6 de março de 2015

Igrejas domésticas são consideradas ilegais na China


Igrejas domésticas são consideradas ilegais na China

País ocupa o 29º lugar na Classificação a Perseguição Religiosa

A perseguição ainda continua, e os líderes da igreja aceitam-na como um teste de sua fé, um distintivo de honra para os cristãos.  Um cristão chinês declara: "Eu estou envergonhado porque ainda não tive o privilégio de sofrer pelo meu Senhor".
Durante anos, o Partido Comunista Chinês justificou a perseguição a igrejas não registradas, rotulando-as como cultos que desdenhavam o governo.  Sem controle direto sobre as igrejas, o governo acreditava que poderia se espalhar um ensino perigoso e, eventualmente, se revoltar contra o Partido Comunista. Porém, membros das igrejas domésticas veem a perseguição como um privilégio, e, portanto, não respondem violentamente contra seus opressores.
O governo derrubou as cruzes de igrejas insultando os cristãos, mas eles resolveram pacificamente a questão e nunca se tornaram violentos contra o governo.  Quando a polícia apareceu com bulldozers, os membros da igreja cercaram os edifícios orando e cantando hinos para impedir a demolição.  Em alguns casos, a polícia da tropa de choque temeu a multidão, ou o grande número de manifestantes em frente aos tratores ao redor.
Somente igrejas aprovadas pelo governo são legais na China. Todas as igrejas domésticas são consideradas "reuniões ilegais." Mas, mesmo um número de igrejas oficialmente sancionadas tem sido alvo por parte do governo nos últimos meses, com os funcionários explicando que eles foram "remover ou modificar as construções ilegais".
Um pastor da Igreja doméstica na China afirma: “Apesar das dificuldades, Deus me deu um coração para ministrar para o povo, e essa paixão tem sido constantemente renovada".
Ore pela Igreja na China, 29º na lista de Classificação da Perseguição Religiosa.