20 de maio de 2013

Coreia do Norte lança sexto míssil nos últimos três dias


Dois mísseis foram lançados nesta segunda (20).
Sul teme guerra nuclear; norte-coreanos falaram em 'exercícios legítimos'.

Soldados sul-coreanos patrulham base militar no país depois e lançamento de míssil feito pelos norte-coreanos (Foto: AP)




Coreia do Norte disparou dois mísseis de curto alcance nesta segunda-feira (20), completando seis lançamentos em três dias, e condenou a Coreia do Sul por criticar o que o governo norte-coreano afirma ser exercícios militares legítimos.

Os últimos disparos foram confirmados pelo Comando Conjunto da Coreia do Sul.
O Ministério da Defesa da Coreia do Sul disse que a Coreia do Norte disparou um míssil nesta segunda de manhã e um segundo à tarde. Ambos foram lançados no mar na costa leste da Coreia do Norte, disse um funcionário do ministério.
"A Coreia do Norte lançou dois projéteis nesta segunda-feira (20), um de manhã e outro à tarde",  afirmou um porta-voz do Comando.
Os lançamentos acontecem após mais de dois meses de ameaças da Coreia do Norte sobre uma guerra nuclear contra a Coreia do Sul e os Estados Unidos se fosse atacada.
O Norte condenou os exercícios militares sul-coreanos realizados em parceria com os EUA, que terminaram no final de abril. A Coreia do Norte disse que se tratavam de um ensaio para um ataque contra seu território.
"Estamos realizando exercícios militares intensos para reforçar a nossa capacidade de defesa", disse o Comitê para a Reunificação Pacífica da Coreia, órgão que lida com questões inter-coreanas, segundo a agência de notícias da Coreia do Norte KCNA, nesta segunda-feira (20).
Pyongyang disparou no domingo um míssil de curto alcance a partir da costa leste. No sábado, o país comunista lançou três mísseis de curto alcance na mesma região, aparentemente durante exercícios militares, em um clima de tensão entre Norte e Sul.
A Coreia do Sul condenou no fim de semana os disparos, que chamou de "deploráveis" e de "provocação".
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, pediu a Pyongyang que não volte a executar disparos deste tipo. "É hora de retomar o diálogo e reduzir tensões", afirmou Ban.