26 de abril de 2015

Líderes muçulmanos condenam violência contra cristãos etíopes: `Vai contra qualquer religião´



Líderes muçulmanos condenam violência contra cristãos etíopes: `Vai contra qualquer religião´
A Universidade de Al Azhar, a mais alta do centro acadêmico do islã sunita, juntamente com os governos muçulmanos da região condenaram a execução de 28 cristãos etíopes em um vídeo divulgado pela Estado Islâmico, no último domingo.
A declaração de Al Azhar, atribuída ao Imam Ahmed al-Tayyeb e enviada à Agência Fides, classifica os assassinatos em massa como um "crime hediondo, cometido pelo grupo terrorista, que vai contra qualquer religião, direito ou conduta humana".
A universidade também enviou suas condolências ao governo e ao povo da Etiópia e às famílias das vítimas.
Acredita-se que os cristãos etíopes executados na ocasião tenham sido migrantes que viajavam para o norte para a Líbia, quando foram capturados pelo Estado Islâmico.
O grupo terrorista tem como alvo os cristãos em seus ataques ao longo do ano passado, e em fevereiro executou 21 cristãos coptas egípcios em outro vídeo postado online.
Mohamed Dayri, o ministro das Relações Exteriores da Líbia condenou os recentes assassinatos realizados pelo EI e os chamou de "bárbaros".
"Esta não é a primeira vez que essas hordas operam com ações trágicas e horríveis na Líbia", disse Dayri em uma reunião de líderes africanos e asiáticos, em Jacarta, referindo-se às execuções fevereiro.
O Ministério das Relações Exteriores do Líbano também se manifestou contra a matança de cristãos etíopes e os crimes de natureza religiosa.
"O Ministério das Relações Exteriores condena, nos termos mais fortes, o abate e a matança a sangue frio de 28 inocentes cristãos etíopes na Líbia, cujo único 'pecado' foi não acreditar no Estado Islâmico seus ensinamentos delirantes", disse o ministério, expressando solidariedade com o povo etíope.
"Este ato covarde é a maior prova de que não há limites para a crueldade e a brutalidade do EI, que se tornaram desenfreadas em mais de uma área, ameaçando a paz e a segurança internacional", acrescentou o comunicado.
Grupos cristãos de vigilância de perseguição, entretanto, pediram ao governo dos EUA para assumir um papel de liderança e lutar contra o "ódio genocida" do Estado Islâmico.
"Não podemos ficar de braços cruzados e ver que milhares de cristãos são assassinados por causa de sua fé. Se nós, os americanos realmente valorizamos a liberdade de religião, retenhamos que o valor elevado e exigir que mais seja feito para proteger a liberdade religiosa em todo o mundo. Os governos e as ONGs devem tratar dos direitos das minorias religiosas como direitos humanos fundamentais", disse o Presidente e CEO da Portas Abertas nos EUA, David Curry, em uma declaração conjunta, junto com o Simon Wiesenthal Associate Dean, o rabino Abraham Cooper, e Diretor de Assuntos Inter-religiosos, o rabino Yitzchok Adlerstein.
"Esta verdade deve motivar nossos países. Se não formos capazes de combater a ideologia nazista religiosa do EI, ele vai continuar a infectar os corações e mentes de um número cada vez maior de jovens em todo o mundo, levando adiante uma perseguição sem sentido e o derramamento de sangue. O hora de agir é agora. "
Gerente regional da "Internacional Christian Concern for Africa", Troy Augustine, acrescentou: "O mundo deve ser despertado para a realidade de que grupos extremistas islâmicos não pensam em parar com sua agenda terrorista brutal, e que os cristãos continuam a estar no centro do seu alvo. Como tal, o Estado Islâmico representa uma ameaça grave e se expande, contra a segurança dos cristãos no Oriente Médio e Norte da África".