5 de maio de 2015

Cristã perdoa os assassinos do seu marido na Etiópia




Cristã perdoa os assassinos do seu marido na Etiópia

País é o 22º na Classificação de Perseguição Religiosa 2015

"Suportem-se uns aos outros e perdoem as queixas que tiverem uns contra os outros. Perdoem como o Senhor lhes perdoou." (Cl 3.13)
Birtukan estava grávida de 8 meses quando seu esposo, um pastor, foi assassinado em sua frente. Depois, ela teve terríveis flashbacks da morte do seu marido. Ela não conseguia entender por que Deus permitiu isso acontecer.
Mas Birtukan foi capaz de experimentar a cura e o perdão depois de participar de um treinamento para aconselhamentos em traumas, organizado pela Portas Abertas. "Eu os odiei por terem matado meu marido. Mas eu fui curada e agora escolhi perdoa-los. Agradeço a Deus pela ajuda que recebi da Portas Abertas. Tenho mais esperança no futuro agora”, ela disse.
“Quando eles mataram meu marido, eles tiraram a luz da minha vida. Mas, eu coloquei um nome em minha filha que na língua amáricao significa ‘minha luz’.”
Além da Birtukan, outras três viúvas etíopes participaram desse aconselhamento. Todas foram casadas com pastores, que perderam sua vida por causa de sua fé. Lelisa estava casada há apenas 6 meses quando seu marido foi brutalmente assassinado. Ela concluiu: “Agora meu coração está preenchido com muitas alegrias das novas descobertas desse treinamento.”
Uma viúva chamada Sintayehu comentou: “Eu servi a Jesus por 20 anos com meu esposo, antes dele ser morto. Deus graciosamente me deu um ministério com outros que também sofrem como eu. Descobri que não importa o quão duro eu cair, Deus vai me levantar!”
Duas dessas mulheres trouxeram seus filhos mais velhos. Um deles disse: “Meu pai foi sacrificado por seu amor pelas pessoas e por causa do Evangelho. Nós, agora, estamos substituindo aqueles que morreram. Esse treinamento nos ensinou como a sermos curados.”
`Sem medo´
A Portas Abertas também organizou um treinamento com sete pastores, para que eles fossem capacitados a aconselhar viúvas como Birtukan, Lelisa e Sintayehu.
Um deles disse: “Se eu observar que tem alguém triste ou com uma expressão depressiva, eu, como cristão, irei iniciar uma conversa para tentar oferecer assistência, em vez de esperar que essa pessoa venha até mim.” Outro comentou: “Antes eu evitava pessoas com AIDS. Tinha medo deles. Agora não tenho mais medo de servi-los ou toca-los.”
Curso de aconselhamento para liderança
Saber lidar com vítimas de trauma não é o ponto forte de muitos líderes cristãos da Igreja Perseguida — a própria realidade da perseguição já é desafiadora demais. A Portas Abertas trabalha em parceria com instituições e profissionais capazes de ensinar líderes cristãos sobre como lidar com essas vítimas, proporcionando a elas liberdade e perspectiva para o futuro. Saiba como ajudar.
Pedidos de oração
- Ore para que Birtukan, Lelisa e Sintayehu e outras que sofreram extrema perseguição na Etiópia continuem fortes e curadas de seus traumas;
- Ore para que Deus continue seu trabalho através da equipe Portas Abertas para levar cura e compreensão para as viúvas e pastores.