15 de abril de 2013


Após proibição de vans na zona sul, carioca enfrenta caos no transporte

O primeiro dia de proibição da circulação de vans e Kombis em bairros da zona sul do Rio causa transtornos, desde o início da manhã desta segunda-feira (15), para moradores da cidade. Por volta das 7h, alguns ônibus seguiam lotados com passageiros pendurados nas portas.
Trabalhadores ficaram revoltados com o atraso de até uma hora dos ônibus, que na maioria das vezes passavam superlotados e não paravam nos pontos.
"Estamos na fila [do ônibus] há quase uma hora porque eles passam cheios e não param. Sempre peguei van da Ilha do Governador [zona norte] para Ipanema e nunca tive problema. Agora tive que fazer baldeação na Leopoldina [no centro] e enfrentar esse caos para chegar no trabalho", lamentou a costureira Nadmar Almeida, 47.
Muitos passageiros reclamaram que a mudança vai prejudicar quem depende do transporte público na cidade. "É maldade o que estão fazendo com a gente. Estamos viajando esmagados nesses ônibus lotados", disse o cozinheiro Josenildo Alves da Silva, 47, que seguia da Leopoldina para o Leblon.
Às 9h30, uma manifestação da categoria fechou a avenida Delfim Moreira, no Leblon. O protesto provoca um enorme engarrafamento na pista sentido Copacabana, zona sul.
Segundo decreto do prefeito do Rio, Eduardo Paes, publicado na quinta-feira (11) no "Diário Oficial" do município, as vans não podem mais circular na zona sul da cidade no bairros de Botafogo, Humaitá, Urca, Leme, Copacabana, Ipanema, Leblon, Lagoa, Jardim Botânico, Gávea e São Conrado.
Segundo o prefeito, só serão permitidas na zona sul duas linhas, que ainda não foram licitadas, que ligam a favela do Vidigal e a Rocinha, no Leblon e em São Conrado respectivamente, ao Jardim de Alah, que fica na divisa entre Ipanema e Leblon.
A medida acontece após uma turista americana ser estuprada dentro de uma van de transporte coletivo no fim do mês passado. Entre os suspeitos de ter praticado o crime estão o motorista e o cobrador do veículo. Ele teriam pedido que todos os passageiros descessem, com exceção da jovem e seu namorado, que foi agredido.