17 de abril de 2013


A DESNUTRIÇÃO PODE MUDAR O MUNDO!
Há pouco, comemoramos o aumento da expectativa média de vida do Brasil, passando da faixa dos 70 anos. Paralelamente ao aumento da expectativa de vida em muitos países do mundo, há uma grande preocupação da Organização Mundial da Saúde (OMS), pois, em muitas regiões do mundo a expectativa de vida está diminuindo em vez de aumentar, como em vários países africanos, vários países do leste europeu e em alguns estados nos Estados Unidos. A preocupação da OMS é de que a se a situação mundial não mudar em alguns anos, a expectativa de vida no mundo vai começar a diminuir em vez de aumentar.
Então, é verdade que a expectiva de vida pode começar a diminuir em alguns anos em vez de aumentar? Sim, se a situação atual no mundo não mudar!
Por que?
A expectativa de vida pode dependerde vários fatores, sendo a NUTRIÇÃO um dos fatores mais importantes.
O que pode diminuir a expectativa de vida 
 
DESNUTRIÇÃO – FOME:
nos países em desenvolvimento, com alta mortalidade (principalmente os países africanos sub-saarianos): a fome, denutrição por má nutrição, é a primeira causa de mortalidade precoce (infantil), juntamente com doenças infecto-contagiosas como a SIDA eoutras infecções. Nestes países, a expectativa de vida vem dimimuindo em vez de aumentar.
DESNUTRIÇÃO – OBESIDADE:
nos países em desenvolvimento, com baixa mortalidade, e nos desenvolvidos, a obesidade (tanto 'do pobre', quanto 'do rico') vem aumentando de forma progressiva, e contribuindo para a redução ou não-aumento da expectativa de vida. Nestes países, o aumento da obesidade está relacionado ao aumento daingestão calórica, principalmente pelo aumento daparticipação de gorduras como componente energético da dieta. Nos Estados Unidos, há uma associação nítida entre o aumento da taxa de obesidade e a diminuição da expectativa de vida dos Estados unidos nos últimos anos.
'DESNUTRIÇÃO DO ESPÍRITO' – ESTRESSE EXCESSIVO:
nos países do leste europeu (ex-União Soviética), após o fim do comunismo e o desmembramento dos seus Estados, houve uma mudança sócio-econômica abrupta, com um aumento de desemprego de 'perda de sentido de vida' ('dedicar-se ao Estado') de uma boa parte da população. Desde o desmembramento dos estados, os países que compunham a ex-URSS vêm apresentando uma diminuição da expectativa média de vida, diretamente proporcional à taxa de desemprego dos países e dos estados. Os pesquisadores da demografiada Universidade de Moscou atribuem ao 'estresse secundário a mudança social brusca' como uma das grandes contribuintesdesta diminuição da expectativa de vida naquela região do mundo. Uma das respostas que estes pesquisadores mais ouviram dos adultos jovens, em resposta à pergunta 'a que atribuem as suas preocupações?', foi 'a perda do sentido da vida'. A 'desnutrição do espírito', entendida aqui como o excesso de estresse, parece que pode realmente reduzir a expectativa de vida das pessoas.