20 de maio de 2013

Atualizado em 20/05/2013 13h17 Jovem baleado e morto na Virada Cultural é enterrado na Grande SP


Padeiro de 19 anos foi sepultado nesta segunda (20) em Embu das Artes.
Ele e amigos tinham ido a evento em SP; grupo teria reagido a assalto

O jovem morto em um assalto durante a madrugada de domingo (19) na Virada Cultural foi enterrado nesta manhã, no Cemitério Jardim da Paz, em Embu da Artes, da Grande São Paulo. Segundo funcionários da administração do cemitério, o padeiro Elias Martins Moraes Neto, de 19 anos, foi sepultado por volta das 10h.
Elias Neto foi morto com um tiro na cabeça na Avenida Rio Branco, no Centro da capital paulista, após ele e três amigos serem abordados por dois criminosos não identificados. Segundo os policiais ouvidos pelo G1, os criminosos exigiram os celulares do trio, que entregou os aparelhos, mesmo suspeitando que a dupla não portava arma. Elias e os amigos, então, correram atrás dos criminosos, quando o jovem foi atingido por um disparo. Ele foi levado para a Santa Casa, mas não resistiu ao ferimento e morreu. O caso foi registrado pelo 3º Distrito Policial, em Santa Ifigênia, como latrocínio (roubo seguido de morte). Os agressores fugiram.
O padeiro deixa um filho de poucos mais de 1 ano de idade, fruto de um relacionamento que Elias teve com a mãe da criança. No velório dele, sua ex-mulher afirmou que chegou a ligar para o telefone do ex-marido depois do crime. Quem atendeu teria sido o criminoso que o matou. 
"Ele começou a debochar, falando que tinha matado mesmo. Que era mais um para a lista dele. E que agora era para eu me virar para criar o neném", disse Renata Bezerra Martins, ex-mulher de Elias.
Além de Elias, a PM registrou outra morte na Virada Cultural. Um jovem de 21 anos morreu por suspeita de overdose. Jonatan Santos Nascimento foi encontrado caído na região de Santa Ifigênia, no Centro, e socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) à Santa Casa.
A Polícia Militar afirma que 28 pessoas foram presas durante a operação da Virada Cultural 2013, segundo balanço preliminar divulgado às 18h deste domingo. Segundo o balanço da PM, houve 17 prisões em flagrantes, 12 roubos, 12 tumultos, seis pessoas esfaqueadas, nove menores presos e uma arma apreendida.  Entre os detidos estão suspeitos de roubos de celulares, bolsas, vandalismo e tráfico de drogas.
O comandante da operação, Reynaldo Simões Rossi, disse que os números podem ser alterados com a conclusão de ocorrências.
Haddad destacou que houve um contingente recorde com 3,8 mil PMs e 1,4 mil guardas-civis para monitorar um público estimado em 4 milhões de pessoas.

Após Haddad afirmar que houve aumento no total de ocorrências, o representante da PM pediu a palavra para afirmar que ainda é preciso analisar os números finais para constatar se houve recorde.
“Peço licença, mas gostaríamos de aguardar o total do cômputo de ocorrências para dizer se houve aumento”, disse. “Presumimos que, com o aumento do público, o número de ocorrências ia aumentar, mas mesmo assim temos que concluir esse levantamento”, completou.