23 de maio de 2013

Homem joga dois cães pela janela de apartamento em Copacabana, no Rio

Um homem jogou dois cães da janela do apartamento da própria mãe em Copacabana, na Zona Sul do Rio, por volta das 19h desta quarta-feira (22), e quase foi linchado por pedestres. Segundo a polícia e vizinhos, ele teria tido um surto e atirado os animais, das raças pastor alemão e poodle, do sexto andar do edifício na Rua Belford Roxo, próximo à Rua Barata Ribeiro, uma das principais vias do bairro. Os cachorros morreram na queda e permaneciam no local até as 22h20, para a realização da perícia.
Segundo a delegada Soraia Santana, da 12ª DP (Copacabana), onde o caso foi registrado, o médico Rogério Povilaitis Dominguez, de 51 anos, foi autuado pela prática de abuso e maus tratos contra animais, previsto no artigo 32 da Lei de Crimes Ambientais (lei 9605/98). Se condenado, a pena varia de três meses a um ano de prisão e multa, acrescido de um terço da pena, devido à morte dos dois animais. Ele será liberado nesta quarta, já que o crime não prevê prisão.
No depoimento, de acordo com a delegada, o ortopedista disse que estava sozinho em casa e que um vulto teria "defenestrado" os cães. Na delegacia, parentes disseram que Povilaitis sofre de transtornos mentais.
Rogério prestou depoimento após atirar os cães da janela (Foto: Gabriel Barreira / G1)
Irmã é veterinária
O homem estava na casa da mãe dele, de 80 anos, moradora do prédio. Maria de Lourdes Xavier, moradora do quinto andar, contou que ouviu um barulho forte, mas não olhou o que era na hora. Momentos depois, foi avisada pela filha e ficou surpresa. "Minha filha viu no Facebook e falou que tinha sido aqui na rua. Não acreditei", disse.
Segundo ela, a mãe do médico tem um terceiro cachorro, que não estava no apartamento e a irmã dele seria veterinária.
Até o perito da Polícia Civil ficou surpreso com o caso: “Nunca vi isso na minha vida. Foi a primeira vez que fiz um trabalho assim com animais. Procedimento é parecido com o de um lançamento [termo técnico para quedas]”, contou Satiro.
'Eram animais dóceis', diz vizinho
Outro vizinho, o estudante Paulo Miranda, disse que os cães eram amáveis, e que sempre brincava com eles no prédio. “Eram animais dóceis. Eu passava por eles, fazia carinho. Acho que eles eram adestrados, porque respondiam bem aos pedidos. Deve ter sido alguma briga de família e uma retaliação”