25 de março de 2013

Governo enviará tropas para reforçar segurança e garantir obras de Belo Monte


Minas e Energia.
De acordo com a portaria, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, solicitou o envio de tropas no último dia 21, data em que um grupo de manifestantes, composto por índios, colonos e ribeirinhos, paralisou as atividades de cerca de seis mil operários no sítio Pimental, às margens do rio Xingu, em Altamira.
A polêmica usina de Belo Monte é um dos principais projetos oficiais na área de energia e prevê que, uma vez concluída, será a terceira maior hidroelétrica do mundo, ficando atrás das de Itaipu, compartilhada com o Paraguai, e Três Gargantas, na China.
O Governo calcula que a represa começará a operar em 2015 com uma potência máxima de 11.233 megawatts, que oscilarão de acordo com os níveis do rio Xingu, onde será emprazada. Segundo dados oficiais, a construção de Belo Monte representará a inundação de 516 quilômetros quadrados de floresta amazônica.
Grupos ambientalistas nacionais e estrangeiros sustentam que essas obras deslocarão cerca de 50 mil índios e nativos que vivem nas margens do rio Xingu e que, além disso, poderão causar 'danos irreparáveis' ao já delicado ecossistema amazônico.
Os protestos da última semana passada foram protagonizados por aproximadamente 150 índios, camponeses e ativistas da organização Xingu Vivo, que ocuparam os canteiros das obras e paralisaram a construção durante dois dias.