1 de março de 2015

Pastor lista motivos para cristãos não usarem a pornografia como forma de “apimentar” o casamento


Pastor lista motivos para cristãos não usarem a pornografia como forma de “apimentar” o casamento
De tempos em tempos, as discussões sobre o que um casal cristão pode ou não pode praticar na cama volta à tona no meio evangélico. A pornografia é uma das questões que sempre ronda a atmosfera dos aconselhamentos de casais.
O advento do filme “50 Tons de Cinza” e o lançamento de uma linha de produtos eróticos para o público evangélico trouxe a discussão à tona mais uma vez, e o pastor Renato Vargens, escritor e líder da Igreja Cristã da Aliança, em Niterói (RJ), publicou um artigo sobre o tema.
Vargens aponta para o fato de que existem passagens bíblicas que ajudam o casal a discernir sobre o que é saudável para a relação, quebrando a máxima de que “em quatro paredes pode tudo”.
“Outro dia alguém me perguntou nas Redes Sociais: ‘Pastor, o casal cristão pode assistir filme pornô? Qual o problema de fazê-lo visto que isso vai ajudá-los a apimentarem o relacionamento?’ Pois é, assim como respondi ao meu inquiridor, permita-me responder àqueles que porventura possuem a mesma dúvida. Os cristãos não devem assistir pornografia”, escreveu Vargens em seu blog.
De acordo com o pastor, existem passagens na Bíblia que indicam motivos para não buscar na pornografia um ingrediente de estímulo para a relação sexual. No texto, Vargens listou sete tópicos sobre os motivos para desconsiderar a pornografia como opção para o casamento.
“1) As Escrituras são claras em afirmar que a pornografia é pecado, afronta ao Criador e que aqueles que a praticam não herdarão o Reino dos Céus.  1 Co 6:9-13; Gl 5:19;  Ef 5:3 e Ef 5:11; 2) Os que assistem filmes pornô contribuem com a indústria do sexo que violenta, explora e oprime milhões de pessoas em todo o mundo; 3) Porque ela escraviza a mente e o coração de todo aquele que a pratica; 4) Porque ela fere e macula a dignidade das pessoas transformando indivíduos em objetos descartáveis; 5) Porque ela incentiva a luxúria, adultério e todo tipo de promiscuidade e imoralidade; 6) Porque não promove edificação do crente; 7) Porque não glorifica a Deus. Pense nisso!”, sugeriu o pastor.