19 de maio de 2015

Marco Feliciano comenta expulsão de deputado cristão do PSOL: "Intolerância"




A expulsão do deputado federal Cabo Daciolo do PSOL gerou grande repercussão e até mesmo revolta por parte de outros parlamentares. O deputado acabou sendo expulso de seu partido após propor que o primeiro parágrafo da Constirtuição fosse modificado de 'todo poder emana do povo' para 'todo poder emana de Deus'.

Segundo o líder do PSOL, Chico Alencar, Daciolo havia 'contrariado a defesa do Estado Laico', o que levou à decisão de retira-lo do quadro de parlamentares do Partido.

"Ele colidiu com um ponto fundamental do nosso partido, que é a defesa do Estado Laico. Respeitamos todas as crenças, mas o discurso fundamentalista religioso não pode ser tolerado."

O deputado federal Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) publicou em sua página oficial do Facebook, uma nota na qual lamentou a decisão do partido e a classsificou como "intolerância política" e chegou até a sugeriu ao seu partido (PSC), que convidasse Daciolo para integrar o Partido Social Cristão.

Confira abaixo a nota do parlamentar:

"É com grande pesar que uso desta mídia social para me solidarizar com o colega Dep Cabo Daciolo da bancada do Estado do Rio de Janeiro, injustificadamente expulso de seu Partido o Psol, por discordar de algumas diretrizes partidárias.

O que causa estranheza é a atitude discriminatória por parte da Executiva de um Partido que se diz popular, mas que toma uma atitude reacionária, pois, expulsa de seus quadros um Deputado oriundo das camadas mais humildes da sociedade, orientados por membros da chamada "Elite Intelectual" do Partido, que agora tiram a máscara e demonstram a mesma intolerância que tanto combatiam se ombreando aos piores verdugos da ditadura militar, quando condenam uma pessoa apenas por manifestar ideias contrárias às suas sem chance de ampla defesa.

Em flagrante desrespeito à vontade popular expulsam de seus quadros um Parlamentar eleito por 50 mil compatriotas que o escolheram justamente por suas ideias, que não contrapõem com a orientação partidária, pois a PEC apresentada pelo Deputado Cabo Daciolo, que mudaria o Preâmbulo da Constituição Brasileira de que "Todo Poder emana de Deus", sem dúvida não alteraria o caráter laico de nossa Magna Carta, mas se aprovado pela maioria dos Congressistas, teria de ser respeitado por todos os partidos, essa é a essência do Estado democrático.

Quanto ao discurso que o Deputado Cabo Daciolo se reportou em relação aos Policiais Militares que participaram do caso Amarildo, claro está que o deputado em seu pronunciamento não entrou no mérito do crime em si, mas apenas lembrou que policiais estão presos ainda sem sentença com prazos processuais excedidos, e que acionaria a Secretaria dos Direitos Humanos da Presidência, observação que caberia a qualquer criminoso que estivesse sendo tolhido de seu direito de um processo dentro das cartas legais vigentes.

Atitudes como essa da executiva do Psol em relação ao Deputado Cabo Daciolo, nada mais é do que perseguição religiosa, maniqueísta e rasteira, pois, todos que manifestam a fé Cristã imediatamente são colocados no campo oposto, a mesma reação não tiveram quando um outro Deputado da ala "Intelectual" do Partido que defende um Estado Laico e que apregoa que o ensino do Cristianismo é homofóbico, apoia projeto de lei que institui o ensino da cultura Islâmica nas Escolas se esquecendo que na maioria dos Estados Islâmicos, a Sharia (Lei Islâmica) condena a prática da homossexualidade e em alguns até com a morte.

Aproveito para sugerir a direção do meu Partido o PSC para convidar o Deputado Cabo Daciolo a compor o quadro de nosso Partido que não faz acepção de pessoas, nem pela crença nem posição social.

Finalizo pedindo a Deus que ilumine todas as lideranças políticas de nosso país para que enxerguem os anseios de nosso Povo para guiarem esse País para um caminho que não desvie daquele ensinado por Cristo que é o da tolerância e convivência pacífica, e que derrame suas mais especiais bênçãos a todos".

A expulsão do deputado federal Cabo Daciolo do PSOL gerou grande repercussão e até mesmo revolta por parte de outros parlamentares. O deputado acabou sendo expulso de seu partido após propor que o primeiro parágrafo da Constirtuição fosse modificado de 'todo poder emana do povo' para 'todo poder emana de Deus'.

Segundo o líder do PSOL, Chico Alencar, Daciolo havia 'contrariado a defesa do Estado Laico', o que levou à decisão de retira-lo do quadro de parlamentares do Partido.

"Ele colidiu com um ponto fundamental do nosso partido, que é a defesa do Estado Laico. Respeitamos todas as crenças, mas o discurso fundamentalista religioso não pode ser tolerado."

O deputado federal Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) publicou em sua página oficial do Facebook, uma nota na qual lamentou a decisão do partido e a classsificou como "intolerância política" e chegou até a sugeriu ao seu partido (PSC), que convidasse Daciolo para integrar o Partido Social Cristão.

Confira abaixo a nota do parlamentar:

"É com grande pesar que uso desta mídia social para me solidarizar com o colega Dep Cabo Daciolo da bancada do Estado do Rio de Janeiro, injustificadamente expulso de seu Partido o Psol, por discordar de algumas diretrizes partidárias.

O que causa estranheza é a atitude discriminatória por parte da Executiva de um Partido que se diz popular, mas que toma uma atitude reacionária, pois, expulsa de seus quadros um Deputado oriundo das camadas mais humildes da sociedade, orientados por membros da chamada "Elite Intelectual" do Partido, que agora tiram a máscara e demonstram a mesma intolerância que tanto combatiam se ombreando aos piores verdugos da ditadura militar, quando condenam uma pessoa apenas por manifestar ideias contrárias às suas sem chance de ampla defesa.

Em flagrante desrespeito à vontade popular expulsam de seus quadros um Parlamentar eleito por 50 mil compatriotas que o escolheram justamente por suas ideias, que não contrapõem com a orientação partidária, pois a PEC apresentada pelo Deputado Cabo Daciolo, que mudaria o Preâmbulo da Constituição Brasileira de que "Todo Poder emana de Deus", sem dúvida não alteraria o caráter laico de nossa Magna Carta, mas se aprovado pela maioria dos Congressistas, teria de ser respeitado por todos os partidos, essa é a essência do Estado democrático.

Quanto ao discurso que o Deputado Cabo Daciolo se reportou em relação aos Policiais Militares que participaram do caso Amarildo, claro está que o deputado em seu pronunciamento não entrou no mérito do crime em si, mas apenas lembrou que policiais estão presos ainda sem sentença com prazos processuais excedidos, e que acionaria a Secretaria dos Direitos Humanos da Presidência, observação que caberia a qualquer criminoso que estivesse sendo tolhido de seu direito de um processo dentro das cartas legais vigentes.

Atitudes como essa da executiva do Psol em relação ao Deputado Cabo Daciolo, nada mais é do que perseguição religiosa, maniqueísta e rasteira, pois, todos que manifestam a fé Cristã imediatamente são colocados no campo oposto, a mesma reação não tiveram quando um outro Deputado da ala "Intelectual" do Partido que defende um Estado Laico e que apregoa que o ensino do Cristianismo é homofóbico, apoia projeto de lei que institui o ensino da cultura Islâmica nas Escolas se esquecendo que na maioria dos Estados Islâmicos, a Sharia (Lei Islâmica) condena a prática da homossexualidade e em alguns até com a morte.

Aproveito para sugerir a direção do meu Partido o PSC para convidar o Deputado Cabo Daciolo a compor o quadro de nosso Partido que não faz acepção de pessoas, nem pela crença nem posição social.

Finalizo pedindo a Deus que ilumine todas as lideranças políticas de nosso país para que enxerguem os anseios de nosso Povo para guiarem esse País para um caminho que não desvie daquele ensinado por Cristo que é o da tolerância e convivência pacífica, e que derrame suas mais especiais bênçãos a todos".