13 de abril de 2013


Sob suspeita: belas mulheres chamam atenção no mundo do crime; relembre casos

 caso das duas estudantes presas em Salvador (BA), com um carro roubado, mostra que cada vez mais mulheres bonitas estão envolvidas no mundo do crime e chegam a usar da própria beleza para atrair vítimas. Débora Carvalho de Menezes, de 19 anos, e Sendy Gabrielle Gomes (que aparece na foto), de 27 anos, são suspeitas de envolvimento com roubo de veículos e também com o tráfico de drogas. As duas envolvidas são de classe média
Elas estão presas desde a última terça-feira (19), quando foram flagradas em uma blitz da Polícia Militar. Além do automóvel furtado, a polícia recebeu mais de 100 ligações no Disque-Denúncia que apontam envolvimento da dupla também no tráfico de drogas e saidinhas bancárias
Bonita, bem vestida e com curso superior. Ela ficou conhecida como patricinha do crime depois de aplicar um golpe em uma loja de um shopping em Indaiatuba (SP). Ela gastou mais de R$ 5.000,00 em roupas e acessórios, mas pagou tudo com cheques roubados. A moça também aplicava golpes em outras cidades da região. Ela foi presa no início de março deste ano Outra bela mulher que se deu mal foi a modelo paraibana Agnolha da Silva, de 24 anos, presa em 2010 com 1 kg de crack, quando desembarcava na rodoviária Novo Rio. A jovem vinha de São Paulo trazendo a droga para ser entregue a traficantes de favelas do Complexo do Alemão, segundo a polícia. Em depoimento, ela contou que foi a primeira vez que fazia o transporte da droga. A suspeita disse que entrou para o mundo do crime depois que não conseguiu carreira como modelo Michele Maria da Silva, suspeita de ser uma das principais chefes do PCC (Primeiro Comando da Capital), foi presa em Campinas (interior de São Paulo), em agosto deste ano. Na casa dela, a polícia encontrou um cofre com drogas, armas e dinheiro usados pela 'ninja do crime' Conhecida como "patroa do tráfico",  Kelly Cyclone promovia festas em Salvador (BA), nas quais o uso de cocaína era liberado. Ela foi assassinada em julho de 2011. A polícia suspeita que três ex-namorados teriam se unido para cometer o crime Carina Vendramini, uma das suspeitas de integrar a quadrilha que ficou conhecida como "gangue das loiras", em São Paulo, é uma dessas mulheres.  As integrantes dessa gangue usavam da sedução para atrair vítimas. Segundo a polícia,  o bando começou a agir na capital paulista em 2008. Elas praticavam sequestros-relâmpagos A polícia de São Paulo disse já ter identificado ao menos 50 sequestros-relâmpagos que teriam sido cometidos pelasintegrantes da "gangue das loiras". O grupo foi descoberto após dois meses de investigação. Os crimes teriam sido cometidos em estacionamentos de shoppings e supermercados da capital paulista e Grande São Paulo.