15 de maio de 2013


Cracolândia tem feira livre das drogas

Crack e maconha são vendidos tranquilamente na Rua dos Gusmões.
Operação prendeu pelo menos dez por suspeita de tráfico.


Reportagem do Bom Dia São Paulo desta quarta-feira (15) mostrou o funcionamento da feira livre das drogas, na região da Cracolândia, no Centro de São Paulo. A venda de crack e maconha acontece normalmente todos os dias. Pelo menos dez pessoas foram detidas na madrugada desta terça-feria (14). A operação da Polícia Civil irá continuar nos próximos dias para tentar prender traficantes.
A venda de entorpecentes ocorre mesmo após a Ação Integrada Nova Luz, iniciada em janeiro do ano passado para coibir o tráfico e consumo de droga na região Central.
Nas imagens, um homem para gritando “Quem quer crack, quem quer crack?”. Um usuário pergunta: “Quem tem maconha?”. Prontamente uma mulher responde: “Eu tenho maconha aqui, ó”.
Na Rua dos Gusmões, traficantes e usuários convivem quase  24 horas por dia. No vídeo, um rapaz acende um cachimbo de crack. Um senhor de cabelos brancos também tem uma pedra. Um mulher aparece vendendo drogas a usuários. Ela é cercada e tem que contar a droga para atender os usuários.
Um carro da Polícia Militar passa pela via, para, mas vai embora. Os traficantes anunciam a venda de drogas o tempo todo. Alguns ficam com as pedras de crack nas mãos para atender mais rápido os viciados. Quando percebem a câmera, dão risada. Os traficantes aceitam joias e tênis como moeda de troca.
Durante 40 dias, a Polícia Civil investigou a feira da droga da Cracolândia. Pelo menos dez pessoas foram detidas na madrugada desta terça-feira (14) durante a operação – quatro delas eram menores. Outros foram presos desde a madrugada desta quarta – número de detidos não foi informado até as 7h.
O delegado Kleber Altale afirma que o tráfico está cada vez mais recrutando menores para vender drogas. Na operação, quatro garotas foram apreendidas.
“No caso do tráfico, [o recrutamento de menores] é a impossibilidade de uma aplicação de uma pena, caso ele seja surpreendido traficando, exceto uma medida socioeducativa, e também o rendimento. ele tem um trabalho, tem um rendimento”.