29 de março de 2013


Professora quase fica cega após ser agredida por aluno em Franco da Rocha, na região metropolitana de SP

Estudantes cortaram a energia elétrica para fazer arrastões nas salas de aula



Uma professora quase ficou cega depois de ser agredida por um aluno em Franco da Rocha, na região metropolitana de São Paulo. A confusão começou durante um apagão na escola. Os alunos cortaram a energia elétrica para fazer arrastões nas salas de aula.
Os olhos dela ficaram roxos, inchados e dormentes. Por pouco, a professora de filosofia não ficou cega. Maria de Fátima Costa dos Santos foi agredida por um aluno que arremessou uma lixeira no rosto dela.
— Dá medo, porque nós temos famílias. Eu, por exemplo, sou casada e tenho três filhos. A primeira preocupação que vem é dos meus filhos que estavam em casa.Essa agressão aconteceu durante um apagão de energia na escola. Esses apagões são provocados pelos próprios alunos. Eles desligam a chave geral e, com a escola no escuro, agridem e furtam alunos e professores.
Os funcionários e alunos da escola estão com medo. Por causa da agressão, as aulas do período noturno foram suspensas por dois dias. O estudante que provocou o apagão foi identificado e, nos próximos dias, um conselho deve definir o futuro dele.
— As normas regimentais, geralmente, são a suspensão do aluno ou uma transferência compulsória para este aluno.
Ainda não se sabe quem é o aluno que arremessou a lixeira. Daqui a uma semana, a professora vai fazer novos exames. Maria de Fátima é professora há sete anos. Depois desse episódio, ela ainda não sabe se irá voltar ao trabalho.
— Eu escolhi ser professora, então tenho que pensar se vale a pena ou não.