27 de abril de 2013


PM usa spray de pimenta contra índio em protesto no Rio; veja vídeo

Imagens foram gravadas durante desocupação de antigo Museu do Índio.
Polícia diz que retirada de invasores foi pacífica; sete foram detidos.

Durante a desocupação do antigo Museu do Índio, no Maracanã, na Zona Norte do Rio, nesta sexta-feira (26), o G1 flagrou um policial militar usando spray de pimenta contra um índio, que protestava na avenida Radial Oeste.
Nas imagens, o índio aparece apenas balançando um chocalho, quando o policial o segura pelo braço e direciona um forte jato de spray de pimenta muito próximo ao rosto do manifestante.
Policiais usam gás de pimenta para afastar manifestantes do antigo museu do índio no Complexo do Maracanã (Foto: Crédito: Tasso Marcelo/AFP)
Apesar do flagrante de uso de spray de pimenta em jovens que também queriam entrar no prédio, desocupado com tumulto no dia 22 de março, a PM informou que retirada dos invasores foi pacífica. Sobre a conduta do policial que aparece nas imagens, a corporação limitou-se a dizer por meio de nota que "a ação com gás de pimenta tem o objetivo de conter distúrbios de rua e impedir que manifestantes obstruam a via, ato que é ilegal. O gás não deixa sequelas e não causa ferimentos".
Detidos
De acordo com a Polícia Civil, 20 índios foram levados para a 18ª DP (Praça da Bandeira), mas apenas seis, que invadiram o antigo Museu do Índio, participaram do registro da ocorrência. Todos foram liberados após prestarem esclarecimentos.
Dois manifestantes também foram levados para a delegacia. Uma mulher identificada como Raíssa, que aparece na foto contida por vários policiais, teve parte da meia calça rasgada. O jovem Franklin Francislei tinha lesões no rosto.
Manifestante teve que ser contido por policiais (Foto: Tasso Marcelo/AFP)
Segundo o advogado que defende os indígenas, Arão da Providência, os detidos são de etnias do Maranhão e do Pará. “Para que tanta gente da polícia? Porque eles estão detidos?", questionou.
Índios querem retomar ocupação de imóvel  (Foto: Crédito: Tasso Marcelo/AFP)

De acordo com major Ivan Blas, da PM, o grupo de sete índios, além de duas crianças, tentaram invadir o antigo museu. Ao todo, 60 homens do Bope, da PM, do Batalhão de Choque e do Grupamento Aeromóvel participaram da abordagem. A saída, segundo ele, foi pacífica e os detidos foram para a 18ª DP sem resistência.
Radial Oeste liberada
Duas faixas da Avenida Radial Oeste chegaram a ser interditadas, de acordo com o Centro de Operações, mas foram liberadas por volta das 17h30. Policiais continuvam no entorno, impedindo a passagem de pedestres e índios que querem entrar no prédio.
Mais cedo, na página "Aldeia Maracanã" (como os índios chamam o local) no Facebook, foram convocados mais manifestantes. "Urgente. A polícia já está aqui. Precisamos da presença de todos. Todos para a Aldeia Maraná já!", postaram.
Defensoria critica ato
O defensor público da União, Daniel Macedo, que acompanhava o caso desde o início do impasse, criticou a atitude dos índios e manifestou preocupação com a reação da polícia.
"O Estado obteve a imissão de posse judicialmente. Eles poderiam ingressar com uma ação de reintegração de posse, mas, ao invés de caminhar pela via judicial, eles estão caminhando pela via da ilegalidade. Pelo que eu soube, eles invadiram o local e não podiam fazer isso. A Defensoria Pública da União nao compactua com esse ato", disse o defensor, acrescentando que acompanhará os desdobramentos da manifestação para garantir a segurança dos envolvidos.
Manifestante foi detida e levada para a delegacia (Foto: Tasso Marcelo/AFP)Manifestante foi detida e levada para a delegacia (Foto: Tasso Marcelo/AFP)
Entenda o caso
A polêmica sobre o destino do espaço começou em outubro de 2012, quando o governo do estado anunciou mudanças no entorno do Maracanã, para que o estádio pudesse receber a Copa das Confederações, em 2013, a Copa do Mundo, em 2014, e a Olimpíada, em 2016.
Pelo projeto da Casa Civil, o Maracanã seria transferido para a iniciativa privada, que deveria construir um estacionamento, um centro comercial e áreas para saída do público. Para isso, alguns prédios ao redor do estádio deveriam ser demolidos, entre eles o casarão do antigo Museu do Índio, que funcionou no local de 1910 até 1978.
O edifício com área de cerca de 1.600 m² está desativado há 34 anos. O grupo de indígenas que ocupa o prédio – e deu ao museu o nome de Aldeia Maracanã – está no local desde 2006.
Esse ano, no entanto, a 8ª Vara Federal Cível do Rio de Janeiro concedeu imissão de posse em favor do governo estadual. Os índios foram notificados em 15 de março.