atualmente é comum o uso do termo "perseguição" para abordar estes assuntos.

Segundo Uziel, o Governo brasileiro também poderia usar sua influência no relacionamento com países que são violadores das liberdades religiosas, como Paquistão, Coréia do Norte, China, Irã e Nigéria para lutar pela preservação de um direito humano tão precioso como a liberdade de crença.

Frente Parlamentar Evangélica
Presidente da Frente Parlamentar Evangélica (FPE), o deputado João Campos afirmou que "o governo brasileiro apenas cumpre protocolos, sendo omisso e não exercendo com firmeza a influência que tem economicamente", complementando as declarações de Uziel Santana.

O deputado ainda citou a negligência do governo com relação aos milhões de cristãos que são assassinados / executados sem qualquer apoio ou mecanismo de defesa jurídica que trabalhe em favor destes.