20 de março de 2013


Adolescente é condenado a prisão perpétua nos EUA por matar três em escola

O jovem americano foi condenado a prisão perpétua sem possibilidade de condicional por matar três estudantes em um ataque a uma escola de ensino médio 


Um adolescente de Ohio, nos Estados Unidos, foi condenado a prisão perpétua sem possibilidade de condicional por matar três estudantes em um ataque a uma escola de ensino médio numa pequena cidade a leste de Cleveland. O juiz que cuida do caso disse que ele não sente remorso pelos crimes.
T.J. Lane, de 18 anos, que também feriu outros três estudantes no ataque na cafeteria da escola, usou uma camiseta com a palavra "killer" (assassino) durante o anúncio da sentença.
Lane sentou-se encarando os familiares das pessoas contra as quais ele disparou e fez uma breve declaração profana. Ele então fez um gesto obsceno aos familiares das vítimas antes de o juiz David Fuhry, do condado de Geauga, pronunciar a sentença.
O adolescente declarou-se culpado de todas as acusações que pesavam contra ele no dia 26 de fevereiro, um dia antes do aniversário de um ano do ataque na Chardon High School. Ele foi indiciado como um adulto, mas como tinha 17 anos à época do ataque, não podia ser condenado à morte.
O juiz Fuhry disse que as análises da Corte mostraram que Lane inventou uma doença mental e, em vez disso, era um estudante brilhante que se formaria antes do previsto no ensino médio. Segundo o juiz, também mostraram que ele planejou o ataque por um longo período e então o executou.
Lane matou Demetrius Hewlin, de 16 anos; Russell King Jr., de 17; e Daniel Parmertor, também de 16. Uma das três feridas por ele ficou paralisada da cintura para baixo.
Promotores disseram que Lane foi levado sob custódia pouco depois do ataque e rapidamente confessou ter disparado com uma pistola calibre 22 contra os estudantes.
"Esse réu nunca mostrou nenhum remorso e suas ações hoje só confirmaram o que já sabíamos há tempos", disse o promotor James Flaiz.
O ataque de Lane foi um em uma série de ataques com armas de fogo nos Estados Unidos no ano passado, que incluíram um tiroteio em uma escola de ensino fundamental de Connecticut que deixou 26 mortos, entre eles 20 crianças.
Este massacre, na cidade de Newton, gerou comoção nacional e pedidos para que o presidente dos EUA, Barack Obama, proíba armas de assalto militares e restrinja a capacidade dos cartuchos de munição.