29 de maio de 2015

Como posso ajudar um cristão perseguido que conheci pela internet?




28_Brasil_0430100534
Talita* checava o seu perfil no Facebook quando se deparou com uma pessoa desconhecida que lhe pedia para ser adicionada ao seu grupo de amigos na rede social. Ela achou interessante e começou a trocar mensagens com a pessoa.

Esse indivíduo, que se apresentou com o nome de Ahmed, dizia ser da Arábia Saudita, e Talita logo compartilhou sobre Jesus e o evangelho com ele. Ahmed se mostrou interessado e disse que não tinha contato com cristãos, mas que gostaria muito de poder ir a uma igreja. Quando Talita lhe disse que havia cristãos na Arábia Saudita, Ahmed não acreditou. Para convencê-lo, ela falou com ele sobre o ministério da Portas Abertas.

O rapaz (Talita logo descobriu que ele tem 27 anos de idade) ficou bastante animado e perguntava se Talita poderia lhe informar o endereço de alguma igreja na Arábia Saudita, para que ele pudesse ir ao culto. Como ela não possuía tal informação, entrou em contato com a Portas Abertas Brasil, pedindo o contato de algum cristão ou igreja para passar ao Ahmed.

Perfis falsos
Esse relato pode parecer singular, mas acontece com mais frequência do que se pode imaginar. O escritório da Portas Abertas Brasil recebe todo mês alguns e-mails que relatam histórias parecidas com a da Talita.

Infelizmente, nem todas as pessoas nas redes sociais são quem dizem ser. Alguns parceiros foram enganados por pessoas que se diziam cristãos perseguidos, os quais pediam ajuda para comprar passagens aéreas e fugir do país. No fim, não passavam de hackers que invadiram os e-mails e perfis desses parceiros nas redes sociais na tentativa de obter acesso à sua conta bancária.

É verdade que não se pode saber quem está mentindo ou dizendo a verdade na internet. Assim, siga a sábia orientação de Salomão em Provérbios 14.15: "O inexperiente acredita em qualquer coisa, mas o homem prudente vê bem onde pisa". A cautela e a prudência são louvadas na Palavra de Deus, mostrando que agir com cuidado não significa ser insensível nem ter pouca fé.

Seja cauteloso ao usar as redes sociais


Não compartilhe imediatamente qualquer informação, seja na internet, seja no celular. Verifique primeiro se ela é procedente, pesquisando o assunto na internet ou entrando em contato conosco.
Ao ser abordado por alguém que diz precisar de ajuda, use o bom senso. Não se deixe levar pela emoção. Pergunte como a pessoa chegou até você, verifique se o tipo de ajuda que ela quer é lícito ou ilícito.
Jamais exponha seus dados na internet. Seu e-mail, número de telefone e até o número da sua conta no banco são informações preciosas que, se caírem em mãos erradas, podem lhe trazer muitos problemas.

Ore!
A oração é sempre mais eficaz que qualquer outra ajuda. Se alguém pedir sua ajuda, ore primeiro, pedindo discernimento do Espírito Santo sobre como proceder.

*O nome verdadeiro foi alterado para preservar a identidade da pessoa.


Fonte Revista Portas Abertas