11 de abril de 2015

Protesto na Índia revela insatisfação pelos 168 ataques contra cristãos




Protesto na Índia revela insatisfação pelos 168 ataques contra cristãos

País é o 21º na Classificação a Perseguição Religiosa 2015
Cristãos e muçulmanos se juntaram a ativistas seculares e líderes políticos em um protesto em Nova Deli, no dia 19 de março, que marcou os 300 dias de governo do primeiro-ministro indiano Narendra Modi.
Na ocasião, foi divulgado um relatório que listou 168 incidentes de assédio e violência anti-cristã desde que Modi tomou o poder, e 222 ocasiões de "discurso de ódio e campanhas de mídia" por parte de fundamentalistas hindus.
Banners levados no dia do protesto relatavam as atrocidades contra os cristãos. O autor do relatório, o ativista cristão John Dayal, subiu ao palco ao lado de líderes de partidos da oposição e ativistas e falou sobre a intolerância religiosa.
"O que nós compilamos é talvez um décimo do número real de incidentes", disse Dayal, cujo relatório é intitulado, “300 dias – Documentando o ódio e a violência pública sob o regime Modi”.
"Profanação e destruição de igrejas, ataques a pastores, detenção ilegal de membros da igreja, e negação dos direitos constitucionais de liberdade de fé agravaram a coerção e o terror desencadeados em campanhas [para forçar os convertidos ao cristianismo a retornarem ao hinduísmo]", afirma o relatório.
Dayal disse ao World Watch Monitor que, no total, foram mais de 600 casos de violência, 168 especificamente contra os cristãos e o restante contra muçulmanos.