1 de fevereiro de 2015

Uso de inibidores de apetite faz bem ou mal à saúde? Veja mitos e verdadesC



A decisão do Senado de liberar os inibidores de apetite no mercado brasileiro vai permitir que obesos voltem a usar remédios à base de anfetamina para emagrecer. O uso desses medicamentos estava banido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) desde 2011.
Os remédios anfepramona, femproporex e mazindol, indicados para o tratamento da obesidade, foram retirados de circulação no país com o objetivo de acabar com o consumo sem prescrição médica. Não raro esses medicamentos eram usados como "rebite" por caminhoneiros, misturados com bebidas alcoólicas em festas e para emagrecimento rápido sem qualquer orientação.
Segundo especialistas, essas práticas somadas ao uso abusivo podem causar problemas de saúde como taquicardia e arritmia. A proibição desagradou endocrinologistas que usavam as medicações para combater a obesidade.
Com a liberação dos registros desses remédios conhecidos também como anfetamínicos ou anorexígenos, o debate sobre seus benefícios e malefícios volta à tona. Afinal, o consumo faz bem ou faz mal? O UOL consultou especialistas no assunto que desvendaram os mitos e verdades sobre essa categoria de medicamentos.

Remédios indicados para obesos

O uso da anfepramona, do femproporex e do mazindol é indicado para pessoas com IMC (Índice de Massa Corporal) acima de 30, valor que indica obesidade. Uma pessoa com IMC na faixa entre 18,5 e 24,9 tem peso considerado normal, e com IMC entre 25 e 29,9 tem sobrepeso. O cálculo é feito pela divisão do peso pela altura ao quadrado.
Tais medicamentos atuam no sistema nervoso central, diminuindo a fome, a vontade de comer a toda hora e acelerando o metabolismo. Juntas, essas características permitem que o usuário emagreça rapidamente.
"Quando você usa os anorexígenos, a fome diminui e cai a procura por alimento. A pessoa se sente mais ativa. Mas esses remédios são mais eficientes para quem tem um padrão compulsivo, comum nos obesos que beliscam e se lembram de comida o tempo todo", diz o endocrinologista e nutrólogo João César Castro Soares, da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).
O tratamento com os anfetamínicos deve ser feito juntamente com exercícios físicos e um programa de reeducação alimentar para evitar o ganho de peso após deixar de tomar o medicamento.
"A medicação facilita a mudança no estilo de vida do obeso. Só que não adianta somente dar remédio. O paciente deve passar por um nutricionista e reforçar a melhora na atividade física", diz Maria Edna de Melo, diretora da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade).
Por ser considerada uma doença compulsiva, a obesidade tem o agravante de nem sempre ser tratada com exercícios e uma alimentação mais equilibrada. Por isso, a endocrinologista defende o uso da medicação por pelo menos seis meses.
"A reeducação é uma palavra bonita, mas funciona como exceção. Se fosse fácil [o obeso emagrecer] não teríamos essa epidemia de obesidade. Quem vive assim naturalmente procura por alimentos mais calóricos. O cérebro do obeso o faz pensar diferente, agir diferente, a doença é mais forte", diz Maria Edna de Melo.
"Nem vale a pena fazer um tratamento para a obesidade em curto prazo porque ele vai ganhar peso depois. É necessário garantir a manutenção desse peso e a redução de doenças, como a hipertensão e o diabetes", completa.
Antes da proibição, o tempo indicado para o uso de anfetamínicos era de, no máximo, três meses para evitar problemas de saúde. Como as farmacêuticas terão de pedir novos registros à Anvisa, que terá meses para avaliá-los e concedê-los, não se sabe ainda se haverá alguma mudança nesse sentido.

Sintomas podem indicar perigo

A excitação causada pelo anfetamínicos, por sua vez, pode causar insônia, irritação, palpitação, sensação de boca seca e ressecamento intestinal. Por isso, devem ser evitados por quem tem problemas cardíacos, pressão alta não controlada, por quem já sofreu derrame ou usa algum medicamento psiquiátrico, segundo o cardiologista Marcelo Sampaio, chefe do laboratório de biologia molecular do Instituto Dante Pazzanese, em São Paulo.
Em pessoas mais sensíveis à medicação, o uso pode ainda causar arritmia e taquicardia, por isso só deve ser indicado após a avaliação de um cardiologista, diz Sampaio.
"Não é raro ter pacientes com dor no peito após a introdução dessa medicação. É preciso usar com muita parcimônia e fazer exames cardiológicos, antes de prescrever o medicamento", diz.