30 de março de 2013


Mandela respira sem dificuldades, diz presidência da África do Sul

Ex-presidente sul-africano foi internado na quarta com infecção pulmonar.
Ele está respondendo bem ao tratamento, informou porta-voz.

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, de 94 anos, segue hospitalizado neste sábado (30) pelo terceiro dia consecutivo devido à recaída de uma infecção pulmonar. De acordo com informações do porta-voz do gabinete da presidência da África do Sul, Mandela respira sem dificuldades e se sente confortável, respondendo bem ao tratamento.
Comunicado transmitido na sexta-feira informava que Mandela, símbolo da luta contra o apartheid, estava bem e que seu estado progredia de forma constante. Na quinta-feira, o porta-voz da presidência afirmou que Mandela reagia bem ao tratamento médico.
Seu neto, Mandla Mandela, e sua ex-mulher Winnie Madikizela-Mandela, também declararam na sexta-feira que Mandela estava bem e realizava exames médicos.
Nelson Mandela já esteve hospitalizado em janeiro de 2011 e em dezembro de 2012 por infecções respiratórias, provavelmente relacionadas com as sequelas de uma tuberculose contraída na ilha prisão de Robben Island, onde passou 18 de seus 27 anos de detenção por lutar contra o regime de segregação racial do apartheid.
Foi libertado em 1990 e quatro anos depois se converteu no primeiro presidente negro da África do Sul.
Ícone da luta contra o racismo
No início de março, o ex-presidente sul-africano foi hospitalizado durante 24 horas e a presidência disse na época que se tratava de uma visita de rotina.
Sua última hospitalização longa, que durou 18 dias, ocorreu em dezembro de 2012, também como consequência de uma infecção pulmonar.
Mandela, que vive em Qunu, o povoado onde passou sua infância, foi levado a Pretória no início de dezembro para ser hospitalizado. Ao sair do hospital, seus parentes preferiram instalá-lo em sua casa de Johannesburgo, a 60 km de Pretoria e perto dos centros médicos mais modernos do país.
Nelson Mandela, presidente entre 1994 e 1999, passou 27 anos de sua vida na prisão por ter lutado contra o regime do apartheid de segregação racial na África do Sul.
Libertado em 1990, Mandela se converteu quatro anos depois no primeiro presidente negro de seu país, depois de ter conquistado em 1993 o prêmio Nobel da Paz - junto ao último presidente do apartheid, Frederick de Klerk - por ter dirigido com sucesso as negociações que instauraram a democracia.
Há alguns anos, Mandela desapareceu do âmbito público e não faz nenhum comentário sobre a política de seu país.
No entanto, no dia 10 de fevereiro recebeu a visita do presidente da África do Sul, Jacob Zuma, que disse tê-lo visto "em bom estado e relaxado", vendo televisão.
Mas alguns dias depois, seu amigo George Bizos, um advogado muito conhecido, o visitou e mostrou-se menos entusiasmado.
"Infelizmente, às vezes se esquece de que alguém faleceu e seu rosto expressa incompreensão quando você diz a ele que Walter Sisulu (ativista sul-africano contra o apartheid) ou outra pessoa já não formam parte deste mundo", explicou.
Nelson Mandela sofreu vários problemas de saúde, frequentemente relacionados aos seus 27 anos de prisão e de trabalhos forçados na ilha de Robben Island (sudoeste).