31 de julho de 2017

Igrejas são proibidas de ensinar a Bíblia para crianças na China

Atividades como as Escolas Bíblicas serão proibidas em uma província chinesa, após autoridades do Partido Comunista emitirem uma ordem oficial

Igrejas são proibidas de ensinar a Bíblia para crianças na ChinaEm um esforço para conter o crescimento do cristianismo na China, oficiais do Partido Comunista na província de Zhejiang, emitiram ordens para fechar as escolas dominicais e proibir as crianças de irem a eventos cristãos infantis, como as Escolas Bíblicas de Férias.
"Há um bom tempo, adolescentes e estudantes não têm permissão para participar de atividades bíblicas", disse um cristão local chamado Zhang à organização de apoio à Igreja Perseguida 'China Aid', fazendo referência a uma lei chinesa que busca controlar o crescimento da fé cristã entre as crianças.
"No entanto, a Igreja das Três Autonomias [única denominação autorizada pelo governo] e as igrejas domésticas [clandestinas] pretendem continuar realizando os eventos bíblicos de férias durante o verão. O governo então enfatizou que até mesmo os ensinos eventuais seriam vetados. A principal intenção do governo, é fechar as escolas dominicais. "
Pouco tempo atrás, o Comitê Patriótico Provincial das Três Autonomias de Henan e o Conselho Provincial de Henan, na China, proferiram um pedido que impedia as igrejas de organizarem acampamentos de verão para menores de idade e estudantes, citando as "altas temperaturas" como um possível "risco para a saúde".
Um cristão de Henan disse que esses acampamentos cristãos geralmente foram permitidos em verões anteriores, e o governo originalmente só interferiria se eles tivessem recebido uma denúncia sobre o evento.
"O governo está tentando controlar a religião", disse Zhang à saída. "Durante os tempos do presidente chinês, Jiang Zemin e Hu Jintao, o governo era tolerante com relação à pregação do Evangelho e o trabalho missionário. Depois que Xi Jinping entrou no poder, a repressão sobre as religiões se fortaleceu".
A China ocupa o 39º lugar na lista dos 50 países da registrados pela Missão Portas Abertas, como os lugares onde os cristãos mais sofrem repressão. Durante o ano passado, o presidente Xi Jinping ordenou que o Partido Comunista "traga sob a tradição chinesa" as minorias étnicas e religiosas do país em esforços para combater o "extremismo" religioso. As autoridades acreditam que o cristianismo, cujos seguidores são considerados concorrentes em número dos 85 milhões de membros do Partido Comunista, "representa uma grande ameaça" para a sua estabilidade a longo prazo.
Repressão crescente
Como relatado anteriormente, as autoridades chinesas alertaram os pais cristãos de que, se eles continuassem levando seus filhos para igrejas não aprovadas pelo governo, seus filhos seriam impedidos de ingressar na faculdade ou servir nas forças armadas, enfrentando penalizações em ações legais. O governo autorizou o funcionamento da denominação protestante, chamada 'Movimento Patriótico das Três Autonomias', mas proíbe especificamente seus membros de promover a "lavagem cerebral" em adolescentes, com "crenças religiosas".
Apesar da contínua perseguição dos cristãos na China, o Evangelho continua a se espalhar em proporções cada vez maiores. Exemplo disso é o número crescente de pais que estão "implorando" aos professores que ensinem a seus filhos sobre Jesus.
Falando à CBN News, Sean Elgut, o pesquisador e diretor da universidade cristã 'Veritas', na Virginia (EUA), revelou que as escolas cristãs estão em alta na China. Enquanto muitos chineses são ateus ou budistas, a maioria dos pais está aberta ao cristianismo, e alguns até incentivam seus filhos a aprenderem tudo o que podem sobre Cristo.
"Os pais chineses começam a perceber que a educação cristã está além dos livros didáticos. Os pais querem que seus filhos vivam com fé. Eles nos imploram para ensiná-los sobre Jesus", disse Elgut.
Além de ensinar valores cristãos, os professores passam tempo de qualidade com os estudantes na esperança de levá-los a Cristo.
"O tempo é importante. Queremos passar mais tempo com eles, assim como Jesus fez com seus discípulos. Ele investiou tempo com eles e os ensinou", Disse Sean.

Policiais são proibidos de exibir versículos da Bíblia, após queixa de ateus nos EUA

Ateus se queixaram por verem uma placa com o trecho de Romanos 8:31 exposta do departamento policial

Policiais são proibidos de exibir versículos da Bíblia, após queixa de ateus nos EUAUm versículo bíblico que era exposto na sede da polícia de Tennessee, nos Estados Unidos, será retirado após a queixa de uma organização formada por ateus.
Membros da Fundação Freedom From Religion (Livres de Religião, em tradução livre) apresentaram uma queixa em fevereiro sobre a placa exibida pelo Departamento de Polícia da cidade de Knoxville.
Pendurada numa parede por funcionários, a placa cita Romanos 8:31, que diz: “Que diremos, pois, diante dessas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?”
Em uma coletiva de imprensa na última quarta-feira (26), o chefe de polícia de Knoxville, David Rausch, disse que a placa seria movida para uma nova “sala de inspirações” que será criada pelo departamento. Ela será exibida ao lado de outras citações inspiradoras, versículos religiosos e provérbios.
De acordo com o presidente da organização ateísta, Aleta Ledendecker, o departamento de polícia está promovendo o cristianismo sobre outras religiões.
“O versículo foi removido para que todos os que entram na delegacia de polícia possam se sentir igualmente tratados”, disse Ledendecker em uma carta de fevereiro direcionada ao chefe da polícia da cidade.
No tribunal, o prefeito Madeline Rogero poderia ter defendido a permanência da placa no departamento policial. No entanto, o diretor legislativo da cidade de Knoxville, Charles Swanson, concordou com a posição do prefeito de não gastar dinheiro para financiar essa defesa.
“Nós não governamos de acordo com os ditames de nossas crenças. Nós governamos, em primeiro lugar, sob a autoridade da Constituição dos Estados Unidos e da Constituição do Estado do Tennessee”, disse Rogero na coletiva de imprensa.

Terroristas interrogam e matam cristãos de porta em porta no Quênia

Grupo terrorista da Somália, Al-Shabab, passou nas casas de diversas aldeias do Quênia, buscando identificar e assassinar os cristãos

Terroristas interrogam e matam cristãos de porta em porta no QuêniaO grupo terrorista al-Shabab, que tem sua base principal na Somalia, matou sete cristãos em uma série de incursões mortais no Quênia, no início deste mês, com seus terroristas passarando de porta em porta nas aldeias, à procura de seguidores de Jesus para serem executados.
O grupo de vigilância e apoio à Igreja Perseguida 'International Christian Concern' (ICC) informou na segunda-feira que sete cristãos foram vítimas das incursões realizadas pelo al-Shabaab entre os dias 5 e 8 de julho, quando os militantes atacaram as aldeias de Pandanguo, Jima e Poromoko.
Relatórios anteriores observaram que os militantes decapitaram nove civis em Jima, no condado de Lamu, na busca de não-muçulmanos, embora mais informações ainda possam ser divulgadas sobre as vítimas.
A 'ICC' confirmou os nomes dos cristãos mortos: Said Mbigo, Matei Mlatia, Peter Mburu, Teresio Munyi, Mwangangi Muneni, Katana Karisa Chai e Musyoka Maithya.
Um pastor local também confirmou a informação de que os radicais têm procurado cristãos para matar.
"Os terroristas têm visado os cristãos que vivem no condado de Lamu, especialmente os agricultores nas áreas interiores onde a agricultura em pequena escala tem prosperado", disse o pastor Henry Divayo, líder da igreja na cidade de Witu.
"[Os terroristas de Jima] estavam pedindo aos aldeões para apresentarem seus documentos de identificação e quem fosse cristão, seria executado", acrescentou.
Segundo Divayo "as vítimas foram evacuadas para acampamentos onde alimentos e segurança são fornecidos pelo governo e pela Cruz Vermelha do Quênia".
O pastor contou que sua igreja já hospeda mais de 200 pessoas, mas que este número ainda deve aumentar, já que mais famílias podem ser evacuadas da Floresta Boni
O pastor exigiu que o governo queniano preste mais ajuda em termos de equipar a polícia para proteger igrejas, escolas e hospitais.
O massacre no início deste mês segue uma série de outros ataques que o Al-Shabaab realizou contra os cristãos no Quênia nos últimos anos. O ataque mais mortal foi o massacre na Universidade de Garissa em abril de 2015, no qual quase 150 estudantes, a maioria deles cristãos, foram mortos.
Os militares dos EUA continuam a realizar ataques aéreos contra as bases do al-Shabaab na Somália e o presidente Trump recentemente autorizou operações expandidas em uma tentativa de erradicar o grupo terrorista.
Em resposta, os radicais se dirigiram ao presidente dos Estados Unidos em um vídeo recém-lançado, chamando-o de "bilionário sem cérebro".

Meninas sequestradas pelo Boko Haram se formam na Nigéria

Segundo Portas Abertas, o país é o 12º na Classificação a Perseguição Religiosa 2017

Meninas sequestradas pelo Boko Haram se formam na NigériaSegundo a África News, 42 das primeiras 56 meninas do Chibok que escaparam do cativeiro do Boko Haram, na Nigéria, se formaram nesta terça-feira, 25. Elas receberam auxílio do governo do Estado de Borno e de uma organização humanitária sem fins lucrativos para frequentar duas escolas privadas: a Academia Cristã Internacional Betel para estudantes cristãos e a Escola Secundária de Ciências Ulul-Albab para estudantes muçulmanos nos Estados de Katsina e Plateau.
O governador Kashim Shettima participou da cerimônia de graduação. As meninas foram sequestradas em 14 de abril de 2014 pelo grupo militante Boko Haram na Escola Secundária em Chibok durante um exame final. Ao que tudo indica, elas escaparam durante ou logo após o sequestro.
O Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas pediu na segunda-feira, 24, ao governo nigeriano que intensifique os esforços e resgate todas as mulheres e meninas sequestradas pelo Boko Haram, Além disso, garanta que elas retornem à escola. O governo lamentou o fato de não ter tido mais libertações. As negociações entre ele e o Boko Haram ainda estão em andamento dois meses depois que 82 das meninas foram libertadas.
Pedidos de Oração
- Louve a Deus por essa conquista das 42 meninas que enfrentaram a experiência de um sequestro.
- Continue orando pela graça do Senhor para as meninas libertadas e suas famílias.
- Peça por um avanço nas negociações por aquelas que ainda estão em cativeiro e pela contínua provisão e encorajamento do Senhor, onde quer que elas estejam.

Igrejas relatam avivamento em um dos países mais ateístas do mundo

Centenas de muçulmanos estão abandonando sua religião para abraçar a fé cristã, de acordo com relatos da igreja local

Igrejas relatam avivamento em um dos países mais ateístas do mundoUm dos países mais ateus do mundo está vendo uma mudança de cenário na sociedade. É que igrejas da Finlândia estão relatando um verdadeiro “dilúvio” de conversões do islã para o cristianismo. São centenas de muçulmanos, vindos do Oriente Médio que estão abraçando Jesus, de acordo com membros da comunidade evangélica local.
Os templos evangélicos luteranos começaram a estabelecer aulas bíblicas para imigrantes muçulmanos que querem se tornar cristãos. O número exato sobre os recentes convertidos não estão disponíveis, uma vez que esses registros não são divulgados. Apesar disso, há estimativas que sugerem centenas nos últimos anos dentro da Igreja Evangélica Luterana finlandesa, de acordo com a fonte de notícias Yle Uutiset.
Os relatos falam sobre conversões de pessoas do Afeganistão, Irã e Iraque. Homens estão se inscrevendo nas aulas sobre a fé cristã no centro de Tainionkoski, em Imatra, na Finlândia oriental. Os alunos aprendem sobre o Novo Testamento na língua Dari, variedade falada no Afeganistão. Um intérprete Dari também está disponível no Skype para dar suporte em inglês.
Movimento que divide
"Ainda não fui batizado, mas estou ansioso para isso e tenho certeza de que vou ser um bom cristão", disse Aliraza Hussaini, um dos convertidos. A conversão do islamismo para a fé cristã é um movimento que divide, pois essas pessoas passam a não ser aceitas por muitas famílias muçulmanas tradicionais. Alguns dizem que após a conversão, passam a ser vistos como "infiéis" pelos familiares em seus países de origem.
"Eu não entro em contato com minha família no Afeganistão há muito tempo. Se descobrirem que eu me converti, isso significaria um problema para mim", disse outro convertido, Golamir Hossaini. Muitos dos estudantes que se matriculam nas aulas bíblicas apontaram a desilusão com a fé islâmica como motivo para procurar uma nova religião e dizem que provavelmente nunca voltarão para o Afeganistão.

Descendentes dos cananeus bíblicos ainda vivem no Líbano, dizem cientistas

Libaneses atuais são provavelmente descendentes diretos dos cananeus, segundo geneticistas

Descendentes dos cananeus bíblicos ainda vivem no Líbano, dizem cientistasOs descendentes dos cananeus bíblicos ainda vivem no Líbano, de acordo com um novo estudo genético publicado pelo periódico científico American Journal of Human Genetics.
Os cientistas extraíram o DNA dos restos mortais de cinco pessoas encontrados na antiga cidade cananita de Sídon. Os cadáveres datados há cerca de 3.700 deram sequência seu genoma.
Os genomas antigos foram comparados com 99 libaneses que hoje vivem na região e descobriram que 90% herdam a composição genética de seus antigos ancestrais.
Os libaneses modernos são “provavelmente descendentes diretos dos cananeus”, disse o Dr. Marc Haber, do Instituto Wellcome Trust Sanger, de acordo com o Independent .
“Mas além disso, eles têm uma pequena proporção de ascendência euro-asiática que pode ter chegado através de conquistas por populações distantes, como os assírios, persas ou macedônios”, acrescentou.
As referências na Bíblia sobre a população cananéia mostram que a expulsão e morte desse povo poderia ter implicado em seu desaparecimento da região.
Em Deuteronômio 20: 16-18, a Bíblia mostra que os israelitas foram orientados por Deus a destruir totalmente os hititas, os amorreus, os cananeus, os ferezeus, os heveus e os jebuseus.
“Se não, eles os ensinarão a praticar todas as coisas repugnantes que eles fazem quando adoram os seus deuses, e vocês pecarão contra o Senhor, contra o seu Deus”, justifica o trecho bíblico.
No entanto, outros trechos do Antigo Testamento, como em Juízes 1:19, comprovam que este comando não foi cumprido e muitos cananeus sobreviveram. “Eles ocuparam a serra central, mas não conseguiram expulsar os habitantes dos vales, pois estes possuíam carros de guerra feitos de ferro”.

Evangelizar os muçulmanos é proibido na Jordânia

 Aqueles que desafiam a lei para falar de Cristo podem enfrentar interrogatórios, agressões e ameaças

Evangelizar os muçulmanos é proibido na JordâniaA Jordânia ocupa o 27º lugar na atual Lista Mundial da Perseguição e se localiza no Oriente Médio, na margem leste do rio Jordão. A nação faz fronteira com a Arábia Saudita, Iraque, Síria e Israel. Como estado independente, desde 1946, conquistou a Cisjordânia na guerra árabe-israelense de 1948. É uma das nações que assinou o acordo de paz com Israel. Para os cristãos, é uma terra hostil e violenta. O número de convertidos vem diminuindo no decorrer dos anos.
A Jordânia já foi um dos países mais livres da região, em termos de liberdade de religião, hoje, porém, a evangelização aos muçulmanos é proibida. Desafiar a legislação para falar de Cristo é perigoso na maioria das vezes. A Portas Abertas já recebeu relatos de que cristãos foram interrogados pela polícia, agredidos fisicamente e ameaçados de morte. Alguns são considerados “loucos” pela família por causa da fé e enviados para clínicas psiquiátricas.
No ano passado, Nahed Hattar, um escritor cristão foi morto a tiros, por um suposto muçulmano fundamentalista. O motivo da violência se deu por causa de uma publicação que ele fez, de uma caricatura considerada blasfema pelo islã. O escritor já estava enfrentando um julgamento e estava a caminho do tribunal na hora do incidente. Por conta desse cenário violento, o número de relatos sobre os cristãos que fogem do país por razões relacionadas à fé aumentou. Ore pela Igreja Perseguida na Jordânia.

7 de julho de 2016

Estado Islâmico usa Whatsapp e Telegram para vender crianças a terroristas pedófilos

Estado Islâmico usa Whatsapp e Telegram para vender crianças a terroristas pedófilosDe acordo com agências internacionais, diversos terroristas do Estado Islâmico estão usando os aplicativos móveis para vender e comprar meninas de cerca de 12 anos de idade, como escravas sexuais

 

Militantes do Estado Islâmico estão usando aplicativos móveis criptografados, como WhatsApp e Telegram para ampliar o tráfico de meninas que são repetidamente estupradas e torturadas por terroristas pedófilos.
Não é nenhum segredo que mais de 3.000 meninas de minorias religiosas - como yazidis e cristãs - que foram capturadas pelo Estado Islâmico (também conhecido como ISIS, ISIL ou Daesh) são frequentemente compradas, vendidas e estupradas por até oito jihadis diferentes.
Embora muitas dessas meninas e mulheres tenham sido compradas, vendidas e leiloadas em mercados de escravas sexuais dentro dos redutos do grupo terrorista na Síria e no Iraque, alguns militantes parecem estar usando aplicativos móveis criptografados e plataformas de mídia social como uma tentativa de vender essas jovens para terroristas que estejam fora dessas localidades.
Um ativista Yazidi compartilhou com a Associated Press postagem, uma mensagem particular, na qual um jihadista listava uma virgem de 12 anos de idade, com um preço inicial de 12.500 dólares.
"Virgem, bonita, 12 anos de idade", dizia o 'anúncio'. "Seu preço pode chegar a US$ 12.500 e ela será vendida em breve".
De acordo com a AP, numerosos terroristas do Estado Islâmico estão usando os aplicativos móveis para vender e comprar essas mulheres e meninas de minorias religiosas como suas propriedades. Postagens têm aparecido no Telegram, WhatsApp e até mesmo no Facebook.
Uma mensagem no WhatsApp 'anuncia' uma mulher - mãe de um bebê de 3 anos e 7 meses de idade - a um preço de 3.700 dólares. O anúncio, que incluiu a foto da mãe, afirma que "Ela quer ser vendida por seu atual dono".
No início deste mês, foi relatado que o terrorista alemão, filiado ao EI, Abu Assad Almani, tentou usar o Facebook para vender uma escrava sexual Yazidi. O jihadista pedia cerca de 8.000 dólara pela mulher, mas alguns dos amigos de Almani tentaram negociar para que ele baixasse o preço.
"O que faz com que ela valha esse preço?", perguntou Romeo Langhorne - amigo de Almani - no Facebook. "Ela tem alguma habilidade excepcional?".
O WhatsApp e o Telegram, ambos de propriedade do Facebook, usam o sistema de criptografia com o objetigo de preservar a privacidade do usuário.
Embora os 'anúncios' tenham circulado também pelo WhatsApp e Facebook, a agência de notícias AP relata que a maior parte das mensagem registradas, passaram pelo Telegram. O porta-voz do aplicativo, Markus Ra disse à AP que a organização frequentemente remove canais públicos que são utilizados pelo Estado Islâmico.
"O Telegram é extremamente popular no Oriente Médio e outras regiões", disse Ra. "Isto, infelizmente, inclui tanto os elementos mais marginais, como as mais amplas massas cumpridoras da lei".
O porta-voz do WhatsApp, Matt Steinfeld disse à AP que a empresa não tolera que o aplicativo que esteja sendo usado como uma ferramenta para o tráfico humano.
"Nós temos tolerância zero para este tipo de comportamento nas contas [do aplicativo] e desativamos quando percebemos a evidência de atividade que viola nossos termos", disse Steinfeld. "Nós incentivamos as pessoas a usarem nossas ferramentas e pedimos que denunciar que se depararem com este tipo de comportamento".
Além disso, a AP relata que o Estado Islâmico registra suas escravas sexuais em bancos de dados, que incluem fotos das mulheres e meninas e os nomes de seus "donos". A intenção do registro nos bancos de dados é dificultar a fuga dessas meninas e mulheres.
Embora muitas famílias das moças que foram capturadas e transformadas em escravas sexuais cheguem a pagar contrabandistas para ajudarem a resgatá-las, a fundadora do grupo de ajuda 'Iraqi Luftbrucke Irak' - fundado na Alemanha - Mirza Danai disse à AP que está cada vez mais difícil para que as as mulheres consigam fugir desses cativeiros.
"Eles registam cada escrava sob o domnínio de seu proprietário e, portanto, se ela escapar, cada posto de controle do Estado Islâmico será notificado", explicou Danai.
A AP relatou que o Estado Islâmico continua a perder território e as fontes de renda do grupo terrorista continuam em crise. Aqueles que são capturados auxiliando as prisioneiras a fugirem são condenados à morte.

Billy Graham: Deus pode mudar o coração de um ateu convicto

Billy Graham: Deus pode mudar o coração de um ateu convictoEvangelista fez a afirmação, respondendo a uma internauta, que o questionou se ateus convictos poderiam um dia mudar de opinião sobre Deus

 

Deus é capaz de mudar o coração e a mente de um ateu, de acordo com o famoso evangelista o reverendo Billy Graham.
Em uma coluna de conselhos publicado terça-feira, Rev. Graham foi uma pergunta por alguém que se perguntou como um ateu comprometido pode converter-se ao cristianismo.
"Eu li um artigo no outro dia sobre uma mulher que tinha sido um ateu convicto, e de alguma forma ela se tornou um cristão. Mas eu tenho alguns amigos que são ateus, e eu não posso imaginar qualquer um deles sempre acreditar em Deus ou tornar-se cristãos . Poderiam ser trocado? " postulou a pessoa.
Graham respondeu que "através da intervenção de Deus" até mesmo os amigos não crentes da pessoa "certamente poderia mudar", como "acontece o tempo todo."
"Eu acho que, por exemplo, das inúmeras pessoas que cresceram ateus tão convencido em Comunista Europa Oriental e da antiga União Soviética, mas agora são crentes sinceros em Deus e são dedicados seguidores de Jesus Cristo", escreveu Graham.
"Deus pode fazer o que nunca pode fazer, incluindo a mudança de coração e mente de alguém. Além disso, certifique-se de seu próprio compromisso com Jesus Cristo, e depois pedir-lhe para ajudá-lo a ser um exemplo do amor de Cristo e da pureza de seus amigos."
Graham acrescentou que "muitos ateus hoje fazer tudo o que podem para erguer barreiras em seus corações e mentes contra Deus", que ele disse foi "porque eles querem executar suas próprias vidas, em vez de humildemente submeter-se a Deus."
"Mas Deus nos fez para si mesmo, e quando deixá-lo fora de nossas vidas um lugar vazio é deixado em nossos corações, e, finalmente, nossas vidas são sem sentido e sem esperança", continuou Graham.
"Só Deus pode preencher esse lugar vazio e dar-nos esperança para o futuro, como ex-ateus hoje estão descobrindo."
Os comentários de Graham sobre ateus mudando suas mentes vem dias depois Gallup divulgou resultados da pesquisa observando que quase nove em cada dez americanos acreditam em Deus.
Em pesquisas realizadas em maio e junho, Gallup constatou que 89 por cento dos americanos acreditam em Deus, com dez por cento dizendo que eles não e cerca de um por cento dizendo que eles não sabem.
"Todas as perguntas da Gallup sobre a crença em Deus mostra declínios de décadas anteriores", observou Gallup, cuja pesquisa foi realizada com uma amostra aleatória de 1.025 adultos.
"Isso segue a tendência geral em gotas de outros indicadores religiosas ao longo das décadas. O mais notável entre estes é que perto de 20% dos americanos agora dizem que não se identificam com um grupo religioso específico ou denominação, em comparação com percentuais menores que não tinham religiosa identidade em décadas passadas ".

Inauguração de parque temático cristão reúne mais de 7 mil pessoas nos EUA

Inauguração de parque temático cristão reúne mais de 7 mil pessoas nos EUADe acordo com Ken, a Arca serve como um lembrete. `Para lembrar as próximas gerações da verdade da palavra de Deus´, pontuou


O parque temático “Ark Encounter” é uma atração baseada na Arca de Noé (história bíblica), que possui uma réplica em tamanho real da Arca. O projeto realizou sua cerimônia oficial na última terça-feira (5) em Grant County, Kentucky, anunciando sua grande abertura na quinta-feira (7), reunindo uma multidão de 7 mil pessoas para testemunhar o acontecimento histórico.
Ken Ham, presidente e CEO da “Answers in Genesis” e “O Museu da Crição” relatou detalhes do projeto para o site The Christian Post. "Em um mundo que está se tornando cada vez mais secularizado e tendencioso, é hora dos cristãos fazerem algo com essa magnitude e tamanho", disse.
De acordo com Ken, a Arca serve como um lembrete. "Para lembrar as próximas gerações da verdade da palavra de Deus. É a nossa maneira de apresentar a verdade da Palavra de Deus para o mundo", ressaltou.
O evento teve uma hora de duração e foi transmitido ao vivo pelo canal oficial do YouTube do “Ark Encounter”. A ocasião contou com apresentações, orações e leituras da Bíblia ao vivo, junto com o prefeito Richard Skinner cortando a fita no final.
"De uma maneira profissional, descobrimos que a cidade poderia fazer, o que o município poderia fazer, e que a Arca poderia fazer. E a partir desse profissionalismo, tomamos um respeito mútuo que eu tenho para o projeto e para que eles o representam”, disse Skinner sobre os esforços conjuntos que entraram para construir o parque temático.
"Apoiamos o “Ark Encounter”, apoiamos a missão e estamos orgulhosos de ter o projeto como a nossa casa", acrescentou.
Mark Looy, vice-presidente de divulgação e co-fundador da “Answers in Genesis”, explicou na cerimônia o processo da Arca, introduzindo a multidão na Arca, que se estende por 510 pés de comprimento, 85 pés de largura e 51 pés de altura.

Avivamento é testemunhado em conferência na França: `A Europa está viva para Jesus´

Avivamento é testemunhado em conferência na França: `A Europa está viva para Jesus´Objetivo desta conferência é clamar por uma Europa cada vez menos secular e que se volte para um relacionamento verdadeiro com Deus

Mesmo com a permanente ameaça de terrorismo islâmico e instabilidade econômica, milhares de pessoas na França estão entregando suas vidas a Cristo. Pessoas de toda a Europa se reuniram em Nates, França, na semana passada para buscar o Senhor durante a “Grande Conference”. O objetivo desta conferência é clamar por uma Europa cada vez menos secular e que ela se volte para um relacionamento verdadeiro com Deus. As informações são da CBN.
"A misericórdia triunfa sobre o juízo", diz um cartaz declarando a capacidade de Deus para curar e restaurar a Europa. "Na primeira sessão da conferência, mais de 70% das mais de mil pessoas, entregaram suas vidas a Jesus pela primeira vez", pontuou Chris Gore da Bethel Church. "A esperança dessa nação é o Evangelho".
"A Europa está viva para Jesus! Que noite incrível na França. Nós vimos aqui cerca de 2 mil milagres e exatamente 100 relatos de pessoas que eram surdas e agora podem ouvir”, publicou Gore no Facebook, juntamente com um vídeo de um grande auditório cheio de pessoas louvando a Deus.
"Não há dúvidas de que a Europa estava envolto em trevas nos últimos anos. E com a instabilidade política, existe a ameaça iminente de terror e a morte de milhares de refugiados que procuram fora, costas Europeias. Mas ainda há esperança para esta região do o mundo? Jesus disse quando Ele estava na terra, 'Eu sou a luz do mundo’”, disse Gore. "Quando brilhar a nossa luz, a escuridão não tem outra opção a não ser sair”, finalizou.

6 de julho de 2016

Deus ama Você


1. Deus Ama Você!

A Bíblia diz, "Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu Único Filho, para que todo aquele que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna".

2. Todos nós fazemos, dizemos ou pensamos coisas que são erradas. Isto é chamado de pecado, e nossos pecados nos separam de Deus.

A Bíblia diz "Pois todos pecaram e estão separados da glória de Deus..." (Romanos 3:23) Deus é perfeito e santo, e nossos pecados nos separam de Deus para sempre. A Bíblia diz "Pois o salário do pecado é a morte..." (Romanos 6:23) A boa noticia é que a mais de 2000 atrás,

3. Deus enviou Seu único Filho Jesus Cristo para morrer por nossos pecados.

Jesus e o Filho de Deus. Ele viveu uma vida sem pecados e morreu na cruz para pagar o preço por nossos pecados. "Mas Deus demonstra seu amor por nós pelo fato de ter Cristo morrido em nosso favor, quando ainda éramos pecadores." (Romanos 5:8) Jesus ressuscitou da morte e agora Ele vive no céu com Deus Seu Pai. Ele nos oferece o presente da vida eterna -- de viver eternamente com Ele no céu se aceitarmos Ele como nosso Senhor e Salvador. Jesus disse "Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim." (João 14:6) Deus te ama e deseja que você seja Seu filho "Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus." (João 1:12) Você pode escolher e pedir para que Jesus Cristo perdoe seus pecados e entre na sua vida como seu Senhor e Salvador.

4. Se você deseja aceitar Cristo, você pode pedir para Ele ser seu Salvador e Senhor confessando pela fé com esta oração:

"Senhor Jesus, Eu creio que Tu és o Filho de Deus e o Salvador do mundo. Obrigado por vir a Terra e morrer para que eu pudesse ter a vida eterna. Por favor perdoe todos meus pecados. Agora eu quero Te seguir e Te servir com minha vida. Por favor envie o seu Santo Espírito e dirija meus passos. Em nome de Jesus , Amem."
Você fez esta oração?

Mel Gibson convida pastor para `sessão exclusiva´ de seu novo filme sobre oração

Mel Gibson convida pastor para `sessão exclusiva´ de seu novo filme sobre oraçãoDiretor convidou o pastor Greg Laurie e sua família para assistir o filme `Hacksaw Ridge´

 

O premiado ator e cineasta Mel Gibson fez uma parceria com a Lionsgate para produzir um filme inspirador sobre um soldado da Segunda Guerra Mundial, Desmond Doss, que prova que a única arma necessária no campo de batalha é a oração.
"Hacksaw Ridge" é a extraordinária história real do médico do exército Desmond Doss, interpretado por Andrew Garfield ("The Amazing Spider Man"), que salvou as vidas de mais 75 homens em questão de horas, durante a batalha mais sangrenta da Segunda Guerra Mundial, em Okinawa, sem disparar ou transportar qualquer arma.
Além da história emocionante que o filme traz, há outro fato - vindo dos "bastidores" - que pode chamar a atenção de muitos cristãos, fãs da sétima arte: Assim que o filme teve sua produção finalizada, Gibson cuidou de mostrá-lo primeiramente ao pastor norte-americano Greg Laurie.
O diretor convidou Laurie, Cathe e Jonathan (esposa e filho do pastor, respectivamente) "sessão exclusiva" em sua casa. A visita foi confirmada e refistrada pelo próprio pastor, que publicou uma foto em seu instagram.
"Ontem, fui convidado por Mel Gibson para ver seu novo filme, "Hacksaw Ridge" que sai em novembro deste ano", disse o pastor.
"Tivemos uma conversa surpreendente sobre muitas passagens [bíblicas] que falam sobre o que Jesus disse e fez depois que Ele ressuscitou", acrescentou.
A postagem de Laurie foi feita no início de junho, mas os detalhes sobre o filme e a confirmação do lançamento só foram divulgadas agora.
Na publicação de seu perfil do Instagram, Laurie também celebrou a boa notícia de que Mel Gibson está planejando a produção da sequência do sucesso de bilheteria "Paixão de Cristo".
O filme "Hacksaw Ridge" deve tem estreia prevista nos Estados Unidos para 4 de novembro. Uma possível data de lançamento no Brasil ainda não foi confirmada.

Igrejas da China são forçadas a entregar seus dízimos e ofertas para o Partido Comunista

Igrejas da China são forçadas a entregar seus dízimos e ofertas para o Partido ComunistaSegundo a missão internacional `China Aid´, as ordens do governo são parte de um movimento para reprimir o crescimento do cristianismo no país, com a imposição de regulamentos abusivos

O Partido Comunista do litoral na província de Zhejiang (China) está forçando as igrejas cristãs a entregarem todos os seus dízimos e doações a funcionários do governo, segundo relatórios da missão internacional 'China Aid'.
A 'China Aid' - que tem se empenhado em relatar a crescente perseguição contra as igrejas chinesas nos últimos anos - disse que as ordens do governo são parte de um movimento para reprimir os cristãos com a imposição de regulamentos abusivos.
O grupo de vigilâncida da perseguição religiosa explicou em seu relatório final na semana passada que o governo comunista tem forçado templos a implementarem seu plano de "cinco transformações" para refletir os desejos do Partido Comunista.
As igrejas de Pingyang, Wenzhou (China) também foram informadas de que eles devem entregar todo o seu dinheiro - recebido por meio de dízimos e ofertas - para funcionários do Estado.
Um cristão local que não foi identificado disse que as autoridades do governo estão interferindo em assuntos da Igreja, gerenciando as doações que as comunidades cristãs recebem e assumindo projetos de grande escala.
"Temos que obter a permissão deles (do governo) se quisermos comprar equipamentos ou decorar a igreja. Vamos ter que pedir permissão para quaisquer outras despesas superem alguns milhares de yuan (300 dólares)", disse a fonte.
Além disso, funcionários do governo vêm exigindo falar às congregações durante os cultos e exigindo que tenham espaço nos conselhos de diretoria das igrejas.
O governo chinês tem se empenhado nos últimos dois anos para a promoção de uma forte "campanha" de remoção de cruzes de igrejas e demolição de templos, a qual já está em curso. Milhares de cruzes já foram demolidas, com a finalidade de forçar as igrejas a cumprirem os "códigos de segurança", impostos a estes edifícios.
Centenas de pastores, advogados de direitos humanos e membros de igrejas cristãs foram presos - e alguns até mortos - por protestar contra a campanha. Eles acusam o governo de tentar suprimir o crescimento do cristianismo no país.
Alguns defensores dos direitos humanos que foram liberos da prisão falaram sobre os abusos que sofreram nas mãos de autoridades chinesas. É o caso de Gao Zhisheng, de 52 anos de idade, que revelou em um livro de memórias, lançado no início de junho, que foi a sua fé cristã que lhe deu a forças para sobreviver.
Zhisheng, que passou quase três anos em confinamento solitário por se opor a vários abusos contra os direitos humanos por parte do governo chinês, explicou em seu livro de memórias que foi "sua fé cristã e sua esperança inabalável que o sustentaram durante esse período de isolamento".

Cristão condenado por blasfêmia continua pregando na Indonésia


Cristão condenado por blasfêmia continua pregando na Indonésia Ele está em liberdade há dois anos e já alcançou mais de 100 muçulmanos com sua pregação


Um ex-muçulmano que vive na Indonésia foi condenado à prisão por “falsos ensinamentos”. O homem e seu irmãos foram processados por vizinhos após o batismo de um adolescente da família.
Rudi, nome fictício para preservar sua identidade oficial, é um antigo estudioso muçulmano e filho de um famoso líder da religião no Oeste de Java, o que agravou ainda mais sua condição, já que no país há a lei de blasfêmia.
Condenado há três anos de prisão, Rudi contou com o apoio da Portas Abertas, que ajudou também o seu irmão com apoio jurídico e suas famílias com apoio financeiro.
Os filhos de Rudi sofreram muito com a condenação do pai, ficaram sem frequentar a escola e precisaram se mudar diversas vezes para não serem atacados por conta da religião.
“Aqueles tempos eram difíceis. Eu sentia como se nós não pertencêssemos a lugar algum. Eu não tinha amigos, nem casa ou escola”, relembra a filha do cristão.
Em liberdade há dois anos, Rudi se lembra da prisão com um processo de aprendizado. “A provação me permitiu experimentar um pouco do que Jesus passou. Eu sou grato por isso. O fato de eu ter sofrido por Cristo significa que estou no caminho certo”, disse.
Desde que deixou a cadeia, Rudi tem compartilhado a mensagem do Evangelho de Cristo e já alcançou mais de 100 muçulmanos mesmo estando com a saúde debilitada.
Hoje ele e sua família vivem em uma casa pequena e seus filhos já podem frequentar a escola.
“Nossa casa não é grande, mas estamos felizes aqui. Nesta cidade, as crianças podem ir à escola sem medo de serem rejeitadas. Elas podem ser quem realmente são”, diz a esposa de Rudi.

Mais de 3 bilhões de pessoas nunca ouviram falar de Jesus, diz organização cristã

Mais de 3 bilhões de pessoas nunca ouviram falar de Jesus, diz organização cristãSegundo a Joshua Project, o Brasil é detentor de 309 grupos étnicos diferentes e desses, 29 ainda não foram alcançados

Dados apontam que 42,3% da população mundial ainda não teve a oportunidade de conhecer Jesus e nem os evangelhos. A informação é da organização cristã Joshua Project, que procura definir os grupos étnicos que mais precisam de missionários e missões. A porcentagem corresponde à cerca 3,12 bilhões de pessoas. Ainda de acordo com a organização, a situação mais crítica está na Ásia, onde cerca de 60% da população ainda desconhece Cristo.
A organização Joshua Project tem uma escala de definição para classificar o nível de alcance do evangelho nos países, além de compreender se uma etnia foi alcançada ou não. Por exemplo, se um grupo tiver mais de 10% de evangélicos, então ele é considerado “significativamente alcançado”, como é o caso de grande parte do Brasil.
Em contrapartida, se o grupo tiver entre 2% e 10% de evangélicos, ele é considerado “parcialmente alcançado”, como é o caso de boa parte da América Latina. Se o grupo tiver menos de 2% de evangélicos, a região é considerada “minimamente alcançada”, como é boa parte da África Ocidental, onde fica, por exemplo, a Nigéria, país que está sendo constantemente atacado pelo grupo radical islâmico Boko Haram.
Outra definição são os países “pouco alcançados”, estes configuram os que têm menos de 2% de evangélicos praticantes ou mais de 50% de cristãos professos (não-praticantes), como é o caso de grande parte do leste europeu. Já os países “não alcançados” são aqueles que têm menos de 2% de evangélicos e menos de 5% de cristãos professos, como é a atual situação da Índia, que tem a segunda maior população do mundo.
Situação do Brasil
Segundo a Joshua Project, o Brasil é detentor de 309 grupos étnicos diferentes e desses, 29 ainda não foram alcançados. Por outro lado, a organização afirma que apenas 0,1% do Brasil ainda não teve a oportunidade de conhecer Cristo, isso caracteriza cerca de 118 mil pessoas.
De acordo com o projeto, os países que mais precisam de missionários são o Marrocos, que possui apenas 12 mil cristãos professos, ou cerca de 0,2% da população, e o Saara Ocidental, onde aproximadamente 99,9% da população é muçulmana sunita.
A organização Wycliffe que ajuda pessoas a traduzirem a Bíblia em seus próprios idiomas, informou que cerca de 1.778 idiomas necessitam de traduções da Bíblia. John L Pudaite, presidente da Bibles For The World (Bíblias para o Mundo), afirma que menos de 5% dos missionários de tempo integral estão trabalhando em locais “não alcançados” e menos de 1% de todas as doações são enviadas a missões nesses lugares.

Réplica da Arca de Noé chegará ao Brasil no dia 22 de agosto

Réplica da Arca de Noé chegará ao Brasil no dia 22 de agostoExpectativa é de que a réplica permaneça no País de dois a quatro anos com o objetivo de que ela seja vista em portos das cidades de Fortaleza, Rio de Janeiro, Manaus, Belém, Recife, Salvador, Vitória, Santos, Florianópolis e Porto Alegre

Uma réplica da Arca de Noé chegará ao Brasil no dia 22 de agosto deste ano. O projeto do construtor holandês Johan Huibers, que já foi noticiado anteriormente pelo Portal Guiame, é um verdadeiro museu da história bíblica que mede 29 metros de largura, 125 metros de comprimento e 23 metros de altura.
De acordo com o site oficial, a Arca pesa 2,5 mil toneladas e foi construída com base nas medidas registradas no relato bíblico de Gênesis capítulo 6 e versículo 15.
Segundo o site Notícias Adventistas, a expectativa dos construtores da Arca e mantenedores do projeto chamado “Ark of Noah” é de que a réplica permaneça no País de dois a quatro anos. O objetivo é que durante esse tempo, ela seja vista em portos das cidades de Fortaleza, Rio de Janeiro, Manaus, Belém, Recife, Salvador, Vitória, Santos, Florianópolis e Porto Alegre.
O holandês Ralph Sijl, diretor de operações do projeto e responsável, entre outras ações, pela logística da ida da réplica a outros locais, revelou mais detalhes da vinda da arca para o Brasil para a Agência Adventista Sul-Americana de Notícias (ASN).
“Johan Huibers, o carpinteiro que construiu a Arca, escreveu um livro sobre ela. Em resumo, diz que, em um sonho, ele viu o norte da Holanda sendo inundado. Pouco tempo depois, durante a leitura de um livro de figuras para crianças que retrata animais entrando na Arca de Noé, ele recebeu o pensamento de construir uma réplica”, explicou.
“Queremos mostrar ao mundo que há esperança, há um julgamento vindouro, há salvação para todos por meio de Jesus Cristo”, diz ele sobre o objetivo principal do projeto. Ele ainda informa que a Arca já viajou para outras partes do mundo, mas foi uma primeira versão que mede a metade do tamanho da Arca atual. “Sonhamos e planejamos levar a Arca para diferentes portos no Brasil e na América do Sul”, pontuou.
Custo da viagem
Segundo Ralph, o transporte tem um custo de 1,5 milhão de dólares. “Para evitar esses altos custos de transporte no futuro, nós pretendemos comprar uma barca enorme: 900 mil dólares. Então, precisamos de um total de 2,4 milhões de dólares”.
O diretor de operações também foi questionado sobre o que ele espera que as pessoas entendam quando virem a construção. Ele responde: “Esperamos que elas vejam a grandeza do nosso Deus, a Bíblia ganhar vida e torná-la tangível”.
Para finalizar, Ralph responde como a sua fé o ajudou a criar ou fazer parte do projeto. “Foi a única fonte. Sem fé, não podemos acreditar, e sem fé, não há esperança. A fé e a esperança em Cristo nos dão o desejo e a vontade de compartilhar o evangelho”, ressaltou.

Lei de blasfêmia não é aplicada a todos no Paquistão

Lei de blasfêmia não é aplicada a todos no PaquistãoEnquanto todos os grupos minoritários estão sujeitos a esta lei, os mais visados são os cristãos, considerados desleais, enquanto os hindus, sikhs e zoroastristas são mais livres para praticarem sua fé

 

De acordo com o histórico legislativo do Paquistão, a lei de blasfêmia que faz parte do Código Penal do país e que está relacionada com os crimes contra a religião, também estava contida no Código Penal Indiano de 1860. É que nos tempos da “Índia Britânica”, período em que os ingleses dominavam, os países Índia, Paquistão, Bangladesh e Mianmar, faziam parte de um mesmo território, ou reino, como eles costumavam dizer na época. Em 1947, houve a separação dos governos. Isso quer dizer que as leis sofreram muitas transformações ao longo do tempo, sendo efetivadas por novos crimes, principalmente durante o período da islamização do Paquistão, pelo então presidente militar Muhammad Zia-ul-Haq.
Enquanto todos os grupos minoritários estão sujeitos a esta lei, os mais visados são os cristãos, considerados desleais, enquanto os hindus, sikhs (seguidores da doutrina do siquismo, que crêem nos dez gurus) e os zoroastristas são mais livres para praticarem sua fé. O Código Penal colonial (atual do Paquistão), em seu artigo 295, ainda diz que “aquele que destruir, danificar ou contaminar qualquer lugar de culto, com a intenção de insultar qualquer religião ou classe de pessoas, será punido com a prisão por um período de até dois anos ou deverá pagar multa”. Se a lei fosse aplicada a todas as religiões, seria útil aos cidadãos de modo geral. Mas durante o período compreendido entre 2000 e 2014, não há relatos de que a lei tenha sido aplicada aos seguidores do islamismo e muitos casos foram arquivados.
Uma das alterações introduzidas no Código Penal e que aumentou o impulso da islamização, foi a de que o Paquistão é um Estado islâmico, protegendo assim apenas os muçulmanos, impedindo os benefícios das leis para outros grupos religiosos. Antes também, a lei exigia uma evidência da intenção de blasfêmia, mas agora não exige mais. Ou seja, quando um cristão é acusado, o que prevalece é a palavra do muçulmano contra a dele. Além disso, há um grande número de cláusulas com ambiguidade textual, o que já permitiu muitas injustiças e favoreceu a impunidade de crimes hediondos contra os seguidores do cristianismo. Foi constatado também que mais de 60% das pessoas que abrem um processo de acusação são islâmicos. Diante desse contexto, há pouca esperança de que haja justiça no país para os cristãos, que são fortemente acusados de tentar expandir a agenda ocidental no país, de agir contra o Estado e de serem “perigosos” para o islamismo.

Cristãos perseguidos preferem Bíblia impressa a aplicativos, informam missionários

Cristãos perseguidos preferem Bíblia impressa a aplicativos, informam missionáriosDiante da necessidade dos cristãos perseguidos, a impressão de Bíblias está sendo feita secretamente dentro destes países — tornando sua produção mais arriscada

Depois de iniciarem investimentos em tecnologia, tradutores da Bíblia Sagrada estão descobrindo que cristãos de igrejas perseguidas, principalmente em países de maioria muçulmana, preferem ter em mãos as Escrituras impressas do que em edições online.
A constatação pegou de surpresa o diretor de tecnologia da organização Wycliffe Associates, David Reeves. Antes de entender essa necessidade dos cristãos perseguidos, ele estava focando em projetos de aplicativos e Bíblias digitais.
"Eles realmente querem ter isso [a Bíblia impressa]. Eles podem tê-la em suas mãos, isso não requer nenhuma bateria, ela não precisa ser recarregada, e eles podem escondê-la em vários locais", disse Reeves ao site Mission Network News.
A nova carência apresentou novos desafios para o especialista. Muitos dos cristãos que anseiam por cópias da Palavra de Deus vivem em países onde a Bíblia é proibida. Isso significa que a impressão de cópias traduzidas das Escrituras terão de ser feitas secretamente, dentro destes países — tornando sua produção mais arriscada.
"Eles [tradutores] têm que fazer isso sozinhos, em silêncio, em algum lugar onde ninguém saiba disso", ressalta Reeves.
Diante desse impasse, a Wycliffe Associates desenvolveu o projeto de uma máquina compacta o suficiente para ser secretamente transportada e eficaz o suficiente para reproduzir milhares de cópias do Novo Testamento.
"O sistema de ‘impressão sob demanda’ é apenas uma forma de se camuflar e se esconder. Nossos irmãos e irmãs estão usando isso para imprimir a Bíblia em lugares que, de outra forma, não poderia ser entregue", diz Reeves.
Com o uso da nova máquina, apenas no ano passado, foram impressas mais de 190 mil publicações no Oriente Médio, sejam de livros ou pequenas brochuras, informou o especialista.
No entanto, a impressão da Bíblia ainda é uma tarefa perigosa. "Existem riscos de segurança, os nossos irmãos e irmãs sabem disso. Eles estão dispostos a correr esses riscos e alguns até já pagaram com suas vidas”, disse Reeves, relembrando o caso dos quatro tradutores mortos por extremistas islâmicos, em março de 2016.

Cristã argeliana pode perder marido e filho se não negar Jesus

Cristã argeliana pode perder marido e filho se não negar JesusPaíses norte africanos têm a maioria da população muçulmana e o islã como religião oficial do Estado

No Norte da África, a intolerância religiosa se manifesta de várias maneiras: rejeição familiar, oposição à abertura de uma igreja em algumas áreas, intimidação, ameaças de radicais islâmicos, difamação, pressão no trabalho, desrespeito e violência. Levando em conta que a maioria dos países norte africanos têm a maioria da população muçulmana e o islã como religião oficial do Estado, a situação para os cristãos argelinos é cada vez mais crítica. É muito comum ouvir histórias de cristãos que são maltratados e até perdem suas vidas por não negarem a Cristo como Salvador. 
Cherifa* é a personagem de uma dessas histórias. Logo no início das comemorações do Ramadã, no mês de junho, a pressão sobre os seguidores do cristianismo aumentou muito, principalmente para aqueles que vivem com suas famílias não convertidas e que enfrentam um ambiente mais opressor e hostil. É o caso de Cherifa que vive com seu marido muçulmano e que deu a ela um ultimato. Juntos, eles tiveram um filho, depois de um longo tempo de espera pelo primogênito. A cristã sabe que sua gravidez foi a resposta às suas orações e a de muitos irmãos da igreja onde congrega. Mas os problemas começaram assim que o bebê nasceu e ela decidiu testemunhar sobre esse milagre e declarar que Jesus havia abençoado o casal com um filho. A família de seu marido se voltou contra ela, aproveitando o mês do Ramadã, período em que os muçulmanos ficam mais fervorosos em sua religião, e isso chamou muito a atenção de seu esposo. 
Primeiro, ele a expulsou de casa, depois passou a ameaça-la, dizendo que ela tinha apenas duas opções: “Desista da sua fé em Cristo e volte para casa ou vamos nos divorciar e o bebê ficará comigo”, disse ele. “Depois de 9 anos de casamento, Deus me deu um filho, e agora tudo se voltou contra mim. Posso perder meu marido e meu bebê. Ele disse que iria consultar um advogado para tomar as medidas necessárias”, conta a cristã. Atualmente, muitos irmãos da igreja estão apoiando a cristã que se nega a abandonar a fé. “Eu não posso renunciar a minha fé, Cristo é tudo para mim”. Ela diz isso, mesmo sabendo que não poderá confiar no sistema jurídico de seu país. Há muitos casos em que a mulher pede o divórcio e consegue ficar com os filhos. Mas, no caso de Cherifa, quem vai pedir o divórcio é o marido, então é provável que se ele pedir a guarda da criança, ele consiga por ser um muçulmano. 
*Nome alterado por motivos de segurança.
Pedidos de oração
? Ore por Cherifa e sua família. Peça ao Senhor para lhe dar estratégias nesse momento tão delicado de sua vida.
? Ore em especial pelo seu esposo muçulmano, para que o coração dele também se abra para o amor de Cristo e que ele desista do divórcio.
? Interceda por todas as famílias argelinas que vivem momentos semelhantes. Ore pela igreja na Argélia e para que os novos convertidos sejam protegidos e aprendam a lidar com a perseguição da melhor maneira.

Cristãos são o grupo religioso mais perseguido, conclui estudo

Cristãos são o grupo religioso mais perseguido, conclui estudoMaioria dos atentados foram realizados por grupos islâmicos como Boko Haram, al-Qaeda e Estado Islâmico

Estudos recentes realizados pelo Centro de Pesquisas Pew, comprovam que a perseguição aos cristãos tanto pelos governos quanto pela sociedade está aumentando. Há 2,3 bilhões de cristãos em todo o mundo. Estima-se que pelo menos 8.000 são martirizados a cada ano. Em alguns lugares, como zonas de guerra, as estatísticas são imprecisas, o que significa que o número é muito maior.
O estudo da Pew considera perseguição ataques que sejam verbais ou físicos, bem como prisões, detenções e profanação de locais sagrados. Também foi levada em conta a discriminação por motivos religiosos relacionadas com acesso a emprego, educação e habitação.
Baseado em dados de 2014, observa-se que os assédios institucionais (promovidos pelo governo) ocorreram em 79 países, enquanto que o assédio social (por indivíduos), foi registrado em 85. Alguns dados mostram uma variação para baixo, sendo que o “ápice” foi registrado em 2012.
A conclusão dos pesquisadores da Pew é que, de modo geral, ocorreu uma diminuição na perseguição “oficial”, mas um aumento no número de países com atividade terrorista motivada pela religião. Oitenta e dois países foram vítimas, sendo que em 60 deles ocorreram ferimentos e mortes. A maioria dos atentados foram realizados por grupos islâmicos como Boko Haram, al-Qaeda e Estado Islâmico.
O estudo pesquisou o status da religião em 198 países e descobriu que cerca de 75% da população mundial vive em países onde a restrição motivada pela religião é considerada “alta” ou “muito alta”.
Seguidores de Jesus enfrentam dificuldades por causa de sua fé em 108 países. Outro aspecto que chama atenção é o antissemitismo. A perseguição aos judeus teve o maior índice dos últimos oito anos, com seus seguidores passando por isso em 81 países.
Os índices de restrições e hostilidades de fundo religioso nos 25 países mais populosos do mundo – onde vivem mais de 5 dos cerca de 7,5 bilhões de habitantes do globo – variam muito.
Enquanto no Brasil, Japão e África do Sul estão na parte de baixo, com pouca variação, Índia, Paquistão e Indonésia permanecem no topo, com a Nigéria sendo o que teve o maior aumento de todos.
Pesquisa contínua
Os dados de 2015 ainda não foram divulgados pela Pew. A Missão Portas Abertas divulgou em janeiro, os dados referentes ao ano passado e concluiu que continuamos em uma escalada histórica de perseguição ao cristianismo. Seus índices que mostram um aumento de mais de 100% em comparação a 2014.
Este é o sétimo ano que o Centro Pew analisa o conflito de governos e indivíduos de todo o mundo contra pessoas por causa de suas crenças religiosas. Os estudos fazem parte do projeto do Global Religious Futures, patrocinado pela Fundação Templeton e que analisa as mudanças religiosas e seu impacto sobre as sociedades em todo o mundo.

Empresa leva histórias da Bíblia a óculos de realidade virtual

Empresa leva histórias da Bíblia a óculos de realidade virtualApp que será lançado em 12 de julho nos Estados Unidos, contará com histórias curtas e imagens tridimensionais que levam o usuário aos locais retratados no livro

Uma empresa chamada Bible-VR anunciou que está desenvolvendo um aplicativo que leva passagens da Bíblia a dispositivos de realidade virtual como Oculus Rift e Google Cardboard. 
O app, que será lançado em 12 de julho nos Estados Unidos, contará com histórias curtas e imagens tridimensionais que levam o usuário aos locais retratados no livro. Além disso, também será possível participar de “salas de reza”. 
As filmagens do material que gerará tudo isso estão sendo realizadas no Marrocos e em Israel. As imagens serão usadas para montar cenários que retratem, por exemplo, a divisão do Mar Vermelho e o nascimento de Jesus. 
A empresa diz que a ideia é tornar a Bíblia acessível em uma linguagem mais aceita pelas novas gerações. E a Bible-VR não é a única se esforçando nesse sentido, já que recentemente um anônimo começou a traduzir o livro em emojis.

Cristãos na Líbia vivem extrema perseguição

Cristãos na Líbia vivem extrema perseguiçãoPaís ocupa o 10º lugar na atual Classificação da Perseguição Religiosa

Nas terras de Cirene, onde morava Simão, aquele que carregou a cruz de Jesus conforme descreve a Bíblia, região onde hoje é a atual Líbia, sabe-se que os cristãos vivem em extrema perseguição. A nação que ocupa o 10º lugar na atual Classificação da Perseguição Religiosa, apesar de sua longa herança cristã, hoje está praticamente dominada pela presença do islã, que não permite nenhuma forma de evangelismo e a simples menção do nome de Cristo é o motivo que faz disparar a ira e a violência contra seus seguidores.
Depois que a Primavera Árabe se alastrou também como uma tempestade destrutiva sobre a Líbia, e o ex-presidente Gadaffi foi morto em sua terra, se tornou ainda mais difícil a entrada de ocidentais no país. Não há igrejas disponíveis para a reunião dos cristãos que sobreviveram lá, o que há são cristãos espalhados, escondidos e que vivem sua fé de maneira secreta. As estatísticas falam de 20 e 25 mil cristãos, mas não é possível saber sobre os novos convertidos, principalmente depois de 2014, quando o grupo extremista Estado Islâmico se instaurou e ganhou apoio de outras facções islâmicas. A questão é: como vivem nossos irmãos líbios?
As notícias mostram um cenário cada vez mais violento e uma política agressiva, com praticamente três governos lutando entre si pelo poder. O maior número de cristãos é de estrangeiros, africanos subsaarianos ou egípcios que estão tentando ganhar a vida no país. Trata-se de uma igreja jovem e pequena, da qual a Portas Abertas conseguiu ter acesso apenas a 150 membros, e em grande sigilo. Eles se reúnem em igrejas domésticas, são muito hostilizados pela sociedade e, tratados como “estranhos” pela própria família. Há relatos de um jovem de 18 anos que se converteu recentemente e seus pais o enviaram a uma clínica psiquiátrica. Esse caso é como uma “brecha na parede” que nos faz ter só uma ideia de como os cristãos são reconhecidos na Líbia.
Além disso, eles enfrentam uma grande pobreza, falta de emprego por causa da discriminação e, normalmente, vivem unidos em imóveis alugados, o que os torna ainda mais vulneráveis. O grupo de cristãos etíopes que foram mortos em uma praia da Líbia, no ano passado, era de migrantes que compartilhavam a mesma casa. A matéria "Estado Islâmico executa cristãos etíopes", divulgada na época, fornece outros detalhes. De lá para cá, a Líbia se tornou um lugar ainda mais perigoso e hostil para a igreja de Cristo. Mesmo assim, ainda há pessoas que se decidem pelo cristianismo e não olham para o risco, mas se convertem confiando no Senhor e nas orações de sua nova família em Jesus.

3 de julho de 2016

Paquistaneses se preparam para dias piores

Paquistaneses se preparam para dias pioresSegundo Portas Abertas, o Paquistão é o 6º na Classificação de Perseguição Religiosa 2016


Chand* é um cristão paquistanês que por causa da pobreza extrema foi forçado a viver e a trabalhar em um país árabe para o sustento de sua família, bem como dos filhos de seu falecido irmão e cunhada. Ele está preocupado por tê-los deixado sozinhos e, recentemente, escreveu uma carta para fortalecer o coração de sua esposa. Ao ler suas palavras, seu filho respondeu: “Deus é grande e forte”. Sheraz* é um líder cristão, que vive no Paquistão, mas viaja para distribuir Bíblias em países árabes. Em uma viagem recente, ele conheceu Chand. A partir daí, o líder e sua esposa visitam a família dele para levar alimentos, juntamente com cartas de encorajamento.
“Foi um alívio para mim conhecer Sheraz, ele tem me ajudado muito a manter contato com minha esposa. Isso conforta minha alma. A situação no Paquistão não vai bem, a lei de blasfêmia tem afetado muito a vida dos cristãos”, comenta Shand. Em uma de suas cartas, ele diz à sua esposa: “Minha querida, eu tenho confiado em Deus, por isso sei que você está bem. Como estão as crianças? Sei que estão sofrendo na escola com a pressão de todos para se tornarem muçulmanas. Sei que eles choram por isso, mas tenha calma, isso é natural. Eu permaneço em oração e sei que a tendência é que a situação ainda mais, mas devemos ter paz em nossos corações, apesar de tudo. O que estamos vivendo é apenas um ensaio, sejamos firmes. Seja cautelosa em todos os momentos, dirija com cuidado e preste muita atenção quando estiver na estrada. Você sabe o quanto me preocupo por saber que está aí sozinha. Sinto muita falta da nossa vida juntos. Eu amo todos vocês. Que o Senhor os proteja. Com amor, seu marido Shand”. 
Sheraz disse que as preocupações de Shand são as mesmas de milhares de cristãos que estão diante da lei de blasfêmia. “Todos sabem que essa lei é injusta, mas só o governo não vê isso. Até as crianças têm sido condenadas e, na maioria das vezes, são acusadas pelos seus próprios professores”, conta. A esposa de Shand tem se preparado a cada dia, alertando seus filhos e sobrinhos sobre tudo o que ainda virá. “O Espírito Santo coloca as palavras em minha boca, e os sábios conselhos do meu marido também ajudam muito nessa missão. Sou grata também a todos os irmãos que oram pelas nossas necessidades e que compreendem que não é fácil manter a fé diante de tanta perseguição, mas nós estamos conseguindo. Sei que um dia Shand vai voltar para nós, estamos orando e esperando por ele. Nossa fé tem sido maior que as nossas fraquezas. Deus é bom”, conclui ela.
*Nomes alterados por motivos de segurança.

Ex-bruxo conta como se entregou a Jesus e foi liberto de maldição: `Sou vitorioso em Cristo´

Ex-bruxo conta como se entregou a Jesus e foi liberto de maldição: `Sou vitorioso em Cristo´Nascido em uma família que tinha tradição em feitiçaria, John foi consagrado ainda criança

Como sumo sacerdote da santeria, John Ramirez sabia que ele estava destinado a se juntar aos cinco principais demônios da santeria no Inferno. Mas durante muito tempo, ele não se importou, pois era respeitado e temido por ser bruxo tão poderoso em seu bairro de South Bronx.
Nascido em uma família que tinha tradição em feitiçaria, John foi consagrado já em tenra idade sob ameaça demoníaca em uma leitura de tarô. Seus pais foram avisados de que se não dedicassem o filho à santeria, o garoto ficaria cego. Obedientemente, sua mãe submeteu a criança aos rituais de consagração.
Depois disso, "toda a minha personalidade - o representava o que eu era - não estava mais lá", disse John em um vídeo do YouTube. "Eu senti como se alguém colocasse um cobertor preto por cima de mim. Eu não estava respondendo apenas à minha mãe e meu pai, eu estava respondendo aos demônios".
Ele foi treinado sob a tutela de adoradores do diabo de alto escalão. Ele se infiltrava em funerais para "capturar" os espíritos das pessoas mortas e usá-los para matar outros indivíduo pelo mesmo tipo de morte. Ele também recolheu o sangue de traficantes mortos na rua para realizar rituais satânicos.
"As pessoas sabiam que eu carregava comigo, uma força a ser considerada", disse ele. "Eu gostava daquele poder. Eu fui subestimado como um jovem rapaz. Mas depois eu tinha o poder e a autoridade para fazer o que quisesse".
A grande mentira
Quando John tinha 13 anos, seu pai morreu em uma briga de bar. Como o rapaz sofreu sucessivos abusos físicos e emocionais por parte de seu pai, John viu a sua morte não como uma tragédia, mas como um alívio para ele e sua mãe.
"Como um jovem garoto, eu pedia a ajuda de Deus para livrar a minha mãe, quando o meu pai estava batendo nela", disse ele. "E ninguém apareceu. Mas o diabo apareceu porque ele matou meu pai. Eu acredito que o diabo me disse: 'Ninguém te ama, mas eu te amo. Seu pai não pode oferecer nada para você, mas eu sou o seu provedor. Vou dar-lhe o que você quiser. Basta pedir".
A santeria é uma forma caribenha de bruxaria com raízes na África. Atividades como se embriagar com bebidas alcoólicas, vestir-se de branco, realizar rituais com velas vermelhas e sangue humano integram prática satânica. John começou a praticar seus rituais fora de seu apartamento e, por razões que não podia explicar, seus feitiços eram dirigidos especialmente a cristãos.
"Nas boates, eu olhava em volta e buscava identificar os 'cristãos", disse ele. "Eu sabia que estava no campo de jogos do diabo. Então eu sabia que se eu pudesse chegar até alguém que já tivesse bebido uma cerveja ou duas, eu diria: 'Tenho algo a dizer-lhe hoje' e se a pessoa me perguntasse 'O que você tem a me dizer?', eu responderia 'você abriu a porta para mim".
Ele acabou sendo promovido no palo Mayombe - um ramo da santeria - ganhando mais e mais poder. John travou guerras espirituais em nome de Satanás em sua vizinhança.
"O diabo me disse que eu tinha que visitar meu bairro no reino espiritual para enfraquecer a região no ambiente físico. O que quer que você mate no reino do espírito, você pode matar no natural".
Mas ele percebeu que, algumas vezes, suas maldições não tinham o efeito esperado e isso geralmente acontecia quando ele descobria que pessoas estavam orando. As maldições não eram eficazes quando as pessoas oravam. Seu bairro havia sido santificado, abençoado por meio da oração. Ele e seus discípulos do mal não podiam tocá-lo. "Mas nos outros bairros, era hora de festa", disse ele.
Um convite especial
Quando completou 25 anos, John conheceu uma garota bonita e começou a sentir algo por ela. Ela o convidou para a igreja e para a sua casa, onde seus pais lhe falaram sobre Jesus.
"Eles abriram a Bíblia e disseram: 'Ei, escute, nós queremos falar com você sobre isso'. Eu disse a ela: 'Bem, eu não posso vir mais à sua casa. Seus pais são loucos", relatou John. "Então eu disse: 'Ok! Pelo menos deixe-me fazer a digestão do alimento e, em seguida, vocês podem falar sobre esse tal Jesus'. Eu pensei que depois que de deixá-los falar, eu teria vontade de ir para o culto no templo satânico e matar animais durante toda a noite para conseguir voltar e vê-la, mas ela não sabia disso".
Posteriormente, John concordou em participar dos cultos na igreja, pois ele considerava os cristãos apenas "divertidos e inofensivos".
"Nós tínhamos um sistema diferente do que eles tinham. Eles faziam coisas como nos abraçar, nos beijar e dizer: 'Aleluia, nós amamos você", John lembrou. "Então eu continuei a ir à igreja para agradá-la, mas eu não deixaria as pessoas descobrirem sobre as coisas com as quais eu estava envolvido [santeria]".
Numa manhã de domingo, o pastor fez um apelo e John foi à frente. Mas o que aconteceu logo em seguida foi assustador.
"De repente, eu fiquei possuído por demônios. Peguei o pastor pela garganta, o segurei no alto e disse: 'Eu vim para te buscar'. Muitos homens saíram de seus assentos, tentaram me agarrar. Eu simplesmente jogava para longe as pessoas ao meu redor, como bonecas de pano", disse John.
"E então cerca de 200 pessoas se levantaram, estenderam suas sobre nós mãos e começou uma guerra espiritual por aquela pessoa que eu teria matado em um piscar de olhos. Eu vi o poder de Deus naquela igreja. Um dos rapazes estava sussurrando no meu ouvido, 'Diga, Jesus é o Senhor. Diga: Jesus é Senhor. Diga!'. Eu não podia abrir minha boca. E, de repente eu consegui dizer: 'Jesus é o Senhor' e o diabo deixou aquele lugar".
Claro, sua agressão contra o pastor o deixou ainda mais perturbado. Ele estava relutante em voltar para aquela igreja.
Alguns dias mais tarde, um senhor cristão lhe deu um presente: uma blusa que trazia a inscrição "Você é um guerreiro de Cristo". O gesto de bondade, perdão e amor impactou John profundamente. "Foi incrível", disse ele. Eu não podia acreditar que Jesus me amava.
Alternar entre os lados da escuridão e da luz não era mais uma questão simples. "Eu estava comprometido com o lado negro", disse John. "Eu estava comprometido com os demônios. Eu estava comprometido com o diabo. E eu estava entre dois mundos".
Desespero
John não sabia como orar, arrepender-se ou desfazer seus pactos com Satanás. Desorientado e desepserado, John decidiu cometer suicídio.
"Eu disse: 'O Senhor Jesus não pode me ter. O diabo não pode me ter. A melhor saída é o suicídio", disse ele. "Na minha ignorância, na minha vergonha, na minha confusão, eu pensei que estava longe. Eu estava espiritualmente seco".
Com a arma na mão, ele começou a falar com Deus.
"Eu não sei do que eles chamam você, Jesus. Qualquer que seja o nome pelo qual eles te chamam na igreja, eu não gosto de você. Eu nunca gostei de você. Eu nunca tive nada a ver com você. Eu não quero me comunicar com você. Eu te odeio. Eu não quero ser parte de você. Eu nunca quis ser um cristão. Eu te nego. Vou adorar ao diabo até o dia que eu morrer", esbravejou John, mas logo depois sussurrou: "Mas se você é maior do que o deus que eu sirvo, então se revele a mim hoje à noite ou me deixe em paz".
Depois, John adormeceu e sonhou que estava em um metrô cheio de pessoas. Ele não sabia para onde o metrô estava indo, mas sentiu que não era nada bom.
"Havia uma senhora vestida, muito elegante e ela começou a falar comigo em uma língua demoníaca. Eu entendi a língua. Ela dizia: 'Traidor! Você está nos deixando'. Então, eu tentei entrar no meio do trem, no meio do povo, fugindo dela e então, Bam! As portas se abriram. Eu acabei no inferno".
Ainda no sonho, John se viu em reinos escuros, com um calor sobrenatural e desesperança. Ele deu um passo e então Satanás apareceu para ele.
"Eu estive com você desde os nove anos de idade", o diabo teria dito a ele. "Eu tenho sido um pai para você. Eu lhe dei tudo. Vou mantê-lo aqui, porque se eu posso mantê-lo aqui, você não vai acordar no andar de cima [terra] Você pertence a mim. Você não vai sair. Você sabe segredos demais da minha religião".
Mas depois que Satanás o agarrou, uma cruz apareceu de repente nas mãos de John.
"Eu coloquei a cruz sobre o diabo e ele ficou inofensivo, como um bebê. O diabo não tem poderes ao pé da cruz", relatou.
Batalhas
John acordou liberto de Satanás e transformado. "Eu sabia que Jesus é o Senhor. Eu dobrei meu joelho diante da cruz e Jesus entrou na minha vida", disse John, que abandonou sua parafernlha satânica, mas ainda assim sentiu ataque espiritual todas as noites, durante um mês.
"À noite, sentia uma presença entrar na sala", lembra John. "E então, quando eu ia virar, eu realmente, por vezes, via o que estava lá. Ou às vezes quando eu adormecia, sentia as mãos de alguém agarrando a minha garganta e tentando me tirar da cama e tentar rasgar a minha alma do meu corpo.
"Às vezes eles me agarravam pelos pés e a cama balançava, e que iria levá-la e levitar a cama e levitar me a tal ponto que às vezes eu mesmo atingido o teto", disse ele. Eu não conseguia respirar; Eu não podia gritar. Eu não podia falar. Eu me sentia como se estivesse sufocando; Eu sentia como se estivesse sufocando a vida fora de mim. E eu gostaria de tentar chamar por Jesus, e as palavras não saíam e, em seguida, no final, as palavras saíam: 'Jesus, me ajude. Jesus, me ajude".
John ficou perplexo com a batalha que se estendeu por sua alma. Por que Jesus não o libertava rapidamente por completo? Então ele sentiu a resposta: "Eu queria saber o quanto você me amou, o quanto você confia em mim".
Com isso, ele foi liberto daqueles ataques satânicos. "Nunca mais um demônio apareceu em minha casa", disse John.
Hoje, John compartilha o evangelho com todos, sempre que tem a oportunidade. Ele escreveu um livro sobre suas experiências, chamado "Fora do Caldeirão do Diabo".
"Eu tenho sido vitorioso em Cristo", disse John. "Eu tenho paz. Eu não sou mais vazio. Eu tenho satisfação. Eu tenho um propósito e eu tenho um destino hoje. Tudo porque eu disse 'sim' para a cruz. "Hoje, John é evangelista, filiado a uma igreja com sede em Nova Iorque.
"Agora eu sou um evangelista para o Reino de luz, não mais um servo das trevas", disse ele. "Eu exponho o lado negro cada vez que o Senhor me dá uma chance, para que vocês não tenham mais que morrer em seus pecados. Vocês não têm mais que derramar seu sangue, como na santeria. Jesus derramou o sangue para você. Esse é o sangue que conta: o que foi derramado na cruz".

Cristã é estuprada por muçulmano em frente aos cinco filhos, no Paquistão

Cristã é estuprada por muçulmano em frente aos cinco filhos, no PaquistãoSamrah Badal foi estuprada por um muçulmano que exigia informações sobre o irmão dele, que teria fugido com a irmã da mulher

Uma mulher cristã foi espancada e estuprada na frente de seus cinco filhos por um homem muçulmano que procurava "vingar honra" de sua família, no Paquistão. A "desonra" teria vindo de um episódio no qual a irmã da mulher agredida se apaixonou e fugiu com o irmão do agressor.
O advogado cristão Aneeqa M. Anthony, coordenador da ONG "Sociedade de Voz" comentou as notícias sobre a agressão em um depoimento à agência de notícias Fides, revelando que o episódio aconteceu na semana passada em Lahore.
Anthony explicou que o irmão muçulmano e um grupo de outros homens foram até a casa da cristã Samrah Badal, buscando notícias sobre o casal 'fugitivo', mas a mulher se recusou a dar qualquer informação. Como consequência, ela foi despida e arrastada para a rua, onde ela foi estuprada na frente de seus cinco filhos.
O advogado observou que o homem muçulmano (irmão do agressor) que escapou com a menina cristã veio de uma família muito influente na cidade e isso teria sido parte da razão para que seu irmão saísse em busca de vingança.
Anthony pediu aos políticos que fizessem o possível para intervir em nome dos cristãos, temendo que o ataque, como muitos outros, ficasse impune pela polícia.
A violência contra os cristãos continua a ser frequente no Paquistão e às vezes os ataques são cometidos por membros de sua própria família.
Em um incidente separado, ainda neste mês de junho (2016), uma mãe muçulmana matou a própria filha adolescente, queimando-a até a morte porque ela se casou sem o consentimento dos pais e "envergonhou a família". Foi o terceiro crime desse tipo no espaço de um mês no Paquistão.
A menina de 18 anos de idade, Zeenat Rafiq, teria sido punida por se casar com um homem que sua família a tinha proibido de escolher, e tinha ido viver com a família do rapaz.
"Quando ela contou aos pais sobre nós, eles bateram tanto nela que ela sangrou pela boca e pelo nariz", disse o marido da jovem, Hassan Khan, à BBC local.
"Sua família a atraiu de volta, prometendo reconciliação e uma recepção de casamento apropriada. Ela estava com medo, ela disse 'eles não vão me poupar'. Ela não queria ir, mas a minha família a convenceu que era o certo a fazer. Como poderíamos adivinhar que eles iria matá-la?".
Feminismo?
Diante da frequente onda de violência contra as mulheres no Paquistão e em outros países ondem o islamismo impera como religião, cultura e até mesmo formação política, o pastor Franklin Graham questionou nas redes sociais, onde estariam as "defensoras dos direitos das mulheres" ou as chamadas "feministas" para se pronunciarem diante de tais atrocidades.
"Onde estão as 'Glorias Steinems', 'Bellas Abzugs' ou até mesmo as 'Hillarys Clintons', que se dizem defensoras dos direitos das mulheres quando se trata dos ensinamentos do islamismo? Por que eles não estão gritando e protestando contra a maneira como o islamismo trata as mulheres?", questionou o evangelista em sua página no Facebook.

ONU afirma que levar crianças à igreja é ´violação dos direitos humanos´

ONU afirma que levar crianças à igreja é ´violação dos direitos humanos´Organização compila 150 recomendações sobre os Direitos da Criança 

Um relatório recente da Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos está causando grande debate na Europa. Segundo a avaliação do grupo de observadores da ONU que visitou o Reino Unido, há preocupação com o fato de crianças serem obrigadas a participar de serviços religiosos e de cultos.
Frequentar a igreja poderia ser uma “violação dos direitos humanos”, afirmam os responsáveis pelo Comitê das Nações Unidas sobre os Direitos da Criança. Portanto, recomendaram que o governo “revogue as disposições legais sobre frequência obrigatória a encontros de adoração coletiva”.
Seguindo uma tradição histórica, a maior parte do sistema educacional do Reino Unido está nas mãos de igrejas. Até o quinto ano, a participação em cultos religiosos faz parte das atividades, como aulas de ensino religioso. Só estão dispensadas caso os pais não autorizem ou pertençam a outra fé.
O material compila 150 recomendações, apontando que a Grã-Bretanha pode estar violando a Carta da ONU sobre os Direitos da Criança em vários aspectos. No relatório não existe qualquer menção de violação de direitos humanos por parte da comunidade islâmica, que administra várias escolas.
Possivelmente por que o alto comissário da ONU para os Direitos Humanos é Zeid Ra’ad Al Hussein, um príncipe jordaniano, que professa a fé muçulmana. Também foi ignorado o artigo 18 da Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU, que garante a todo ser humano a “liberdade de manifestar sua religião ou crença”, em público ou em particular.
David Burrowes, um parlamentar conservador, afirma que esse relatório, deve ser jogado no lixo, que é o seu lugar devido. “O ato coletivo de adoração não é um exercício de doutrinação. É reconhecer e respeitar a herança cristã do país e dar às pessoas uma oportunidade para refletirem”, disparou.
Burrowes aproveitou para fazer uma cobrança séria: “A ONU deveria passar mais tempo fazendo o seu principal trabalho, de prevenção das guerras e do genocídio, em vez de meter o nariz nas salas de aula de outros países”.
Ele se referia ao fato da Organização se negar a reconhecer que existe um genocídio contra os cristãos em andamento no Oriente Médio.