28 de maio de 2013

Jogador Ganso se casa em cerimônia evangélica


Jogador Ganso se casa em cerimônia evangélica


No final da tarde do último sábado (25) o jogador Paulo Henrique, Ganso, se casou com Giovanna Costi em uma cerimônia evangélica ministrada pelo pastor José Bruno, da igreja A Casa da Rocha.
Um dia antes do casamento, a noiva pediu a benção de Deus ao postar uma foto dela com Ganso. “E começa nosso ‘fds’!!! Que Deus nos abençoe e nos proteja… Estamos muito felizes, obrigada pelo carinho de todos! #casamentogieph”.
O casamento aconteceu em um hotel de frente para o mar em Caraguatatuba, no litoral paulista, e reuniu amigos e familiares do meia-atacante do São Paulo. Entre os convidados estavam os jogadores Neymar, que foi um dos padrinhos, e Alexandre Pato.
Casamento de Ganso e Giovana  Costi
Pastor Zé Bruno ministrando a cerimônia religiosa.
É cada vez mais comum encontrarmos personalidades, tanto da música, futebol ou política, oficializando seus casamentos em cerimônias evangélicas. Já noticiamos o casamento de Carlinhos Cachoeira e Alexandre Frota, que convidaram líderes evangélicos para abençoar a união.
Para este ano outros três casais de artistas estarão consagrando a união em uma cerimônia evangélica: Latino e Rayanne Morais, Luana Piovani e Pedro Scooby e Naldo e Mulher Moranguinho

Significado dos Nomes Masculinos com a Letra Z

z
Zacarias: Significa aquele de quem Deus sem lembrou e indica uma pessoa que estabelece metas para si própria e trabalha com perseverança para alcançá-las. Em geral, obtém o que deseja e está sempre pronto a dividir suas conquistas com as pessoas a quem ama.
Zélio: Significa zelo e indica uma pessoa altamente sensível e criteriosa. Quando libera sua criatividade, é muito bem sucedido nas artes. Interessa-se também por religião, mas sem se deixar levar por fanatismos ou por manipuladores da opinião pública.
Zenóbio: Grego. vida dada por Deus.

Significado dos Nomes Masculinos com a Letra Y

Significado dos Nomes Masculinos com a Letra Y

Yuri: Variação de Jorge: Significa agricultor e indica um homem determinado e seguro de si. Pode ser um pouco arrogante e impetuoso, mas sempre respeita os limites das pessoas à sua volta.

Significado dos Nomes Masculinos com a Letra W

Significado dos Nomes Masculinos com a Letra W

Wagner: Vagner, condutor de carro
Waldir: Valdir, que comanda governa.
Wanderley: Vanderlei,das Ardósias.
William: Variação de Guilherme
Wilson: Uilson, filho de William

Significado dos Nomes Masculinos com a Letra X

Significado dos Nomes Masculinos com a Letra X

Xafik: Árabe – Clemente
Xantipa: Grego – Égua rara
Xavier: Variação de Javier: Basco:Proprietário da nova casa
Xerxes: Persa – O que guia Xisto: Latim – Alameda

LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO

O que é?
Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) é uma doença inflamatória de causa desconhecida.
Para que se desencadeie a doença, agentes externos desconhecidos (vírus, bactérias, agentes químicos, radiação ultravioleta) entram em contato com o sistema imune de um indivíduo que está com vários genes erradamente induzindo produção inadequada de anticorpos. Estes anticorpos são dirigidos contra constituintes normais (auto-anticorpos) provocando lesões nos tecidos e também alterações nas células sangüíneas.
É uma doença razoavelmente comum no consultório dos reumatologistas. Melhor conhecimento médico e avanço em métodos diagnósticos devem ser os motivos pelos quais o LES tem sido diagnosticado com mais freqüência e seu prognóstico é muito melhor do que há 15 anos atrás.
Atinge principalmente mulheres (9:1) em idade reprodutiva, iniciando-se mais comumente entre 20 e 40 anos. Pode ser bastante benigno até extremamente grave e fatal.
O que se sente?
As manifestações clínicas são muito variáveis entre os pacientes.
As queixas gerais mais freqüentes são mal-estar, febre, fadiga, emagrecimento e falta de apetite, as quais podem anteceder outras alterações por semanas ou meses. Os pacientes já poderão estar sentindo dor articular ou muscular leve e apresentando manchas vermelhas na pele que passam por urticária.
As alterações mais freqüentes ocorrem na pele e articulações.
Pele e mucosas
Há muitos tipos de lesão cutânea no LES. A mais conhecida é a lesão em asa de borboleta que é um eritema elevado atingindo bochechas e dorso do nariz. Manchas eritematosas planas ou elevadas podem aparecer em qualquer parte do corpo.
Muitos pacientes com LES têm sensibilidade ao sol (foto-sensibilidade). Assim, estas manchas podem ser proeminentes ou unicamente localizadas em áreas expostas à luz solar. Outras vezes, as lesões são mais profundas e deixam cicatriz (lúpus discóide). 
 


Começam com uma escamação sobre a mancha eritematosa. Com o passar do tempo a zona central atrofia e a pele perde a cor, ficando uma cicatriz que pode ser bastante desagradável.
Há casos de lúpus discóide em que nunca haverá outros problemas, isto é, não haverá lúpus sistêmico. Estes pacientes devem ser seguidos com atenção pois não há como acompanhar a evolução sem exame físico e laboratorial.
Queda de cabelo é muito freqüente. Os fios caem em chumaços e muitos são encontrados no travesseiro. É sinal de doença ativa. 
 


Apesar de não serem freqüentes, são úteis para o diagnóstico o aparecimento de feridas dentro do nariz, na língua e na mucosa oral.
Aparelho locomotor
A grande maioria dos pacientes tem artrite. Esta costuma ser leve e melhorar rapidamente com tratamento. Entretanto, há poucos casos em que aparecem lesões destrutivas que podem ser bastante graves.
O uso de corticóide por longo tempo (que muitas vezes é indispensável) pode provocar, em cerca de 5% dos pacientes, necrose em extremidade de ossos longos, principalmente fêmur.
Tendinites ocorrem com freqüência e podem acompanhar as crises de artrite ou se manifestarem isoladamente. Regiões não habituais como tendão de Aquiles podem incomodar por bastante tempo. Poucas vezes há lesões graves. 
 


Lúpus crônico pode provocar deformidades nas mãos que lembram artrite reumatóide.
Miosite (inflamação das fibras musculares) não é um evento comum, mas pode ser grave e confundir com outras doenças musculares. Dor muscular discreta pode ocorrer e não é preocupante.
Rins
É muito freqüente haver glomerulonefrite lúpica. Felizmente, a maioria dos pacientes sofre de lesões leves e não progressivas, sendo sua única evidência discretas alterações no exame de urina, ou apresentam lesão renal que responde muito bem ao tratamento.
Quando há proteínas, hemácias, leucócitos e vários tipos de cilindros no exame de urina e aumento da creatinina no sangue estamos diante de uma situação grave mas de modo algum sem solução.
O aumento da pressão arterial é indicativo de gravidade.
Sistema nervoso
Raízes nervosas periféricas e sistema nervoso central (SNC) em conjunto estão comprometidos em mais da metade dos pacientes com LES.
Dor de cabeça, mais do tipo enxaqueca, é a manifestação mais comum quando há inflamação do sistema nervoso central. Como é uma queixa muito freqüente na população normal, muitas vezes não é valorizada. 
Não raramente outras manifestações que podem aparecer são:
Neurite periférica (ardência, formigamento, queimação, perda de força)
Distúrbios do comportamento como irritabilidade, choro fácil, quadros mais graves de depressão e mesmo psicose.
Convulsões (pode ser a primeira manifestação em crianças).
Coréia (movimentos involuntários e não coordenados de membros superiores e inferiores), muito mais raro.

Há uma regra que deve ser seguida obrigatoriamente em "neurolúpus": descartar a possibilidade de haver infecção
Outro detalhe que deve ser observado é ansiedade e depressão que ocorrem em pessoas com doença crônica (e que pode ser grave) e com problemas estéticos provocados pela dermatite ou uso de corticóide.
O síndrome anti-fosfolípide pode ser uma entidade isolada ou acompanhar o LES. Ocorrem trombos em veias e artérias de qualquer tamanho, provocando embolias. A ocorrência de microtrombos no cérebro provoca infartos pequenos com manifestações pouco observáveis de início. Pode ser uma causa de grave repercussão do LES no SNC.
Quando os trombos se instalam na placenta são causa de abortamento.
Coração
Inflamação isolada da membrana que envolve o coração (pericardite) não é rara e é facilmente resolvida. Lesões graves em válvulas, inflamação do miocárdio e das coronárias não são freqüentes.
Palpitações, falta de ar e dor no precórdio são sinais de alerta. Podem estar presentes desde o início da doença.
Pulmões
Mais da metade dos pacientes sentem dor nas costas ou entre as costelas devido à inflamação da pleura. Quando é leve, só aparece ao respirar fundo e a radiografia pode ser normal, isto é, sem derrame. Piorando, a dor fica mais forte e a respiração mais difícil e acompanhada de tosse seca.
Também ocorrem inflamação nos alvéolos (cuidado com infecção ao mesmo tempo) e nas artérias (raro e muito grave).
Vasos
É muito freqüente no LES os pacientes estarem com mãos frias que, quando em contato com superfície gelada ou quando a temperatura ambiente é baixa, passam de pálidas para roxas (cianose) e por vezes com dor na ponta dos dedos. Chama-se fenômeno de Raynaud. Pode ocorrer em pessoas que nunca terão a doença mas pode preceder por anos as outras manifestações de LES ou outras doenças inflamatórias auto-imunes.
Inflamação de vasos chama-se vasculite. Dependendo da intensidade da inflamação haverá de manchas eritematosas até pontos de gangrena na região irrigada pelos vasos comprometidos.
Olhos
Conjuntivite ou outras manifestações são pouco comuns. Uma complicação grave são trombos no fundo do olho na presença de síndrome antifosfolípide.
Aparelho digestivo
Complicações graves são muito raras. Os medicamentos são a causa mais freqüente das queixas tipo azia, dor abdominal e falta de apetite.
Em poucos pacientes aumentam as enzimas hepáticas, mostrando haver inflamação no fígado. Nesta situação, deve-se sempre descartar a concomitância de duas doenças e procurar infecção viral.
Sangue
Anemia leve é muito comum e é controlada com o tratamento habitual da doença. Piora em pacientes mais graves e quando há insuficiência renal.
Anticorpos dirigidos diretamente contra glóbulos vermelhos podem ser de difícil controle; ocorre em menos de 20% mas pode ser uma forma de início do LES e, como o tratamento com corticóide em dose alta mascara outras manifestações, o diagnóstico pode não ser percebido.
Pode haver queda importante de glóbulos brancos (risco de infecção) e de plaquetas (risco de sangramento).
Como é feito o diagnóstico?
O diagnóstico do LES é feito através da associação de dados clínicos e laboratoriais.
O médico precisa lembrar-se do lúpus e há algumas pistas que auxiliam bastante mesmo quando as manifestações clínicas são pobres. Mulher em fase de reprodução (crianças e mulheres depois da menopausa também têm lúpus) com dor articular, sensação de estar doente, emagrecimento, "urticárias" de repetição, queda de cabelo, fenômeno de Raynaud, exames antigos com alterações tipo glóbulos brancos baixos, alterações na urina, anemia não explicada podem ser manifestações de início da doença. 
A pesquisa dos anti-anticorpos é utilizada para diagnóstico e alguns deles para acompanhamento da doença:
FAN (fator antinuclear) é o mais freqüente.
Anti-dsDNA é sinal de doença ativa e geralmente com doença renal.
Anti-Sm não é muito freqüente mas, quando presente, confirma o diagnóstico.

A utilização clínica da presença destes auto-anticorpos e de vários outros é extremamente útil. Deve ser feita pelo reumatologista pois não são específicos, isto é, aparecem em mais de uma doença e a combinação da presença de um ou mais auto-anticorpos com a clínica é que permite que se chegue a um diagnóstico.
Critérios diagnósticos do LES
Na tabela a seguir estão os critérios do Colégio Americano de Reumatologia de 1982 modificados. Deve ser utilizada por médicos 
 
1.Erupção malar: Eritema fixo plano ou elevado sobre as regiões malares e dorso do nariz.
2.Lesão discóide: Placas eritematosas com escamação aderente,comprometimento dos pelos e cicatrização com atrofia.
3.Foto-sensibilidade: Erupção cutânea que aparece após exposição à luz solar.
4.Úlceras orais: Ulceração de nasofaringe ou boca vista por médico.
5.Artrite: Não erosiva comprometendo duas ou mais articulações periféricas.
6.Serosite: Pleurite documentada por médico; pericardite documentada por ECG ou médico.
7.Desordem renal: Proteína na urina maior do que 500mg por dia ou +++ em exame comum; cilindros de hemácias, granulosos, tubulares ou mistos.
8.Desordem neurológica: Convulsões ou psicose na ausência de outra causa.
9.Desordens hematológicas: Anemia hemolítica, menos de 4000 leucócitos/mm3 em 2 ou mais ocasiões, menos de 1500 linfócitos/mm3 em 2 ou mais ocasiões, menos de 100.000 plaquetas/mm3 na ausência de outra causa.
10.Desordens imunológicas: Anti-DNA positivo ou anti-Sm positivo ou falso teste positivo para lues (sífilis) por mais de 6 meses com FTA-ABS normal.
11.FAN positivo: Na ausência de uso das drogas que podem induzir lúpus.


Para que se faça diagnóstico de lúpus são necessários quatro critérios ou mais. Para utilizarmos pacientes em um trabalho de pesquisa devemos seguir à risca a soma dos critérios. Na prática, se tivermos dois ou três critérios "fortes" como artrite, dermatite e FAN e não encontrarmos outra doença fazemos o diagnóstico e tratamos pois tratamento eficaz e precoce sempre leva a melhor prognóstico.
Como é o tratamento?
Mesmo havendo protocolos internacionais para o tratamento de doenças complexas como o LES, cada paciente tem a sua história.
Sabemos qual o melhor medicamento para cerebrite, nefrite, dermatite, mas os resultados são individuais. O tratamento do lúpus não é um esquema pronto para ser executado e as características de cada caso ditarão o que se deve fazer, tornando-o artesanal.
Os medicamentos utilizados podem provocar efeitos colaterais importantes e devem ser manejados por profissionais experientes.
Os pacientes devem estar alertas para os sintomas da doença e para as complicações que, embora raras, podem aparecer. Se forem prontamente manejadas é muito mais fácil solucioná-las.
Naturalmente, não é nossa intenção instruir o tratamento do LES. Este deve ser feito por médicos experientes e os pacientes não devem modificá-los sem orientação.
Perguntas que você pode fazer ao seu médico
A doença tem cura?
Qual a finalidade do tratamento?
O tratamento é esta receita somente ou devo repetí-la?
Há interferência com outros remédios que estou usando?
Quais os efeitos colaterias? Devo fazer exames de controle?
Existem problemas com obesidade?
Qual a importância de exercícios e repouso?
Que cuidados devo ter com meus hábitos diários, profissionais e de lazer?
Existem problemas com o uso de anticoncepcionais? Com gravidez?
Existem problemas com exposição ao sol e luz fluorescente? 


Luxação Recidivante da Patela

Sinônimo:
Luxação recorrente da patela ou da rótula.
O que é?
A luxação da patela ou da rótula é a perda da relação anatômica normal entre o sulco femoral distal e um pequeno osso que fica a sua frente chamado patela. Quanto a etiologia, é sempre traumática apesar de que às vezes o trauma é mínimo ou apenas um torção do joelho pode levar a rótula a sair do seu lugar normal.
A luxação traumática ocorre após o mecanismo violento em pacientes com estrutura óssea e cápsuloligamentar previamente íntegros. Nesses casos, geralmente ocorre desinserção ou ruptura do estabilizador da articulação que é o ligamento patelo-femoral medial. O seu tratamento indequado pode levar à recorrência da patologia, ou seja, a articulação tornar-se instável.
Na luxação por trauma mínimo (torção) há alterações preexistentes que favorecem a luxação (ou subluxação). Esses pacientes geralmente apresentam hipermobilidade geral em outras articulações, além de fatores predisponentes como joelho em X, torção tibial externa, rótula mal-formada, etc...
O que se sente?
Após o tratamento de um episódio inicial com redução e imobilização temporária o paciente refere que sente insegurança para determinadas atividades e movimentos (geralmente quando força o joelho na posição de valgo e rotação externa). A insegurança é igual a instabilidade. Pode ocorrer dor, embora não seja o sintoma mais comum (exceto durante o episódio traumático agudo).
Eventualmente ocorrem novas luxações, e com a progressão da lesão anatômica cada vez o “joelho” (a patela) "sai do lugar" com maior facilidade e com menor trauma. Com o passar do tempo, atividades como dançar, pular pequenos obstáculos, torcer o pé podem causar novo episódio de luxação.
Nas instabilidades por mini-trauma, geralmente ocorrem cedo na pré-adolescência ou na adolescência e o paciente apresenta uma sensação de insegurança no joelho, que por vezes é bilateral, a subluxação com redução espontânea é um achado clínico freqüente nesses casos, e que determina grande insegurança para o paciente.
Como se faz o diagnóstico?
O diagnóstico é clínico e a anamnese e o exame físico são fundamentais. É importante determinar a etiologia (traumática ou micro-traumática). É bem mais comum em mulheres. Além da história, que geralmente é típica, há manobra no exame físico que confirma o diagnóstico:
TESTE DA APREENSÃO
Os exames radiológicos complementam o diagnóstico e ajudam a identificar lesões associadas, importantes no planejamento do tratamento.
Como se trata?
Inicialmente de forma conservadora, que consiste em reforço muscular compensatório principalmente do músculo vasto medial que é o grande estabilizador da patela. Quando não se consegue só com exercícios podemos usar um aparelho ortopédico, ou seja, uma joelheira especial chamada de joelheira de Palumbo, que é feita de neoprene com rótula furada e que é estabilizada com velcrom.
Na maioria das luxações recidivantes de patela que não respondem ao tratamento conservador está indicada cirurgia.
Como se previne?
Nos pacientes com hipermobilidade global, que tem joelhos valgo (em X) ou que paraticam esportes torcionais, o treinamento muscular adequado pode ser eficaz (fortificação do músculo vasto medial). É difícil prever a ocorrência de uma luxação traumática, embora um condicionamento físico adequado seja sempre útil, especialmente em atletas. Uma vez ocorrida a luxação traumática, é grande a possibilidade de se tornar recidivante, principalmente em jovens.


LEUCEMIA

Câncer no sangue
O que é?
Leucemia é o câncer das células brancas do sangue, os leucócitos. Esta doença começa na medula óssea (parte interna dos grande ossos, a "fábrica do sangue") e se espalha para outras partes do corpo. Há vários sub-tipos de leucócitos e, por isso, há diferentes tipos de leucemia. Normalmente, se divide nos dois principais grupos de células brancas: as leucemias linfocíticas ou leucemias mielóides. Além disso, pode se apresentar de duas formas, a forma aguda ou a forma crônica, dependendo da velocidade com que aparecem os sintomas e como ela evolui. Na forma aguda, as células são imaturas e não funcionam como deveriam, além de se reproduzirem muito rápido. Na forma crônica, as células são mais maduras e podem manter algumas das suas funções normais. O número de células malignas, neste último caso, aumenta vagarosamente. Este tipo de câncer é o câncer mais comum nas crianças, mas pode acometer adultos e velhos, também. Nos jovens, a forma mais comum é a leucemia linfocítica aguda, e nos adultos, a leucemia mielóide aguda seguida da leucemia linfocítica crônica.
O que se pode sentir?
Os sintomas da leucemia estão relacionados à piora do estado geral, porque o câncer é uma doença que compromete o corpo como um todo. Além disso, pode-se desenvolver sintomas relacionados à diminuição da atividade das células da medula óssea 
 
Sintomas gerais: 
 
Perda de apetite
Perda de peso não planejada ou sem fazer dieta
Aumento dos gânglios (ínguas), fígado e baço
Sensação de gripe que dura muitos dias
Dor nas articulações (juntas) e ossos

 
Sintomas relacionados à diminuição da atividade das células brancas (leucócitos), responsáveis pelo combate à infecções: 
 
Febre e calafrio
Infecções de repetição, principalmente "infecções oportunistas", como candidíase oral e do esôfago ("sapinho") ou pneumonia atípica

 
Sintomas relacionados à diminuição da atividade das plaquetas, responsáveis pelo controle da coagulação: 
 
Sangramento e hematomas frequentes sem um trauma claro ou proporcional
Sangramento das gengivas
Petéquias, pequenas manchas vermelhas em baixo da pele

 
Sintomas relacionados à diminuição da atividade das células vermelhas (hemáceas): 
 
Anemia
Fraqueza

 
Como esta doença é diagnosticada?
A pessoas que suspeitam que podem ter alguma alteração do sangue, principalmente, se suspeitam que podem estar com algum tipo de leucemia, devem procurar um médico. Este fará uma história e um exame físico completo para procurar algum sintoma ou alteração que confirme a suspeita de leucemia. Além disso, um exame de sangue e alguns exames de imagem, como raio X e tomografia computadorizada, devem ser realizados para completar a avaliação da doença, o diagnóstico diferencial e a extensão do problema. Porém, somente uma biópsia da medula óssea e/ou uma biópsia de um gânglio é que dará o diagnóstico definitivo. Para alguns casos, poderá ser necessário, também, uma punção do líquor - líquido presente na medula espinhal (diferente da medula óssea).
Qual é o tratamento para leucemia?
A maioria das leucemias, independente do tipo e evolução, necessita de quimioterapia (medicamentos que destroem as células malignas). Estes medicamentos podem ser dados na veia e, neste caso, é necessário que o paciente seja atendido num centro médico especializado em câncer e/ou leucemia, ou por via oral, quando o paciente recebe o medicamento, mas o toma em casa.
A quimioterapia pode ser dada sozinha ou, ainda, em combinação com outros tipos de tratamento, como: transplante de medula óssea, radioterapia, imunoterapia com interferon ou cirurgia. A decisão de qual é o tratamento mais adequado é baseada no tipo de leucemia, na idade e nas condições clínicas do paciente, além das características genéticas da linhagem de célula do sangue que está alterada.
Como se previne esta doença?
Muito pouco se sabe sobre como reduzir o risco de desenvolver leucemia, principalmente em crianças. Porém, vários fatores podem aumentar este risco, devendo ser evitados. No caso de não se poder evitá-los, como no caso de uma doença prévia, deve-se ficar atento a possíveis sintomas relacionados à leucemia, e procurar um médico experiente sempre que se tenha alguma dúvida.
Fatores de risco associados às Leucemias: 
 
Cigarro e outras formas de consumo de tabaco
Produtos químicos como benzeno
Radioterapia e quimioterapia prévias para outros tumores
Terapias de imunossupressão como as utilizadas após um transplante
História familiar de leucemia (principalmente para as crianças)
Síndrome de Down.
Perguntas ao seu médico:
Leucemia pode se transmitir pelo contato físico ou pelo sangue?
Quais as chances de cura de leucemia em crianças e em adulto?
A quimioterapia fará eu perder o cabelo?
E se a doença voltar, existem outros tratamentos para fazer depois? 


Bicicletas para aluguel começam a circular em Nova York

Moradores de Nova York testam novas bicicletas para aluguel em Nova York (Foto: Carlo Allegri/Reuters)

Com dez meses de atraso com relação ao calendário inicial, foi lançado nesta segunda-feira (27) em Nova York um serviço de bicicletas de uso livre, similar aos esquemas que já funcionam em cidades como Paris, Montreal, Londres e Barcelona.
O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, testa serviço de aluguel de bicicletas (Foto: Carlo Allegri/Reuters)O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, sobe
em bicicleta do serviço (Foto: Carlo Allegri/Reuters)
A partir de agora, será possível alugar para circular pela cidade algumas das 6 mil "bicicletas urbanas" ("citi bikes") azuis, distribuídas em 333 estações de Manhattan ao Brooklyn.
O objetivo é chegar a 10 mil bicicletas em 600 estações, o que faria deste um dos esquemas do tipo mais importantes do mundo.
O princípio é o mesmo da maioria das cidades que adotaram nos últimos anos esta forma de transporte mais ecológica: o candidato a ciclista compra um tíquete para um dia, uma semana ou uma assinatura anual para trajetos limitados a 30 ou 45 minutos, pagando um adicional além deste período.
Os nova-iorquinos testaram essa nova forma de deslocamento na segunda-feira, aproveitando as ruas pouco movimentadas na cidade devido ao feriado do "Memorial Day" nos Estados Unidos.
Antes do lançamento do programa, 14 mil pessoas já fizeram a assinatura anual do serviço, ao preço de US$ 103. Um dos primeiros usuários, Alex Nash, estava contente por ter chegado à Union Square com a primeira bicicleta do programa às 8h30 da manhã. "Tive alguns problemas em voltar a colocá-la no terminal, mas fora isso é muito fácil", relatou.
Além disso, um debate se desatou sobre o risco desta nova co-habitação entre carros e "bikes", em uma cidade que não é fundamentalmente conhecida pela tranquilidade no trânsito.Polêmica
A instalação das bicicletas não foi bem aceita por todos. Alguns nova-iorquinos não estão contentes em ver desaparecer vagas de estacionamento, enquanto outros se queixam de que os terminais de bicicletas são pouco estéticos.
O programa devia ter sido lançado inicialmente em julho de 2012 em Nova York, mas teve que ser adiado duas vezes, primeiro devido a problemas com o software e depois pelas consequências da passagem do furacão Sandy, que alagou alguns equipamentos em outubro passado.

Seis são presos após show de sexo ao vivo em sala de cinema nos EUA

Seis pessoas foram presas na última quinta-feira (23) em Syracuse, no estado de Utah (EUA), após um show de sexo ao vivo em uma sala de cinema.
A partir da esquerda e de cima para baixo, Shelby Boyce, Krystle Morales, Lillian Scott e  Troy Manning (Foto: Davis County Sheriff's Office/AP)A partir da esquerda e de cima para baixo, Shelby Boyce, Krystle Morales, Lillian Scott e Troy Manning (Foto: Davis County Sheriff's Office/AP)
Shelby Boyce, de 21 anos, Lillian Scott, de 22, Krystle Morales, de 21, e Troy Manning, de 33, foram detidos pela polícia do condado de Davis acusados de protagonizarem o show sexual.
O responsável pela sala de cinema, Anael Ibeanez, de 36, também foi preso. Ele foi acusado de recrutar participantes para os atos sexuais no site Craigslist.
Outro homem, Terrill Holiday, de 43, que supostamente estava no cinema para assistir ao show sexual, também foi preso.
Anael Ibeanez (esq) e Terrill Holiday também foram presos (Foto: Davis County Sheriff's Office)

Leão e cão viram amigos 'inseparáveis' em zoo nos EUA

O leão chamado "Bonedigger", de cinco anos de idade, e o cão da raça Dachshund chamado "Milo", de sete anos, viraram amigos "inseparáveis" em um parque de animais em Wynnewood, no estado de Oklahoma (EUA). Segundo o zoológico, os dois animais são tão próximos que "Milo" chega a lamber as presas do leão para limpá-las.
Leão 'Bonedigger' e chamado 'Milo' viraram amigos 'inseparáveis' (Foto: Reprodução/Facebook/The GW Zoo)

Traficante é preso após vender maconha em perfil no Facebook


Jorge Valencia foi preso após vender maconha publicamente em sua página no Facebook (Foto: Divulgação/Marion County Sheriff's Office)


Um americano morador de Phoenix, no estado do Arizona (EUA) foi preso depois que policiais descobriram que o homem vendia maconha por meio de sua página pessoal no Facebook.
Jorge Valencia, de 30 anos, recebia propostas para vender a droga em seu perfil na rede social, e ainda fazia declarações de que “nunca teve um emprego”, e tirava fotos nas quais apareciam armas e muito dinheiro, que era taxado como “dinheiro de drogas”, de acordo com o jornal “Phoenix New Times”.
Depois de observar o apartamento do suspeito por alguns dias, a polícia flagrou transações de Jorge e, em seguida, obteve um mandado de busca.
A polícia então prendeu Valencia, que mantinha maconha em seu apartamento, além de uma espingarda e um revólver.
O americano foi acusado de quatro crimes de tráfico de drogas e de porte ilegal de armas, e foi solto após pagar fiança.

Incêndio atinge floresta na Califórnia



Um incêndio florestal forçou o esvaziamento parte do condado de Santa Bárbara, na Califórnia, nos Estados Unidos, desde a noite de segunda-feira (27).
Milhares de pessoas tiveram que ser retiradas da região, inclusive entre 4 e 6 mil pessoas que estavam em campings, por causa do feriado do Memorial Day.
O fogo atinge uma área de 4 quilômetros quadrados, nas montanhas de Santa Bárbara.
O vento ajuda a espalhar as chamas.
Dois helicópteros e quatro aviões ajudam no trabalho de combate ao incêndio.
Equipes da Cruz Vermelha estão na região para prestar atendimento aos moradores.

Ao custo de R$ 3,2 milhões, presídios do DF recebem scanner de corpo




O governo do Distrito Federal entregou nesta segunda-feira (27) oito scanners de corpo que serão utilizados na revista de visitantes aos presídios do DF. Com custo de cerca de R$ 400 mil cada, os equipamentos serão instalados nos seis presídios do DF.
Os scanners devem ajudar a coibir a entrada de objetos ilegais e também agilizar a revista. O agente penitenciário deixará de ter contato físico com o visitante. Com o equipamento, é possível ver na tela de um computador se a pessoa carrega celulares ou drogas, por exemplo.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, a maioria dos presos no DF hoje tem entre 18 e 25 anos, é de baixa renda, reincidente e tem envolvimento com tráfico de drogas.
As visitas nos presídios acontecem duas vezes por semana, nas quartas e quintas-feiras. São cerca de 3,6 mil pessoas por dia nas seis unidades prisionais. A fiscalização prende em média quatro visitantes por semana. A maioria é de mulheres que tenta levar drogas para os companheiros presos.
O principal problema do sistema penitenciário no DF é a superlotação. As seis unidades prisionais abrigam 11.998 pessoas. A capacidade é de apenas seis mil vagas. O governo pretende construir mais 4,6 mil vagas. Dessas, 600 já começaram, no SIA, no Centro de Progressão Penitenciária, que deve fica pronto em três meses. As outras quatro mil ainda estão em licitação.

Sequestradora de Pedrinho, Vilma Martins, é transferida para presídio


Vilma Martins é transferida de delegacia em Goiânia (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)


A ex-empresária Vilma Martins Costa foi transferida para a Casa de Prisão Provisória (CPP), no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, no final da tarde de segunda-feira (27). Conhecida pelo sequestro de dois bebês, um deles Pedro Rosalino Braule Pinto, o Pedrinho, ela acabou presa em flagrante, na última quarta-feira (23), com equipamentos furtados de uma clínica odontológica em Goiânia.
Autuada no 20º Distrito Policial (Setor Sudoeste) por receptação, Vilma foi levada na mesma noite para a carceragem da 14º Distrito Policial (Vila Pedroso), onde passou cinco dias. A esteticista Sônia Eliene Silva, 40 anos, presa juntamente com a ex-empresária, também acabou transferida para a CPP na tarde de segunda, segundo agentes de polícia.

G1 tentou contato com a gerência de comunicação da Agência Goiana do Sistema de Execução Penal (Agsep), mas não teve retorno.
Flagradas na tarde de quarta-feira (22) com aparelhos e equipamentos furtados de uma clínica odontológica no Setor Jardim Europa, Vilma Martins e Sônia Eliene foram autuadas por receptação qualificada. As duas passaram a noite na carceragem do 14º DP, na Vila Pedroso.Condenada a 15 anos de prisão pelos sequestros, Vilma cumpriu dois deles em regime fechado, três no semiaberto e conseguiu liberdade condicional em 2008. Autuada desta vez por receptação, Vilma pode perder a redução de pena.
Em entrevista ao G1, na cela do 20º DP, Vilma e Sônia negaram a acusação.
Vilma Martins e Sônia Eliene Silva, presas em Goiânia (Foto: Gabriela Lima/G1)
"Eu não devo nada. Nem desci do carro. Só estava fazendo um favor e agora estou aqui, nesta situação", defendeu-se a ex-empresária. Vilma alega que apenas deu uma carona para a esteticista, de quem é cliente. "Nunca fiz nada errado nos meus 57 anos de vida", garantiu.
Sônia também alegou que estava fazendo um favor. Segundo a esteticista, um conhecido pediu que ela levasse o material à loja de um técnico em assistência odontológica para perguntar se ele tinha interesse na compra. "Eu não tinha ideia que esses produtos eram roubados", afirmou.
Elas acabaram presas ao tentar vender os produtos a um técnico em assistência odontológica. Segundo o delegado que registrou o flagrante, Geraldo Caetano Brasil, o profissional havia sido avisado sobre o furto pela dona da clínica.
Quando Sônia chegou ao seu estabelecimento com o material, ele percebeu que todos eles estavam na lista passada pela odontóloga.
O técnico ligou para a dona da clínica e informou sobre as duas mulheres que estavam em sua loja com os produtos iguais aos dela. Uma teria ficado no carro e a outra descido e oferecido os produtos. Quando elas foram embora, o técnico as seguiu. Enquanto isso, a dentista chamou a Polícia Militar, que conseguiu interceptar o veículo onde a dupla estava em uma rua da Vila Planalto, próximo ao Terminal Bandeiras.
Condenação
Vilma Martins foi condenada, em 2003, a 15 anos e nove meses de prisão por subtrair Pedro Rosalino Braule Pinto, o Pedrinho, e Aparecida Fernanda Ribeiro da Silva, retirados de maternidades de Brasília e Goiânia em 1986 e 1979, respectivamente.
Em junho de 2008, ela ganhou o direito de cumprir pena em regime aberto. Em agosto daquele ano, depois de ter cumprido um terço da pena, Vilma obteve a liberdade condicional.
A pena imposta à ex-empresária chegaria até 2019, mas Vilma Martins terminou de cumpri-la sete anos antes do previsto. Segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO), ela foi beneficiada por três comutações de pena consecutivas, em 2009, 2010 e 2011.
A assessoria explicou que a comutação de pena ocorre por decreto presidencial no fim de cada ano. Para consegui-la, Vilma teria atendido critérios objetivos, como tempo mínimo de cumprimento da pena, e subjetivos, como bom comportamento e não reincidir no crime.
Pedro Rosalino Braule Pinto, o Pedrinho, com os pais - sequestrado por Vilma Martins (Foto: Sebastião Nogueira/O Popular - 22/02/2003)Pedrinho, sequestrado por Vilma, com os pais
(Foto: Sebastião Nogueira/O Popular - 22/02/2003)
Caso Pedrinho
O caso Pedrinho comoveu o país quando ele foi sequestrado, poucas horas depois de nascer, no dia 21 de janeiro de 1986, em uma maternidade de Brasília. A imprensa divulgou amplamente o crime. Mesmo com o passar dos anos, os pais biológicos da criança, Jayro Tapajós e Maria Auxiliadora Rosalina Braule Pinto, nunca desistiram de procurar o filho. Mais de uma década depois do sequestro, as fotos do bebê foram publicadas em vários sites de pessoas desaparecidas.
Foram várias pistas falsas. Até que, em 2002, Vilma Martins foi reconhecida como a sequestradora do bebê, que ela registrou como filho e deu o nome de Osvaldo Martins Borges Júnior, em Goiânia.
O crime só foi descoberto porque Gabriela Azeredo Borges, neta do marido de Vilma, começou a desconfiar que Osvaldo era o recém-nascido sequestrado em Brasília. Isso porque ela viu a foto dele no site SOS Criança, órgão da Secretaria de
Segurança Pública do Distrito Federal, e notou semelhanças com o neto do avô. A partir daí, continuou a investigar o caso pela internet.
Ao acessar o site Missing Kids, ela encontrou uma foto do pai biológico de Pedrinho e também o achou parecido com Osvaldo e, então, ligou para a instituição, em Brasília, em outubro de 2002. A polícia retomou as investigações do caso.
Um exame de DNA comprovou a suspeita de Gabriela e desmentiu a versão que Vilma sustentava até então para a polícia, de que a criança havia sido entregue ao marido – já falecido na época das denúncias - por um gari, em Brasília.
Pedrinho se encontrou pela primeira vez com os pais biológicos em novembro de 2002, mas continuou morando em Goiânia com as irmãs. Somente no ano seguinte, ele se mudou para Brasília, onde passou a viver com Jayro, Maria Auxiliadora e os irmãos biológicos. O jovem cursou direito, tornou-se advogado, casou-se e, no final do ano passado, teve o seu primeiro filho. Durante todo esse período, ele manteve contato com Vilma Martins.
Caso Roberta Jamilly
No decorrer das investigações sobre o caso Pedrinho, a polícia descobriu que Vilma Martins também havia sequestrado outra criança, registrada por ela com o nome de Roberta Jamilly Martins Borges.
Usando a saliva que a garota deixou em uma ponta de cigarro quando foi prestar depoimento na delegacia, a Polícia Civil solicitou um exame de DNA, sem o consentimento dela, e confirmou que ela não era filha biológica da ex-empresária. O nome verdadeiro da jovem era Aparecida Fernanda Ribeiro Ribeiro da Silva, retirada ainda recém-nascida da mãe, Francisca Maria Ribeiro da Silva, em uma maternidade de Goiânia.
Na época da descoberta, Roberta Jamilly conheceu a mãe biológica, mas, ao contrário de Pedrinho, preferiu continuar morando com Vilma Martins.