6 de março de 2013



Preço do frango registra alta e anima produtores paulistas e mineiros

Em Minas, preço do quilo do frango vivo é maior dos últimos dez anos. Em São Paulo, criadores pensam em aumentar quantidade de aves alojadas.


                     

Os criadores de frango estão passando por um bom momento. A situação anima tanto os produtores integrados de São Paulo como criadores independentes deMinas Gerais.
A cooperativa dos granjeiros do oeste de Minas Grais, que fica no município de Pará de Minas, tem 80 associados. No lugar são produzidas 110 toneladas de carne por dia. Mas, o volume é insuficiente para atender pedidos que chegam de todo país. Foi necessário até aumentar o número de empregados.
“Foi preciso contratar 50 funcionários para a ampliação da produção. Hoje, estamos abatendo 46 mil aves por dia, mas a previsão é chegar às 90 mil aves por dia”, diz o gerente de produção Paulo Penna.
O mesmo aconteceu com as exportações. No primeiro semestre do ano, as empresas brasileiras mandaram para o exterior um volume de carne de frango 6% do que no mesmo período do ano passado.
O aumento das exportações e do consumo interno era a combinação esperada há muito tempo pelos avicultores. O resultado foi imediato na granja. O quilo do frango vivo chegou a ser negociado a R$ 2,30 em Minas Gerais. Esse foi o maior valor dos últimos dez anos.
"Eu estimo uma margem de lucro em torno de 20% a 25%, o que é um pequeno alívio pra gente em função do que vem acontecendo este ano, considerando que a gente teve frango até de R$ 1,30”, calcula o criador Wayne Franco.
Os criadores que trabalham no sistema de integração no estado de São Paulo não são como os independentes, que assumem todo o risco da atividade. Na integração, o criador recebe do frigorífico os pintinhos, a ração e os medicamentos. Mas tem a responsabilidade da construção dos galpões e dos gastos com água, luz e mão de obra.
O criador Benedito de Almeida cria 26 mil frangos na granja no município de Boituva, no sudoeste de São Paulo. No último lote, com 25,7 mil frangos, ele recebeu R$ 0,44 por cabeça. Em agosto do ano passado, recebia R$ 0,30. Diante da melhora, ele tem planos de ampliar o negócio e quer dobrar o número de aves alojadas construindo mais um galpão.
O criador Pedro Grotto, que é avicultor há seis anos, ficou animado com a reação do preço do frango nos últimos meses. Ele pretende construir um novo barracão para dobrar o número de aves na granja.