25 de fevereiro de 2015

Apesar de greve, carteira de trabalho e seguro-desemprego podem ser solicitados em agências do MTE

A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Rio de Janeiro (SRTE/RJ) realiza ajustes para reduzir o tempo de atendimento e ampliar o número de vagas disponíveis

A greve dos funcionários dos postos do Sistema Nacional de Emprego (SINE) e do Rio Poupa Tempo interrompeu a emissão da Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) e a concessão de seguro-desemprego nesses postos. Mas quem precisar desses serviços pode ser atendido nas 56 agências do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) no Estado do Rio de Janeiro. Segundo o órgão, por causa da paralisação, os locais estão recebendo um volume de pessoas acima do normal. A lista com os endereços pode ser conferida no site, e o atendimento pode ser marcado no Sistema de Atendimento Agendado.
Ainda de acordo com o MTE, a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Rio de Janeiro (SRTE/RJ) realiza ajustes para reduzir o tempo de atendimento e ampliar o número de vagas disponíveis, além de realizar o encaixe dos trabalhadores sem agendamento. A sede da superintendência, no Centro do Rio, atende aproximadamente 450 pessoas por dia, sendo 250 para a carteira de trabalho: 150 por meio do atendimento marcado e 100 incluídos presencialmente. Já o setor de seguro-desemprego recebe mais de 200 trabalhadores.
O MTE esclareceu que os casos emergenciais de carteira de trabalho continuam sendo resolvidos com a entrega da versão manual, evitando a falta do documento para o cidadão fluminense.
Os funcionários do Instituto Brasileiro de Administração e Apoio Universitário do Rio de Janeiro (IBAP), empresa terceirizada contratada pela Secretaria de estado de Trabalho e Renda (Setrab), estão sem receber salários e vale transportes e iniciaram uma greve.
Sistemas normalizados
O MTE disse que, apesar de instabilidades, os sistemas informatizados da carteira de trabalho e do seguro-desemprego funcionam normalmente, sem representar qualquer impedimento técnico para a possível falta de atendimento nos postos estaduais. Já os procedimentos operacionais desses locais são definidos pela Secretaria Estadual de Trabalho e Renda, operadora do SINE, e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico Energia Indústria e Serviços, que administra o Rio Poupa Tempo. Na segunda-feira, aSetrab esclareceu que tenta solucionar a paralisação.