25 de janeiro de 2015

Ministério Público do DF intima dois palestrantes por pregarem a ´cura gay´

O Núcleo de Enfrentamento à Discriminação do Ministério Público do Distrito Federal intimou para depor, nesta sexta-feira, dois palestrantes que ministram um curso para líderes espirituais com ensinamentos sobre a “cura gay”. O curso, que dura uma semana e se encerra nesta sexta-feira, se chama “Homossexualismo: ajudando, biblicamente, a prevenir e tratar aqueles que desejam voltar ao padrão de Deus para sua sexualidade”. Os autores da palestra intimados são Claudemiro Soares, especialista em políticas públicas, e o teólogo Airton Williams.

Claudemiro já foi homossexual, não é mais, e relata sua experiência no livro ”“Homossexualidade masculina: escolha ou destino? A atração pelo mesmo sexo e as abordagens terapêuticas para a mudança de orientação sexual”. O livro, segundo ele, é um compilado científico sobre o tema.
A intimação se deu na noite de quinta-feira. Claudemiro contou ao jornal O GLOBO que ele e seu colega ficaram surpresos com a notificação e atribuiu a denúncia aos militantes gays “sociopatas”. Para ele, existe uma “máfia LGBT”.
"É o uso do aparelho do Estado a favor desses ativistas gays sociopatas", disse Claudemiro Soares, que não sabia que o curso se encerrava hoje: "Se não me mandarem para a Papuda antes! ", disse o palestrante.
O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) citou a realização do curso nas suas redes sociais e anunciou que faria uma denúncia ao Ministério Público. O parlamentar classificou o curso como um charlatanismo de fundamentalistas religiosos.
“Por convicções puramente religiosas, esses charlatões se consideram no direito não só de ir contra os direitos humanos de milhões de cidadãos e cidadãs brasileiras, mas também de desconstruir um ponto pacífico entre toda uma comunidade científica: nem a homossexualidade, nem a heterossexualidade e nem a bissexualidade são doenças, e sim uma forma natural de desenvolvimento sexual. A confusão que há na sociedade em relação a uma possível ‘cura gay’ — incitada por esse fundamentalismo religioso — é preocupante e precisa ser esclarecida antes que a saúde física e psíquica de mais jovens seja afetada”, disse Jean Wyllys em uma rede social.
A pastora Damares Alves, ligada aos palestrantes, divulgou uma mensagem entre parlamentares e pastores criticando a ação do Ministério Público e também o deputado.
“Pasmem, senhores, o Ministério Público foi no local e interrompeu o curso. Olhem o tamanho o poder do deputado Jean Wyllys. Conseguiu interromper um curso fechado para líderes evangélicos. Isso é só o começo. Temos que dar uma resposta à altura a esse episódio”, propôs a pastora Damares.