27 de maio de 2013

Após tiroteio no domingo, moradores tentam voltar à rotina no Alemão, Rio

Moradores do Conjunto de Favelas do Alemão, na Penha, Zona Norte do Rio, tentam voltar à rotina após um tiroteio minutos antes da corrida "Desafio pela Paz", que ocorreu na comunidade, no domingo (26). Na manhã desta segunda-feira (27), crianças voltam às escolas e adultos aos trabalhos, conforme mostrou o Bom Dia Rio.
No domingo, policiais do Bope, Choque e da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Penha e do Alemão chegaram a fazer uma operação no local em busca de criminosos.
O secretário estadual de Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, que participou da corrida, classificou o tiroteio como uma ação “irresponsável e criminosa”.
"A população humilde e trabalhadora não merece isso. Temos de tirar o falso poder desta facção que humilha as pessoas na ponta do fuzil, que matava gente queimada na comunidade", disse o secretário.“O que aconteceu foi uma ação que infelizmente é irresponsável e criminosa. Resquício de admiradores de uma facção que idolatra armas automáticas que se pautou pela banalização da violência e da vida. Esta facção que reinou por aqui absoluta por 30 anos. Mas agora a Polícia Civil, a PM e o estado estão aqui e não sairão. Isto é óbvio que foi uma facção, que mesmo enfraquecida, acha que com atos assim pode afastar a polícia e o estado, mas nós não sairemos”, declarou.

O secretário disse que ninguém tem a ilusão que se vai acabar com um estado de violência que reinou durante 30 anos criando uma subnação de criminosos. Para ele, durante muito tempo se conviveu com a inércia do estado. Beltrame afirmou que tem uma proposta de segurança e que não vai diminuí-la, nem abandoná-la.
O evento, que começaria às 8h, teve atraso de uma hora devido ao tiroteio. José Mariano Beltrame chegou ao local às 8h45 e participou da prova. Não há informações sobre feridos.
Fechamento do comércio
Beltrame chega ao final do Desafio da Paz (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1)Beltrame, de boné e óculos escuros, chega ao final
)
Em relação ao fechamento do comércio e de escolas pelo tráfico na quinta-feira (23), em retaliação à morte de um traficante, ocorrida na quarta-feira (22), o secretário disse que houve uma cultura do medo durante 30 anos na comunidade e que a paz está em construção. “É óbvio que eu não sou um mercenário da ilusão. Existe uma história e uma cultura de violência hoje estabelecida e que é um desafio para a paz”, completou.

Beltrame disse também que o policiamento na região está reforçado e que os disparos tiveram um efeito ruim sim, mas que a situação foi contornada e que a comunidade já viveu momentos mil vezes piores, quando pessoas eram queimadas no local.

Outros casos
Durante a semana foram registrados outros incidentes na comunidade. Após a morte de um criminoso no Conjunto de Favelas do Alemão na quarta-feira (22), o comércio e algumas escolas foram fechados pelo tráfico na quinta-feira (23), na Vila Cruzeiro.

O 'Desafio da Paz' inclui no percurso de 5km a rota de fuga dos traficantes em 2010. Na ocasião, a entrada de 350 policiais na Vila Cruzeiro provocou a fuga em massa de criminosos da comunidade. Sob ataque da polícia, eles fugiram por uma estrada no alto da favela a pé, em motos e picapes.
UPP Vila Cruzeiro
No dia 28 de agosto de 2012, a Vila Cruzeiro recebeu uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). Antes disso, durante um ano e seis meses o Exército ocupou a comunidade. Na inauguração, o governador do Rio, Sérgio Cabral, declarou que a Vila Cruzeiro é um local emblemático, por ter ficado conhecido mundialmente pela violência, como palco do assassinato do jornalista Tim 
Com uma hora de atraso, às 9h foi dada a largada do 'Desafio da Paz' (Foto: Alba Valéria Mendonça/ G1)