22 de março de 2013


Jovem que atropelou ciclista deixa a Penitenciária 2 de Tremembé, SP

Justiça concedeu liberdade provisória ao estudante na tarde desta quinta.
Segundo o advogado, Alex Siwek quer ir visitar a vítima no hospital.

Alex Siwek, no banco traseiro do carro, deixa a P2 de Tremembé acompanhado dos advogados na noite desta quinta-feira (21) (Foto: Suellen Fernandes/G1)

O estudante Alex Kosloff Siwek, de 21 anos, que estava preso desde o último dia 10 por atropelar um ciclista e decepar o braço dele na Avenida Paulista, deixou a Penitenciária Doutor José Augusto Salgado (P2) de Tremembé, no interior de São Paulo, por volta das 22h25 desta quinta-feira (21). O pedido de liberdade provisória foi concedido durante a tarde, em caráter liminar, pelo relator Breno Guimarães, da 12ª Câmara de Direito Criminal. A Justiça também decidiu pela suspensão da habilitação do jovem.

O advogado de defesa do universitário, Pablo Testones, chegou ao presídio às 22h05 e disse que a família de Alex não foi buscá-lo, pois está muito abalada com o ocorrido. "Foi uma desgraça que afetou duas famílias. A mãe está preocupada, sobretudo, por conta da repercussão do caso", disse.

Com a cabeça raspada, o jovem estava no banco de trás do automóvel e não quis falar com a imprensa. Segundo o advogado, Alex vai seguir para as casas dos pais e tem planos de visitar David Santos Sousa no hospital. "É uma questão a ser tratada com os pais, mas ele me disse três vezes já nesse tempo em que saímos lá de dentro que a grande preocupação dele é visitar a vítima e que jamais passou pela cabeça dele se envolver nesse acidente", assegurou.

Advogado Alex (Foto: Suellen Fernandes/G1) Testones afirmou ainda estar satisfeito com a liberação do cliente, já que segundo ele, a decisão de prender Alex foi pautada 'pela comoção social em torno do caso'. Para Pablo, não há mais nada a fazer neste momento a não ser aguardar a decisão final, já que a Justiça concedeu a liberdade provisória ao estudante. "Agora, não é o momento para se discutir o mérito. Vamos acompanhar o processo e estamos satisfeitos em levar o Alex para assistir ao processo em liberdade", declarou. Pablo revelou ainda que Alex teria epilepsia e que faz tratamento com uso regular de medicamentos.

Tentativa de homicídio
No último dia 10 de março, o operador de rapel David Santos Sousa, de 21 anos, estava numa bicicleta quando foi atingido pelo estudante de psicologia, que dirigia um Honda Civic e fugiu sem prestar socorro. A vítima está internada no Hospital das Clínicas, sem previsão de alta. Ela não corre risco de morrer.

Liberdade provisória
O recurso da defesa de Alex foi impetrado na terça-feira (19) no Tribunal de Justiça de SAO PAULO. O mérito do pedido ainda será julgado por ele e outros dois desembargadores. Os magistrados costumam se reunir às quartas-feiras.

O advogado Cássio Paoletti, que defende o motorista, alegou no pedido de habeas corpus que seu cliente não pode ficar preso porque ele preenche todos os requisitos para responder ao crime em liberdade provisória: estuda, tem residência fixa e não possui antecedentes criminais.

O desembargador Guimarães também determinou a suspensão da habilitação do jovem até o fim do processo. Siwek fica proibido de se ausentar da comarca de São Paulo e deverá comparecer periodicamente em juízo. “Embora a libertação do paciente não represente, à primeira vista, risco à ordem pública, sua conduta na direção de veículo automotor mostrou-se capaz de abalar tal alicerce”, disse o magistrado em sua decisão.
O universitário foi indiciado pela Polícia Civil por tentativa de homicídio e estava preso desde o dia do acidente. Ele passou uma noite na carceragem de uma delegacia da capital paulista e em seguida esteve nos centros de detenção provisória do Belém e de Pinheiros antes de ser transferido na última sexta-feira (15) para TREMEDE .

Segundo a investigação policial, no domingo retrasado Alex dirigia em velocidade acima da permitida para o trecho, avançou o sinal vermelho e ainda invadiu à ciclofaixa exclusiva para ciclistas. Na colisão, o limpador de janelas, que trafegava pela contramão da ciclofaixa, teve o braço direito decepado.

O motorista, no entanto, fugiu sem socorro o ciclista, e ainda jogou o membro num córrego. Depois, se apresentou à polícia. Confirmou ter ingerido bebida alcoólica e dirigido. Alex responde pela fuga do local do acidente, embriaguez ao volante e por ter se desfeito do braço que poderia ter sido reimplantado, caso fosse encontrado.