15 de abril de 2013


Venda dos computadores de mesa tem queda no mundo inteiro

No Brasil, as vendas caíram 12%, e os notebooks venderam 7% a mais que 2011. A preferência pela mobilidade fez crescer o mercado dos tablets.


Nos primeiros meses do ano caiu em todo o mundo a venda de computadores de mesa. O que aumentou foram as vendas de notebooks, tablets e smartphones. O computador de mesa deve ficar restrito a empresas e escolas. Em casa, nas ruas e em outros ambientes, os tablets e os smartphones tomaram o lugar dos grandes computadores.
O computador de mesa já não é um sonho de consumo. No ano passado, no Brasil, as vendas caíram 12%, enquanto os notebooks venderam quase 7% a mais do que em 2011. Foram quase sete milhões de computadores de mesa para quase nove milhões de notebooks.
“Agora a mudança é que a conectividade não precisa de um lugar. Você esta 24 horas por dia conectado. É uma mudança de comportamento que deve continuar daqui para a frente, uma conversa de 24 horas”, afirma o consultor IDC Bruno Freitas.
A falta de prestigio dos computadores de mesa a gente vê nas lojas que vendem. São vários notebooks em exposição, e os computadores de mesa estão no fundo da loja.
“Tenho computador de mesa e vou atualizando ele, comprando peças novas”, afirma o programador Thales do Couto Schmit.
“O de mesa não penso mais em comprar, mas uso para jogos. Comprar um novo eu não compraria, ocupa muito espaço”, afirma o estudante Geadson Ferreira da Silva.
“Qualquer lugar hoje tem wi-fi que você pode acessar, e até mesmo no tablet”, afirma a bióloga Livia Campos do Amaral.
Essa preferência pela mobilidade fez crescer muito mais o mercado dos tablets. Em todo o país três milhões foram vendidos no país em 2012, um crescimento de 170%. Os smartphones também venderam muito: 16 milhões comercializados em 2012, um crescimento de 78%. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades. Como dizia camões alguns séculos atrás.