24 de abril de 2013


Mulheres da Indonésia estão proibidas de soltar pum

O projeto de lei está gerando críticas até mesmo na cúpulas do governo
Acreditem ou não, as mulheres podem ser proibidas de soltar pum.
Pelo menos as que moram na cidade na província de Achém, Indonésia.
A região, que segue as doutrinas islâmicas da Charia, está para proibir os cidadãos do sexo feminino de soltarem flatulências.
Vamos deixar claro: peidar, até pode. O que não pode é fazer barulho. 
Para o prefeito da cidade, Sayyid Yahia, o objetivo da lei é salvar a moral e o comportamento das pessoas.
Ele afirma que quando uma mulher solta um pum barulhento ela está se comportando como homem e infringindo os ensinamentos islâmicos.
A Associação de Feministas da Indonésia se pronunciou contrária à medida e disse que irá tentar bloquear a lei por julgarem-na discriminatória.
Fathima Khan, médica do Hospital Islâmico Al Banni, se posiciona contra a lei.
Ela ressalta o fato da alimentação da região ser baseada em batatas e ervilhas — que ajudam a produzir gases no aparelho digestório.
A médica ressalta, ainda, que coibir a flatulência pode prejudicar a saúde.
Enquanto isso, o prefeito se recusou a dar detalhes sobre a forma de punição da lei.
Um membro da Câmara Municipal, que não quis ser identificado, disse que a infratora poderá receber 20 chicotadas por pequenas flatulências e até três meses de prisão se for uma bufa de responsa.
A lei enfrenta, também, resistência dentro da cúpulas do governo.
Em nota, ativistas muçulmanos conhecidos como Bshar Abdulla expressaram objeção à lei por que o tema não é abordado no Alcorão e na Charia.
Já Mehmood Hussain, defensor da lei, disse que o comportamento não se enquadra dentro dos valores e da tradição islâmica.
A fiscalização seria feita apenas em locais públicos, cabendo aos maridos denunciarem as mulheres que descumprissem a lei.
O Conselho da Cidade deverá avaliar a regulamentação para depois decidir se a lei será ou não aprovada.