11 de maio de 2015

Einat Falbel, do filme Metanoia, fala sobre mães da Cracolândia: 'Elas tem uma fé inabalável'



Einat Falbel interpretando Solange, em cenas do filme Metanoia.
Durante as gravações do filme Metanoia, a atriz Einat Falbel pôde sentir na pele o que vive uma mãe que tem o filho morando em um novo local - a Cracolândia, reduto conhecido em São Paulo pela aglomeração de usuários de crack.
A atriz interpreta Solange, mãe de Eduardo (Caique Oliveira), protagonista do filme que se tornou viciado em drogas. Em entrevista exclusiva ao Guiame, Einat imaginou como está sendo o dia das mães para mulheres que vivem o que Einat retratou no filme, que estréia dia 14 de maio.
"Eu imagino que apesar de tudo, mãe é mãe. O amor é muito potente, é um elo que não podemos medir porque está acima de todos os sentimentos. Me lembrei dessa história de uma mãe que ia todos os dias levar a comida do filho que estava ali [na Cracolândia] e não queria sair", conta a atriz. "Inclusive há essa referência no filme, no papel da Solange Couto, que é uma mãe que vai ver o filho, ela está o tempo todo conectada com ele."
Einat considera que a fé da mãe pela recuperação de seu filho é profunda. "Essa mãe praticamente salva o filho, é a fé dela, ela tem uma fé inabalável. Ela não mede esforços e tem uma crença profunda de que ele vai conseguir sair, de que ela vai ter essa ajuda."
Filme cristão
Ainda que o filme tenha uma temática crítica, trabalhar com uma equipe cristã foi uma experiência rica para a atriz. "Foi bem abençoado esse trabalho, ele tinha uma força. E não era fácil, a começar pelo tema, o dia a dia do set. Tinha uma proteção ali, é um filme que vem de alguma outra coisa mesmo, porque foi foi forte e poderoso."
"O filme, além de ter modificado as pessoas evolvidas, tem essa potência de levar um esclarecimento para todo mundo, não só quem está ligado à igreja, mas a todo mundo", disse Einat. "Assim como ele me tocou, apesar de eu não ser cristã, é pra todo mundo, e Deus é um só."
Tradições judaicas
A atriz vem de uma família de tradições judaicas - sua mãe nasceu em Israel antes da independência, o pai é polonês e veio para o Brasil antes da guerra. Uma parte de sua família morreu no holocausto. Einat pode fazer uma ligação entre as crenças da família e o que vivenciou em Metanoia.
"Na tradição judaica, quem dá o sangue judaico para o filho é o ventre materno. Então se eu casar com um não judeu, meu filho continua sendo um judeu, porque o meu sangue é judaico. Tem um força nisso, simbolicamente, e acho que isso se relaciona com esse amor e essa fé que uma mãe tem pelo filho."
Nova visão
Einat também relata que não houve barreiras, durante o trabalho com a equipe cristã, em relação ao fato de ela ser judia. "É muito legal também porque eu sou muito bem recebida sempre, 'ai você é judia? Que legal!'. Isso não é tão comum, a gente sabe que o mundo é cheio de preconceitos."
"O filme me trouxe uma quebra de paradigmas em relação aos evangélicos, ou aos batistas e essas vertentes cristãs. Vi todo mundo disponível, aberto", afirma atriz. "Foi muito bacana, fiquei muito alimentada, foi um período rico espiritualmente pra mim e me modificou, certamente. Sou bem simpatizante", brinca.