26 de abril de 2015

Juristas de Cristo exigem posição do Brasil contra extermínio de cristãos




Juristas de Cristo exigem posição do Brasil contra extermínio de cristãos

Estado islâmico divulga vídeo para mostrar decapitação de cristãos
O grupo “Juristas de Cristo” – que reúne profissionais do Direito atuantes na área jurídica e oriundos de diferentes denominações evangélicas – divulgaram nota em que exigem que o Brasil se posicione com firmeza diante do massacre de cristãos na Líbia.
O grupo jihadista Estado Islâmico divulgou no domingo um vídeo que mostra o que diz ser a execução de 30 cristãos etíopes na Líbia. Com 29 minutos de duração, a gravação mostra metade do grupo sendo decapitada, enquanto os demais são executados com tiros na cabeça.
O vídeo, cuja autenticidade ainda não foi confirmada, tem semelhanças com outros divulgados pelo mesmo grupo, incluindo a decapitação de 21 cristãos egípcios, em fevereiro, também na Líbia. Diante disso, os Juristas de Cristo divulgaram nota sobre o terrorismo:
“Diante desse cenário de afronta e horror, colhemos do ensejo para CONCLAMAR toda a sociedade brasileira, em especial aqueles que mais diretamente estão envolvidos com a proteção e promoção dos Direitos Humanos, ligados ou não à fé cristã, tais como a Presidência da República Federativa do Brasil, a Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados e o grupo Anistia Internacional, a fim de adotarem posições firmes contra essa escalada de violência praticada contra cristãos em todo o mundo, principalmente aquela decorrente da atuação do ‘Estado Islâmico’, cujo principal e declarado objetivo é o extermínio em massa de seres humanos somente em razão da fé que professam.”
Outro trecho da nota lembra que o objetivo declarado do grupo paraestatal autodenominado Estado Islâmico, que vem crescendo em poder em influência, é o extermínio em massa de seres humanos somente em razão da fé que professam.
“Unimo-nos, assim, a outras entidades e autoridades, e de igual modo firmamos, publicamente, o nosso o mais veemente REPÚDIO a toda e qualquer forma de perseguição religiosa, especialmente a que vem sendo sistematicamente praticada pelo grupo terrorista “Estado Islâmico”, rogando das autoridades brasileiras e da comunidade internacional, a partir de agora e no que couber a cada qual, ações verdadeiramente concretas tendentes a refrear tamanha brutalidade e violência, cuidando para que não remanesçam impunes atos de tamanha afronta à dignidade humana”.